Mostrar mensagens com a etiqueta colapso da cicilizaçao. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta colapso da cicilizaçao. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Está se confirmando a previsão do MIT sobre o colapso da civilização

Em 1972, uma equipe de cientistas do MIT publicou um estudo prevendo o fim do que é conhecido como “civilização industrial” no século 21, e essas mudanças agora parecem estar totalmente em sintonia com a realidade.

Atualmente, outros investigadores ainda estão tentando estabelecer preditivos para ajudar os detentores de poder a tomar decisões que, de alguma forma, determinarão o futuro da humanidade.


Fim-da-humanidade
Photo//Pixabay


Doença infeciosa causada por um novo nairovírus identificada no Japão



Embora o estudo tenha sido criticado na época, uma nova pesquisa mostra que essas mudanças foram consideradas precisas até agora.



Um novo estudo publicado no Yale Journal of Industrial Ecology e conduzido por Gaya Herrington, chefe de sustentabilidade da KPMG, analisou como a situação evoluiu desde o relatório inicial de 1972 e imaginou que poderíamos de fato testemunhar o colapso da civilização (como a conhecemos) já em 2040



Mas isso só acontecerá se continuarmos com nossa abordagem atual de extração e super exploração de recursos, o que obrigou que há esperança, embora seja difícil de acreditar.

É de salientar que este estudo foi realizado de forma independente, e exclui a empresa KPMG, como parte da dissertação de mestrado de Gaya Herrington em Harvard.

Herrington comparou as projeções da equipe do MIT com dados reais e tangíveis sobre o desenvolvimento económico e a extração de recursos, para determinar onde chegaremos nesse cenário inadequado.



Foram estudados dados sobre dez variáveis ​​chave, nomeadamente população, taxas de fertilidade, taxas de mortalidade, produção industrial, tecnologia, produção alimentar, serviços, recursos não renováveis, poluição persistente, bem-estar humano e pegada ecológica.

Herrington concluiu assim que os dados mais recentes correspondem melhor a dois cenários particulares, nomeadamente o cenário “BAU2” (business-as-usual) e “CT” (tecnologia abrangente). Portanto, tudo parece indicar que os melhores dados disponíveis sugerem que o que decidirmos nos próximos dez anos determinará o destino, a longo prazo, da nossa civilização.



Em particular, Herrington apontou para o “rápido aumento” das prioridades ambientais, sociais e governamentais, o que dá margem a otimismo e reflete a mudança de mentalidade que está ocorrendo nos governos e nas empresas.

Segundo ela, pode não ser tarde para criar uma civilização legítima sustentável e justa para todos, embora seja cada vez mais difícil acreditar nela.



Quais são as profecias de Nostradamus para 2022?




Referencia//Trust My Science

sábado, 1 de agosto de 2020

Estudo indica que há 90% de probabilidade de a Humanidade colapsar em breve


A desflorestação e a superpopulação da Terra ameaçam destruir a vida como a conhecemos até 2040, segundo com um novo estudo, que indica o “colapso irreversível” da civilização.
Se nada mudar, a civilização como a conhecemos, está muito perto do “colapso irreversível”. É apenas uma questão de décadas, indica uma investigação recente, publicada na Scientific Reports, que modela o futuro da Humanidade com base nas taxas atuais de desflorestação e uso de outros recursos.


Populaçao
Photo//Mundo-Nipo

Poluição do ar mata mais que o Covid-19


A equipa analisou os números de aumento da população, do consumo de recursos e desflorestação e utilizou-as em complicadas fórmulas matemáticas. As projeções mais otimistas deste estudo revelam uma probabilidade de 90% de colapso da Humanidade.
Os físicos preveem que a atual sociedade, pode terminar dentro de 20 a 40 anos. “Os cálculos mostram que, mantendo a taxa real de crescimento populacional e o elevado consumo de recursos, ainda temos algumas décadas antes desse colapso irreversível.
O artigo científico, escrito por físicos do Instituto Alan Turing e da Universidade de Tarapacá, prevê que a desflorestação vai acabar com as últimas florestas da Terra dentro 100 ou 200 anos. A desflorestação, as mudanças na população global e o consumo de recursos, fazem a receita perfeita para o desastre da nossa civilização.



“É falso pensar que a sociedade humana só começará a ser afetada pela desflorestação quando a última árvore for cortada”, lê-se no artigo. A taxa global de desflorestação diminuiu nos últimos anos, mas ainda há uma perda líquida na floresta em geral.
Além disso, as árvores jovens não conseguem proteger o meio ambiente tão eficientemente como as florestas antigas.
Pesquisas recentes também sugeriram que as taxas de crescimento populacional global são inferiores às estimativas. Um artigo sugeriu, inclusive, que o crescimento da população pode diminuir em meados do século XXI devido ao declínio nas taxas de fertilidade.
No entanto, os cientistas avisam que o tempo está a esgotar. “É difícil imaginar, na ausência de esforços coletivos muito fortes, grandes mudanças destes parâmetros numa escala de tempo tão curta”, escreveram.


Dez ameaças á sobrevivência da humanidade





Estudo indica que há 90% de probabilidade de a Humanidade colapsar em breve


A desflorestação e a superpopulação da Terra ameaçam destruir a vida como a conhecemos até 2040, segundo com um novo estudo, que indica o “colapso irreversível” da civilização.
Se nada mudar, a civilização como a conhecemos, está muito perto do “colapso irreversível”. É apenas uma questão de décadas, indica uma investigação recente, publicada na Scientific Reports, que modela o futuro da Humanidade com base nas taxas atuais de desflorestação e uso de outros recursos.


Populaçao
Photo//Mundo-Nipo

Poluição do ar mata mais que o Covid-19


A equipa analisou os números de aumento da população, do consumo de recursos e desflorestação e utilizou-as em complicadas fórmulas matemáticas. As projeções mais otimistas deste estudo revelam uma probabilidade de 90% de colapso da Humanidade.
Os físicos preveem que a atual sociedade, pode terminar dentro de 20 a 40 anos. “Os cálculos mostram que, mantendo a taxa real de crescimento populacional e o elevado consumo de recursos, ainda temos algumas décadas antes desse colapso irreversível.
O artigo científico, escrito por físicos do Instituto Alan Turing e da Universidade de Tarapacá, prevê que a desflorestação vai acabar com as últimas florestas da Terra dentro 100 ou 200 anos. A desflorestação, as mudanças na população global e o consumo de recursos, fazem a receita perfeita para o desastre da nossa civilização.



“É falso pensar que a sociedade humana só começará a ser afetada pela desflorestação quando a última árvore for cortada”, lê-se no artigo. A taxa global de desflorestação diminuiu nos últimos anos, mas ainda há uma perda líquida na floresta em geral.
Além disso, as árvores jovens não conseguem proteger o meio ambiente tão eficientemente como as florestas antigas.
Pesquisas recentes também sugeriram que as taxas de crescimento populacional global são inferiores às estimativas. Um artigo sugeriu, inclusive, que o crescimento da população pode diminuir em meados do século XXI devido ao declínio nas taxas de fertilidade.
No entanto, os cientistas avisam que o tempo está a esgotar. “É difícil imaginar, na ausência de esforços coletivos muito fortes, grandes mudanças destes parâmetros numa escala de tempo tão curta”, escreveram.


Dez ameaças á sobrevivência da humanidade