segunda-feira, 20 de junho de 2022

Há 13% de possibilidade da humanidade acabar no século 21

À medida que nossa civilização cresce e a tecnologia avança, novas ameaças também estão surgindo.

O surgimento de novas armas letais, o desenvolvimento da inteligência artificial e da robótica, a estratificação social, a ânsia por dinheiro e poder, assim como a destruição do nosso planeta e a extração excessiva de recursos naturais são apenas alguns dos exemplos mais graves.


Fim-da-humanidade
Photo//Google Discovery

A humanidade está condenada, afirmam os cientistas


Portanto, não deve surpreender que os cientistas tentem prever quando nosso fim chegará e nos alertam diretamente sobre a potencial destruição da humanidade, relata o site independent.co.uk .

O Dr. Fergus Simpson, matemático do Instituto de Cosmologia da Universidade de Barcelona, ​​fez seus próprios cálculos para estimar o risco de extinção da espécie humana.



O cálculo é baseado no Argumento do Juízo Final, que se afirma poder prever o número de futuros membros da espécie humana, dada uma estimativa do número total de humanos nascidos até agora.

De acordo com os cálculos do Dr. Simpson, cerca de 100 bilhões de pessoas já nasceram e um número semelhante nascerá no futuro antes que a raça humana acabe.

Simpson estimou que a cada ano há mais de 0,2% de probabilidade de uma catástrofe global e 13% de possibilidade de que a humanidade não consiga sobreviver ao século 21



No entanto, as previsões do matemático são bastante otimistas em comparação com as visões de outros investigadores. Por exemplo, Sir Martin Rees, o astrônomo e cosmólogo britânico, prevê que a espécie humana tem apenas 50% de possibilidade de sobreviver neste século.

Dr. Fergus Simpson acredita que a humanidade deve agir urgentemente para mitigar as ameaças globais. Em sua opinião, podemos não ser capazes de evitar certos eventos, mas certamente somos capazes de retardar sua ocorrência.



Cientistas estão construindo uma "caixa negra" para registar o fim da humanidade




Fonte

Sem comentários:

Enviar um comentário