Mostrar mensagens com a etiqueta Deformação de crosta terrestre. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Deformação de crosta terrestre. Mostrar todas as mensagens

domingo, 14 de novembro de 2021

Navios da Segunda Guerra Mundial emergem das profundezas

A forte erupção do vulcão subaquático Fukutoku-Okanoba no Japão trouxe para a superfície lembranças fantasmagóricas da 2ª Guerra Mundial. 24 navios de guerra que tinham sido afundados na batalha de Iwo Jima!

Imagine como seria se se deparasse com dezenas de navios abandonados e destruídos, com aspeto fantasmagórico. Pois, isto ocorreu no Japão! A intensa atividade sísmica de um vulcão trouxe à superfície dezenas de navios afundados na 2ª Guerra Mundial.



navios-da-segunda-guerra-mundial-surgem-das-profundezas
Photo//Courtney White / Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos.


Antigo manuscrito Hindu revela viagens interplanetárias há 7000 anos



Em agosto deste ano, o vulcão subaquático Fukutoku-Okanoba que fica cerca de 25 metros de profundidade no oceano Pacífico, localizado 5 km a norte da ilha de Iwo Jima do Sul e 1,3 mil km ao sul de Tóquio, entrou em erupção emitindo uma enorme nuvem de fumo para a atmosfera.



Pouco tempo depois verificou-se que a intensa atividade sísmica do vulcão tinha criado uma pequena ilha em forma de lua crescente formada por lava endurecida, pedras-pomes e cinzas vulcânicas. Dois meses depois da erupção e aparecimento da ilha, os investigadores descobriram que a formação dessa ilha trouxe para a superfície dezenas de navios destruídos! 



De acordo com o Museu Nacional da Segunda Guerra Mundial dos Estados Unidos, estes navios foram afundados durante a Batalha de Iwo Jima, uma das mais sangrentas no Pacífico, na Segunda Guerra Mundia,l ocorrida em 1945. Estes navios foram usados pelo Japão para se preparar para uma invasão das tropas americanas durante a batalha em 1945, contudo as tropas americanas conseguiram conquistar a ilha e mataram dezenas de milhares de soldados japoneses. Estes navios acabaram por ser capturados pela Marinha dos Estados Unidos após a derrota dos japoneses em fevereiro de 1945. Algumas informações indicam que estes navios foram afundados para construir um pontão para facilitar a chegada de mantimentos à ilha. A intenção das tropas americanas era criar uma base naval artificial na ilha de Iwo Jima para apoiar uma base militar norte-americana antes do ataque ao Japão continental.



De acordo com Setsuya Nakada, diretor do Centro de Promoção de Investigação de Vulcões do governo japonês, em entrevista para a All Nippon News, uma grande área do mar de águas “descoloridas” espalhou-se à volta do vulcão Fukutoku-Okanoba, o que indica que a atividade vulcânica ainda não diminuiu e novas erupções e atividades sísmicas poderão ocorrer.

Como a ilha recém-formada pela erupção é constituída de pedras-pomes e cinzas, deverá erodir rapidamente e desaparecer em breve. Aliás, já reduziu para metade do seu tamanho original. Isto indica que os navios não ficarão por muito tempo à superfície, e cedo poderão regressar ao seu descanso no fundo do Pacifico.


 


Cientistas resistam “grito das profundezas” ra 10.000 metros de profundidade




Referencia//Tempo


terça-feira, 28 de setembro de 2021

A perda de gelo está deformando a crosta terrestre

O derretimento do gelo polar da Terra está deformando a crosta do planeta. 

Essa mudança de forma é sutil, mas ocorre a muitas centenas de quilómetros de distância das camadas de gelo. Os investigadores podem ser capazes de monitorizar a mudança como parte da pesquisa para entender como a mudança climática afetará o nível do mar. Compreender a deformação também é importante, porque os cientistas precisam ser capazes de corrigir esse movimento do solo ao medir outros tipos de processos geológicos, escreveram os autores do estudo na edição de agosto da revista Geophysical Research Letters .



 

Geleira-derretendo
Photo//Pixabay//Luisvaliente


Startup afirma ter tecnologia que pode enfraquecer furacões


Os cientistas já sabiam que, quando o gelo desaparece, a crosta por baixo muda. Imagine levantar sua cabeça de um travesseiro de espuma de memória, á medida o peso de sua cabeça é retirado, o travesseiro gradualmente volta a forma original, mesmo depois de sair da cama. Algo semelhante acontece quando uma geleira recua. A crosta por baixo, e livre de todo aquele peso, lentamente sobe. Isso é chamado de recuperação isostática e é realmente muito lento. Em algumas regiões de alta latitude, o solo ainda está recuperando do recuo das camadas de gelo durante o final da última era do gelo.



Mas agora, as regiões polares estão perdendo gelo em uma velocidade crescente devido à mudança climática. De 2000 a 2010, a perda de gelo da Antártica, Groenlândia e geleiras de montanha aumentou 60% em comparação com a perda de gelo entre 1990 e 2000, de acordo com um artigo publicado em 2020 na The Cryosphere . Esse derretimento está afetando a forma da crosta, tal como a perda de gelo no final da Idade do Gelo. Mas a maioria das pesquisas concentrou-se nas mudanças da crosta logo abaixo e a volta das camadas de gelo. Mesmo quando os investigadores estudam os efeitos mais distantes, eles concentram-se nas mudanças verticais na forma da crosta. Mas o movimento da crosta terrestre após a perda de gelo é tridimensional, o que significa que também se desloca horizontalmente.

 



Sophie Coulson, investigadora de pós-doutorado no Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México, que conduziu a pesquisa enquanto estava na Universidade de Harvard, queria observar em 3D global o impacto da perda de gelo no século 21. Ela e seus colegas usaram dados de satélite coletados entre 2003 e 2018 para procurar pequenos movimentos na crosta, comparando essas mudanças com a perda de gelo na Antártica, Groenlândia e geleiras de alta latitude ano a ano.

Descobriram que, em muitos casos, o movimento horizontal da crosta ultrapassou o movimento vertical (levantamento). O movimento dependia muito da quantidade de gelo perdido por ano, mas, tanto nos anos de alta, como nos de de baixa perda, a maior parte da América do Norte teve um movimento mais horizontal do que vertical. A fluência horizontal, principalmente para o norte, atingiu o pico em 2012 em até 0,017 polegadas (0,45 milímetros). Em anos de baixa perda, esse movimento foi em média em torno de 0,004 polegadas (0,1 mm) para todo o continente.



No início dos anos 2000, o gelo recuou rapidamente da península Antártica e da Antártica Ocidental, mas a Antártica Oriental ganhou gelo. Esses ganhos e perdas acabaram resultando numa média em termos da crosta terrestre, de modo que a maior parte da deformação foi limitada a uma área relativamente pequena no sul do Pacífico. O hemisfério norte era uma história diferente. A perda de gelo das latitudes norte foi associada a uma média de 0,015 polegadas (0,4 mm) de movimento horizontal, principalmente para o norte, por  ano no hemisfério norte. Isso incluiu até 0,01 pol. (0,3 mm) de movimento no Canadá e nos Estados Unidos e até 0,008 pol. (0,2 mm) na Europa e na Escandinávia.



Esses números podem parecer insignificantes, mas aumentam com o tempo. E essa deformação pode afetar o modo como a futura perda de gelo se desenrola.

"Em algumas partes da Antártica, por exemplo, a recuperação da crosta está mudando a inclinação do leito rochoso sob o manto de gelo, e isso pode afetar a dinâmica do gelo", disse Coulson à Harvard Gazette . “Uma inclinação mais íngreme significa um fluxo mais rápido de gelo em direção ao mar”.

Os cientistas fazem uma previsão para quando ocorrerá a "Catástrofe Global"


Derretimento da geleira na Antártida não se deve ao aquecimento global



Referencia//LiveScience