domingo, 26 de junho de 2022

Teria o rei maia Pakal, sido um alienígena do planeta Nibiru?

Uma das descobertas mais importantes relacionadas à antiga civilização maia é o misterioso astronauta maia gravado na tampa de um sarcófago encontrado no túmulo de “Pakal, o Grande” na antiga cidade maia de Palenque, localizada na Sierra Madre de Chiapas, México.

A misteriosa figura pintada na tampa é o Rei Pascal, cujo túmulo foi encontrado no “Templo das Inscrições” em 1952.


Pakal.mask
Photo//Anomalien


O mistério das pirâmides submersas na China

 

O misterioso túmulo do rei maia Pakal, atraiu o interesse de teóricos dos antigos astronautas, como Zachariah e Erich von Daniken, que sugeriram que a tampa esculpida do sarcófago encontrado no seu túmulo retrata um antigo astronauta.

Tanto na tampa, como no seu túmulo, o Pakal está localizado em um espaço intermediário cercado por desenhos e símbolos que percorrem as bordas da tampa e representam componentes importantes da cosmologia maia. Ele tinha apenas 12 anos quando assumiu o trono de Palenque em 615 dC, e governou com sucesso até sua morte aos 80 anos.



Acredita-se que ele foi o 7º governante com uma idade tão precoce. Ele construiu esta cidade maia de tamanho modesto e a transformou em um local urbano avançado na Mesoamérica. Segundo os principais historiadores, o sarcófago fala sobre a morte do rei Pakal e sua descida ao submundo.

Como alternativa, Erich von Daniken em seu livro “Carruagens dos Deuses” observou que o governante é retratado sentado dentro de algum tipo de nave espacial.

Ele sugeriu que Palenque é um dos lugares antigos que sugerem uma presença alienígena na Terra. Com base em suas observações, os teóricos dos antigos astronautas afirmaram que o rei Pakal poderia ter sido parte de uma raça de antigos astronautas alienígenas que construíram uma civilização na Terra.

 


O túmulo do Rei Pakal

Pakal, o Grande, foi enterrado no Templo das Inscrições, e o sarcófago em que seu corpo estava localizado foi cercado por uma cripta de 9 metros de comprimento, com tetos de 7 metros de altura. Em 1949, o arqueólogo mexicano Alberto Rus Luillier a penetrou.

Ele descobriu numerosos esqueletos de vítimas sacrificadas durante o enterro de Pakal, o Grande. Em seguida, visitou a cripta, que, segundo ele, “parece ter sido cavada no gelo”.

Esta é uma espécie de caverna, cujas paredes e teto são tão lisos que parecem polidos. Também se assemelha a uma capela abandonada, cuja cúpula é coberta de estalactites, e estalagmites se erguem do chão, grossas como gotas de cera de uma vela.


Tumulo-de-pakal
Photo//Anomalien


Investigador descobre "antiga cidade alienígena" no fundo do Pacifico



Uma das coisas mais surpreendentes que atraiu a atenção dos arqueólogos foi uma máscara de mosaico de jade e obsidiana que cobria o rosto do falecido.

No entanto, o maior mistério do tumulo de Pakal foi a escultura na tampa de seu sarcófago, uma pedra pesando de 5 a 20 toneladas. Um homem vestido de acordo com os costumes maias parece estar sentado dentro de um veículo estranho, e muitos afirmam que é uma nave espacial.

Outra estranheza do Rei Pakal é seu nariz comprido. Ele até parecia diferente das pessoas comuns: um nariz alto cortado na testa e um rosto estreito com olhos grandes.

 


Se olharmos para outras figuras antigas, Pakal não é a única pessoa com uma raiz de nariz levantada, essa característica também pode ser vista em estatuetas antigas escavadas na Ilha Jaina, um antigo cemitério maia com cerca de 20.000 túmulos.

É possível que os narizes compridos que se projetam da testa possam estar no DNA de pessoas antigas ou pertencer a outra raça humana. Além disso, civilizações antigas com crânios alongados, raízes de nariz levantadas, dentes incomuns, etc. poderiam pertencer à raça humana com um DNA diferente. Mas a questão é: quando o DNA mudou tão drasticamente?

Hoje, os arqueólogos refutam a tese sobre o antigo astronauta maia, apontando que a escultura na tampa do sarcófago de Pakal, o Grande, é apenas uma imagem do além: todos os elementos simbólicos estão presentes aqui, facilmente reconhecíveis nas imagens que ilustram a viagem da alma do falecido para o mundo dos mortos.

Apesar das negações oficiais, muitos ainda acreditam que essa estranha figura vestida como um guerreiro maia é um alienígena que os habitantes de Palenque encontraram e o imortalizaram em uma pedra há 2.000 anos.


Pirâmides, o que as autoridades egípcias estão nos escondendo?



No seu livro “The Lost Realms”, Zecharia Sitchin mostra que existem semelhanças entre os ritos fúnebres dos faraós nas antigas tumbas egípcias e os observados no túmulo do rei Pakal.

Os cientistas também reconhecem que é impossível evitar uma comparação implícita entre o túmulo de Pakal e as criptas dos faraós egípcios, especialmente os símbolos de cenas funerárias que retratam uma jornada para a vida após a morte.

Essas conexões, que surgiram como resultado da aplicação da hipótese dos antigos astronautas ao túmulo do rei Pakal e à história da civilização maia em geral, sugerem que o rei Pakal poderia pertencer aos Anunnaki, que trouxeram a civilização para a Terra.

Considerando as tábuas sumérias sobre a lista de reis, na época da morte de Pakal, a grande maioria dos Anunnaki já havia deixado a Terra. É possível que Pakal tenha sido um dos Anunnaki que ficaram, e seu sarcófago representou seu regresso ao planeta natal dos Anunnaki, Nibiru?


A NASA considera que existiu uma civilização há milhões de anos



Fonte

Sem comentários:

Enviar um comentário