segunda-feira, 25 de abril de 2022

O consumo de carne deve cair em pelo menos 75%

Para que nosso planeta Terra continue a dar-nos alimentos no futuro, os países ricos devem reduzir significativamente seu consumo de carne, idealmente em pelo menos 75%. Esta é a conclusão de um novo estudo da Universidade de Bona.

O estudo revisa o estado atual da pesquisa sobre vários aspetos do consumo de carne. Além dos efeitos sobre o meio ambiente e o clima, estes incluem efeitos económicos e de saúde. A conclusão dos investigadores: Comer carne em pequenas quantidades pode ser bastante sustentável. Os resultados estão publicados na revista Annual Review of Resource Economics.

 



Consumo-de-carne
Photo//Forbes

Upside Foods produz 50.000 libras de carne cultivada em laboratório por ano


Cada cidadão da UE consome cerca de 80 quilos de carne por ano. Mas cada bife suculento, cada linguiça deliciosa tem um preço que não pagamos no balcão, porque a pecuária prejudica o clima e o meio ambiente. Os ruminantes, por exemplo, produzem metano, que acelera o aquecimento global. Os animais também convertem apenas uma parte das calorias que recebem em carne. Para alimentar o mesmo número de pessoas, a carne requer, portanto, uma área de terra muito maior. Isso prejudica os ecossistemas, pois sobra menos espaço para a conservação das espécies naturais. Além disso, aqueles que comem muita carne vivem em risco. A carne em excesso não é saudável e pode promover doenças crónicas.

 

Portanto, há boas razões para reduzir significativamente o consumo de alimentos de origem animal. "Se todos os humanos consumissem tanta carne como os europeus ou norte-americanos, certamente perderíamos as metas climáticas internacionais e muitos ecossistemas entrariam em colapso", explica o autor do estudo, Prof. Dr. Matin Qaim, do Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento (ZEF) da Universidade de Bona. "Portanto, precisamos reduzir significativamente o consumo de carne, idealmente para 20 quilos ou menos anualmente. A guerra na Ucrânia e a resultante escassez nos mercados internacionais dos cereais também enfatizam que menos grãos devem ser dados aos animais para apoiar a segurança alimentar. Atualmente, cerca de metade de todos os cereais produzidos em todo o mundo são usados ​​como ração animal”, disse Qaim.

 



Mas, o vegetarianismo em massa não é a melhor solução

 

Não seria melhor para a humanidade mudar completamente para dietas vegetarianas ou, melhor ainda, vegans? De acordo com o estudo, esta seria a consequência errada. Por um lado, existem muitas regiões onde os alimentos à base de plantas não podem ser cultivados. "Não podemos viver de erva, mas os ruminantes podem", esclarece o colega e co-autor de Qaim, Dr. Martin Parlasca. "Portanto, se as pastagens não podem ser usadas de outra forma, faz todo o sentido manter o gado nelas." Do ponto de vista ambiental, também não há objeção real ao pastoreio cuidadoso com um número limitado de animais.

 

As regiões mais pobres, em particular, também carecem de fontes vegetais de proteínas e micronutrientes de alta qualidade. Por exemplo, hortaliças e leguminosas não podem ser cultivadas em todos os lugares e, além disso, podem ser colhidas apenas em determinadas épocas do ano. "Nesses casos, os animais costumam ser um elemento-chave de uma dieta saudável", ressalta Parlasca. "Para muitas pessoas, eles também são uma importante fonte de renda. Se a receita do leite, ovos e carne for perdida, isso pode ameaçar seus meios de subsistência". De qualquer forma, os países mais pobres não são o problema, apontam os autores. Para seus habitantes, a carne costuma ser muito menos frequente no cardápio do que nas nações industrializadas. Isso significa que os países ricos, em particular, devem reduzir o consumo de carne.

 



Imposto sobre produtos de carne faz sentido

 

No momento, há poucos sinais disso. Embora haja mais vegetarianos do que antes, o consumo agregado de carne está estagnado em toda a Europa. No entanto, é mais alto na América do Norte e na Austrália. Qaim acredita que é importante considerar também impostos mais altos sobre alimentos de origem animal. "Isso é certamente impopular, especialmente porque uma sobretaxa de dez ou vinte por cento provavelmente não seria suficiente, se deveria ter um efeito de direção", diz ele. "A carne, no entanto, tem um alto custo ambiental que não se reflete nos preços atuais. Seria totalmente razoável e justo que os consumidores compartilhassem mais desses custos".

 

Os autores também pedem que o tema "consumo sustentável" seja cada vez mais integrado aos currículos escolares. Esses conteúdos também deveriam ser mais bem inseridos na formação dos futuros professores. "Precisamos nos tornar mais sensíveis ao impacto global de nossas decisões", enfatiza Qaim, que também é membro do PhenoRob Cluster of Excellence e (como seu colega Martin Parlasca) da Área de Pesquisa Transdisciplinar (TRA) "Futuros Sustentáveis" na Universidade de Bona. "Isso é verdade não apenas com a comida, mas também com a camisa que compramos na loja de descontos para usar uma única noite em uma festa."



Substituir o sal na comida, pode salvar milhões de vidas


Fonte

Sem comentários:

Enviar um comentário