domingo, 17 de abril de 2022

Objeto descoberto nos confins do Sistema Solar aponta para a existência do 'Planeta X'

Cientistas encontraram novas evidências de que, o nono planeta do Sistema Solar, que há anos eles buscam identificar, pode de fato existir.

A órbita do planeta-anão "2015 TG387" ou o "Duende", cuja descoberta foi anunciada terça-feira pelo Centro de Planetas Pequenos da União Astronómica Internacional, pode ser a chave para se chegar ao chamado "Planeta 9" ou "Planeta X", que ficaria muito depois de Plutão (que, aliás, deixou de ser considerado um planeta em 2006 e foi reclassificado como planeta-anão).




Planeta-anão-Duende
Duende, Photo//NASA


Hubble identifica exoplaneta estranho que se comporta como o mítico "Planeta X"


O anúncio foi feito após três anos de pesquisa com a ajuda do telescópio japonês Subaru, localizado no Havaí, nos Estados Unidos.

E revela que a órbita do novo objeto, que está muito longe do Sol, sustenta a ideia da existência de um planeta ainda mais distante e maior, uma "superterra".



Planeta X, um gigante no radar

Os cientistas afirmam que o "Duende" seria um pequeno indicador da presença do hipotético "Planeta X", um gigante que eles acreditam existir nos confins do Sistema Solar.

Mas por que um objeto-anão funciona como sinalizador da existência de um corpo celeste imenso?

O estudo que localizou o pequeno planeta de cerca de 300 km de diâmetro ficou a cargo do Instituto Carnegie para a Ciência, da Universidade do Norte do Arizona e da Universidade do Havaí.

O “Duende”, ou “Goblin”, em inglês, está 2,3 mil vezes mais distante do Sol do que a Terra e aproximadamente duas vezes e meia mais longe do que Plutão está do Sol.

Como resultado, o planeta-anão leva mais de 40 mil anos para dar uma volta ao redor do nosso astro.

Os cientistas estimam que sua lentidão pode se dever à "proximidade" de outro corpo muito maior que ele.


Planeta-X
Photo//Reuters

Descoberto exoplaneta, potencialmente habitavel, a 4,37 anos-luz de nosso planeta



Influência

O Duende é um dos poucos objetos conhecidos que nunca chegam perto o suficiente dos planetas gigantes do Sistema Solar, como Netuno e Júpiter, para ter interações gravitacionais significativas com eles.

Sua longa órbita, como a de outros dois objetos parecidos descobertos em 2014, parece estar influenciada pela gravidade de um outro objeto, que pode ser 10 vezes maior que a Terra.

Este objeto supermassivo seria o chamado "Planeta X" ou "Planeta 9".

Os cientistas descobriram o Duende, inclusive, enquanto procuravam esse planeta.



Objetos distantes

Segundo o Instituto Carnegie, a pesquisa que resultou na descoberta é "a maior e mais profunda já realizada em objetos distantes do Sistema Solar".

 

"Esses objetos distantes (como o Duende) são como as migalhas de pão que nos levam ao Planeta X", disse o chefe do estudo, Scott Sheppard, da Carnegie, em comunicado.

"Quanto mais pudermos encontrar, melhor poderemos entender o Sistema Solar externo e o possível planeta que acreditamos estar moldando suas órbitas", acrescentou.

 



Sheppard afirma que "essas descobertas redefiniriam nosso conhecimento da evolução do Sistema Solar".

O astrónomo David Tholen, da Universidade do Havai, complementa: "Achamos que poderia haver milhares de pequenos corpos como o TG387 2015 nas margens do Sistema Solar, mas a distância torna muito difícil encontrá-los".

 

Chad Trujillo, astrónomo da Universidade do Norte do Arizona e codescobridor dos planetas anões, acrescenta que a descoberta "não prova que há outro planeta massivo em nosso Sistema Solar, mas é mais uma evidência de que pode haver algo grande lá fora".


Cientistas encontram evidencias da existência de um universo paralelo


Fonte

Sem comentários:

Enviar um comentário