sábado, 30 de abril de 2022

Cientistas descobriram um padrão na frequência de catástrofes na Terra

A atividade tectónica da Terra ocorre lentamente, dentro dos limites da perceção humana. 

Mas os investigadores, usando métodos modernos de análise, podem determinar quando e quais processos ocorreram ao longo das centenas de milhões de anos da formação do planeta.


catástrofes na Terra
Photo//O Tempo


O aumento do nível do mar coloca 36 cidades em risco de submergir



Especialistas americanos estudaram as principais falhas das placas litosféricas no fundo do oceano e descobriram que a taxa de divergência diminui com o tempo.

Isso possibilitou criar uma fórmula e calcular como outros processos ocorrerão. No decorrer desse trabalho, os cientistas conseguiram identificar um certo padrão no movimento da crosta terrestre.

Cataclismos globais, nos quais ocorrem sérias mudanças na Terra: os contornos dos continentes mudam, partes da terra saem da água ou afundam, fortes erupções vulcânicas começam, repetindo-se uma vez a cada 27 milhões de anos.

 



E então diminuem novamente, como se o pulso do planeta estivesse batendo lentamente.

Estamos documentando uma desaceleração nesses processos, em alguns casos de até 20% ao longo de 5 milhões de anos, mas depende se as mudanças estão ao longo do limite da placa tectônica ou no meio dela”, diz o estudo.

 No entanto, a taxa geral de separação das placas litosféricas está diminuindo e o “pulso” da Terra “bate” mais lentamente ao longo do tempo. O próximo “golpe” será em 20 milhões de anos ou mais tarde.

Numa outra perspetiva, parece que o planeta está sendo limpo.


Um enorme vulcão está criando uma nova ilha no Oceano Pacífico



Fonte

Sem comentários:

Enviar um comentário