Mostrar mensagens com a etiqueta Aztecas. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Aztecas. Mostrar todas as mensagens

domingo, 8 de agosto de 2021

O mercúrio liquido encontrado em Teotihuacan poderia ser combustível de naves alienígenas

Em 2015 uma equipe de arqueólogos descobriu uma grande quantidade de mercúrio líquido no interior da pirâmide mexicana. São várias as ocasiões em que o mercúrio é encontrado na forma de um pigmento vermelho pulverulento chamado cinábrio nas tumbas dos mesoamericanos, mas encontrá-lo na forma líquida é extremamente raro. Teóricos dos antigos astronautas sugeriram que a presença de mercúrio líquido pode ter sido uma parte do sistema de propulsão usado pelos astecas.

Os vestígios de mercúrio líquido foram descobertos por um arqueólogo mexicano chamado Sergio Gómez em três câmaras situadas sob a Pirâmide da Serpente Emplumada no sítio arqueológico de Teotihuacan ao norte da Cidade do México. Gómez havia escavado o túnel no local descoberto em 2003 e já com 1.800 anos, e sua equipa descobriu três camaras. Encontraram também artefactos estranhos perto da entrada do túnel como estatuetas de jade, conchas, restos de onça. uma caixa cheia de conchas esculpidas e bolas de borracha.

Gómez acreditava que a descoberta do mercúrio líquido poderia ser uma representação do submundo onde residiam os mortos, provavelmente os restos mortais dos reis de Teotihuacan.


Pirâmide-da-Serpente-Emplumada
Photo//Smithsonianmag


Serão as pirâmides egípcias um portal estrelar?


Os astecas chamaram o antigo local de Teotihuacan de "Cidade dos Deuses". Ele está localizado a cerca de 50 km a nordeste da atual Cidade do México. Não há registo de quando a cidade foi construída mas floresceu já em 400 AC e tornou-se o lugar mais poderoso e influente por volta de 400 DC. Estima-se que, de 100.000 a 200.000 pessoas viviam em Teotihuacan, que construíram monumentos gigantes como o Templo da Serpente Emplumada (Quetzalcoatl) e as Piramides do Sol e a Lua do Sol.

Uma antropóloga da Universidade da Califórnia chamada Rosemary Joyce afirmou que os mesoamericanos usaram cinabre para criar mercúrio líquido para decorar objetos de jade e aplicá-lo nos cadáveres de seus membros reais. Existem três outros locais na América Central onde o mercúrio foi encontrado, mas não em tão grande escala.



As muitas estruturas que ainda existem em Teotihuacan parecem estar codificadas com princípios matemáticos e cósmicos avançados e o layout reflete precisamente as posições dos planetas no nosso sistema solar. Escavações modernas no local revelaram descobertas de mercúrio líquido, paredes revestidas de mica e estranhas esferas douradas contendo substâncias desconhecidas todas as quais estão fora do lugar no mundo antigo. Seriam esses artefactos pertencentes a uma sociedade alienígena? Ou talvez até um porto espacial extraterrestre?



O mercúrio é um elemento muito tóxico, e a exposição a este metal pode causar dores de cabeça, calafrios, febre, aperto no peito, tosse, tremores nas mãos, náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarreia, etc. Embora os cientistas estejam intrigados com o que foi descoberto sob a pirâmide azteca, os teóricos dos antigos astronautas acreditam que o mercúrio encontrado no templo de Quetzalcoatl pode ter uma conexão direta com o Deus da serpente emplumada que desceu do céu.



templo-Quetzalcoatl
Photo// Reuters


Robot revela segredos da Grande Pirâmide


O autor suíço Erich von Däniken disse: “O mercúrio líquido não foi encontrado apenas em Teotihuacan, de acordo com antigos textos indianos, mas já fez parte do sistema de propulsão que os extraterrestres usavam para suas máquinas voadoras.”







Havia informações sobre seres extraterrestres e OVNIs na Biblioteca de Alexandria


De acordo com o professor Shivanandam de Sri Chandrasekharendra Saraswathi Viswa Mahavidyalaya (Sri Chandrasekharendra Saraswathi University, Kanchipuram, Índia), há cerca de 7.000 anos, as pessoas na Índia sabiam como criar Vimanas (máquina voadora) para atravessar o céu e além de usar uma tecnologia que a NASA é ainda tentando aproveitar hoje.



Existem referências em antigos textos védicos que citam Vimanas que podiam voar no ar, na água e na terra. Eles mencionam vários tipos de propulsão, incluindo a propulsão de mercúrio. Muitas lendas dizem que os nazis examinaram esses antigos textos em sânscrito para construir sua máquina voadora.



 

O professor Shivanandam escreve:

O motor da futura nave espacial planeado pela NASA usa unidades de bombardeio de mercúrio alimentadas por células solares. O propelente de mercúrio é vaporizado, alimentado na câmara de descarga do propulsor ionizado convertido em plasma e acelerado através de pequenas aberturas para sair do motor em velocidades entre 1200 e 3000 quilómetros por minuto. Mas até agora a NASA teve sucesso com apenas meio quilo de impulso o que é inadequado. Mas há 108 anos, SBTalpade, um estudioso de Sânscrito de Bombaim foi capaz de usar o conhecimento de Vaimanika Shastra para produzir impulso suficiente para erguer sua aeronave a 1.500 pés.







Giorgio Tsoukalos sugeriu que o mercúrio numa câmara da pirâmide da serpente emplumada pode representar a presença de naves  em algum ponto. Ele acrescentou o que aconteceria se a serpente emplumada fosse na verdade uma nave espacial.

Um caso semelhante de mercúrio pode ser encontrado na província de Shaanxi, na China, onde há um funerário de 8.000 guerreiros e cavalos de terracota em tamanho natural. Os investigadores não puderam escalar as massivas estruturas subterrâneas devido aos altos níveis de escritos de mercúrio da época de Qin Shi Huang. Como a história asteca de Quetzalcoatl descendo do céu os chineses têm uma lenda do ancestral de Qin Shi Huang, o Imperador Amarelo desceu do céu num dragão. Acredita-se que o dragão era uma nave que poderia cobrir grandes distâncias num curto período de tempo.



 De acordo com a teoria de um antigo astronauta os aztecas e os chineses receberam segredos ocultos do mercúrio que lhes permitem criar um rio de mercúrio para os extraterrestres ou seus Deuses.


Será que os Sumérios, viajaram para o espaço há 7000 anos?


Referencia//How & Whys The Guardian