Mostrar mensagens com a etiqueta Vacina oral. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Vacina oral. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 23 de março de 2021

Uma vacina contra Covid -19 em forma de pílula pode entrar em testes clínicos este ano.

A Oravax, empresa que trabalha com a substância, anunciou num comunicado à imprensa  que espera iniciar a primeira fase de testes clínicos em humanos até junho.

A etapa é apenas a primeira fase do desenvolvimento de uma vacina. Não há garantia de sucesso e, mesmo que funcione, pode levar um ano ou mais para que seja autorizado para uso (a Moderna e a Pfizer iniciaram seus primeiros testes em humanos em março e maio de 2020, respetivamente).



Pilulas
Photo//Pexels


Cientistas de Stanford criam vacina, de nanopartículas, de dose única para COVID-19


As vacinas orais são uma opção avaliada para vacinas de "segunda geração", que são projetadas para serem mais escalonáveis, fáceis de administrar e mais simples de distribuir.

A Oravax é uma joint venture de duas empresas. A empresa israelense-americana Oramed e a empresa indiana Premas Biotech. No seu comunicado à imprensa na sexta-feira, disse que os testes poderiam começar em junho.

Uma vacina oral poderia "potencialmente permitir que as pessoas tomem a vacina em casa", disse Nadav Kidron, CEO da Oramed, no comunicado.

A vacina pode ser enviada num frigorifico normal e armazenada á temperatura ambiente, disse Kidron, "tornando mais fácil logisticamente obtê-la em qualquer lugar do mundo", relatou o  Jerusalem Post .

 

Nnum e-mail para o Business Insider, o Prof. Paul Hunter, professor de medicina na University of East Anglia, emitiu uma nota de cautela.

Precisaríamos de estudos conduzidos adequadamente para provar o valor das vacinas orais”, disse ele.

"Mas eles também podem ser valiosos em pessoas com fobia grave de agulhas e podem ser mais fáceis e rápidos de administrar."

As vacinas orais também podem oferecer outros benefícios em relação às vacinas administradas no braço, disse Hunter ao Business Insider.

 


"A questão das vacinas sistêmicas, injeções, é que geralmente são muito boas na prevenção de doenças graves", mas muitas vezes não são boas na prevenção de infeções.

A teoria é que, como a infeção ocorre primeiro no nariz e na garganta, as vacinas concentradas nessas áreas ajudarão a interromper a infeção antes que ela evolua para algo pior.

Os dados sobre a vacina Oravax não foram publicados até o momento. "Os resultados dos estudos com animais são encorajadores", disse Hunter ao Business Insider. "Mas não pensemos que os resultados em animais sempre se traduzem em resultados humanos".

 


"Precisamos de estudos em humanos para ter certeza", disse ele.

Outros tipos de vacinas de segunda geração estão sendo investigados, como as vacinas administradas por spray nasal. Os cientistas também estão estudando se as vacinas podem ser administradas por meio de adesivos.

A professora Sarah Gilbert, cientista-chefe do desenvolvimento da vacina Oxford / AstraZeneca, disse que Oxford está avaliando a possibilidade de desenvolver comprimidos e vacinas orais em spray nasal, relatou o Independent em 25 de fevereiro.

A Universidade de Oxford recusou-se a responder a perguntas sobre vacinas orais colocadas pelo Business Insider antes da publicação.


Outra empresa, a ImmunityBio, está realizando testes clínicos de Fase 1 de uma versão oral da vacina. No entanto, isso seria usado mais como uma dose de reforço para a vacina intramuscular, ao invés da vacina por si só.

O único teste de uma vacina oral COVID-19 feito em humanos até agora não deu certo.

No final de 2020, uma empresa chamada Vaxart anunciou bons resultados em testes com animais, mas nos primeiros testes em humanos obteve respostas dececionantes.



Vacina russa Sputnik V com eficácia de 92% na 3ª fase dos testes clínicos