sábado, 19 de março de 2022

A misteriosa floresta do suicídio

Há lugares na Terra que parecem tão amaldiçoados que nem ousamos pensar neles, este é um desses lugares. Descansando à sombra do Monte Fuji encontra-se uma floresta encoberta pela morte, conhecida como a floresta do suicídio, sendo o segundo local de suicídio mais popular do mundo.

Na base do Monte Fuji há uma floresta chamada Aokigahara, localmente conhecida como Jukai (“Mar de Árvores”) por causa de sua alta densidade de árvores. A floresta também contém duas cavernas conhecidas como Caverna de Gelo e Caverna do Vento, com turistas reunindo-se para vê-las. Tudo isso pode parecer muito majestoso; no entanto, as aparências podem enganar. Há outro nome para esta floresta, “floresta do suicídio”.



Floresta-do-suicidio
Photo//Pinterest


Documentos sugerem que mentiram-nos sobre a LUA



Ao estacionar o carro não podemos deixar de observar muitos carros abandonados. Ao entrar na floresta, existem com placas dizendo: “Por favor, reconsidere, pense cuidadosamente sobre seus filhos e sua família” e “Sua vida é um presente precioso de seus pais. Pense neles e no resto de sua família. Você não precisa sofrer sozinho, por favor, consulte a polícia antes de decidir morrer!”

Não é o melhor sinal de saudação que se esperaria. À medida que se avança na floresta, a primeira coisa que parece um pouco perturbadora é a tranquilidade, já que quase não há vida selvagem aqui. É essa quietude que atraiu as pessoas a considerá-lo assombrado? Há muitos japoneses que não se atrevem a entrar na floresta.


 

As primeiras pessoas a perder a vida na floresta suicida faziam parte de uma grupo com o habito que remonta ao século 19 chamado ubasute (abandonar uma velha). Mais tarde, foi alterado para oyasute (abandonar um pai). Esse costume envolvia levar um parente doente ou idoso para uma montanha (lugar remoto e desolado), e deixá-los lá para morrer. Eles teriam uma morte bastante dolorosa, seja por desidratação, fome ou exposição. Foi pensado como uma forma de eutanásia.

Os moradores acreditam que a floresta suicida é assombrada pelas vítimas de ubasute e oyasute. Yurei (fantasmas que sofreram uma morte violenta e não natural; assim como demônios), como são chamados, tornaram-se fantasmas vingativos implacavelmente rondando as árvores retorcidas. Acredita-se que os tengu (demônios semelhantes a pássaros) assombram o local, com alguns visitantes afirmando ter visto seres espectrais brancos deslizando entre as árvores.



Os visitantes muitas vezes relatam ouvir gritos horríveis e não naturais enquanto estão na floresta; acredita-se que os yurei são os responsáveis. Alguns sobreviventes de tentativas de suicídio disseram que tiveram uma vaga sensação de serem chamados ou mesmo puxados para a floresta, dando uma compulsão inexplicável de entrar na escuridão da floresta. Alguns até chamam a floresta de “Floresta Yukai”.

Cinquenta monges construíram um altar temporário no estacionamento para orar pelo descanso dos espíritos perturbados de Aokigahara. Um dos monges budistas, Kyomyo Fukui, disse:

 

Misteriosa mutilação de gado ocorreu na Argentina


Os espíritos estão chamando as pessoas aqui para se matarem, os espíritos das pessoas que cometeram suicídio antes.”

 Pelo menos 500 pessoas cometeram suicídio na floresta suicida

Desde a década de 1950, pelo menos 500 pessoas entraram na floresta suicida, apenas para sair como cadáver, e esses são apenas os corpos que foram descobertos na área de 14 milhas quadradas. Isso dá à floresta o título mórbido de segundo local de suicídio mais popular do mundo. Os suicídios aumentaram depois que um romance do renomado autor Seichō Matsumoto foi publicado na década de 1960. O livro, intitulado Tower of Waves, tinha um casal de jovens amantes que tiraram suas vidas na floresta num final romântico.

 Então, em 1993, um livro chamado, The Complete Manual of Suicide  por Wataru Tsurumi, adicionou combustível ao fogo. Era um guia para aqueles que queriam se matar. Nele, ele elogiou o enforcamento (o método mais comum usado na floresta) como uma “obra de arte”, chamando Aokigahara de lugar ideal para morrer. O autor também descreveu quais partes da floresta são menos circuladas para que seu corpo não seja encontrado mais tarde: “Você vai se tornar uma pessoa desaparecida e desaparecer lentamente da memória das pessoas”.



 

Em algum lugar entre os “Irmãos Grimm” e “The Blair Witch Project”, esta é realmente uma floresta misteriosa. As árvores crescem apertadas umas contra as outras e têm trepadeiras enroladas em seus troncos. O chão da floresta está cheio de galhos caídos e troncos apodrecidos, todos cobertos de musgo. Mesmo nos dias mais claros, tudo são sombras, tornando difícil distinguir as formas. Para piorar a situação, acredita-se que os depósitos de ferro no solo vulcânico causam o mau funcionamento das bússolas.

Mesmo os GPSs muitas vezes não funcionam, deixando até os caminhantes experientes perdidos e confusos. Muitos caminhantes afirmam que é estranhamente fácil se perder neste lugar escuro e silencioso. As histórias falam de caminhantes experientes misteriosamente viajando em círculos ou incapazes de percorrer distâncias curtas com sucesso.

É por essa razão que as pessoas são avisadas para nunca deixar os trilhos. Quando o fazem, muitas vezes colocam fita adesiva atrás de si num esforço para encontrar o caminho de volta – embora alguns digam que a corda é apenas para tornar o cadáver mais fácil de encontrar. Na maioria dos casos, ao seguir a fita, você encontrará algo no final. De qualquer forma, eles estão por toda parte dentro da floresta.


Antigo manuscrito Hindu revela viagens interplanetárias há 7000 anos


Embora usar fita adesiva pareça uma boa ideia, há uma mulher que alegou que sua fita havia sido cortada deliberadamente. Isso resultou em ela se perder nas 14 milhas quadradas da floresta. No entanto, ela conseguiu sair, mas quem teria cortado sua fita? Poderia ter sido um dos demónios que se acredita levar os viajantes ao erro?

À medida que alguém se aprofunda na floresta, logo perceberá o lixo bizarro e um pouco assustador espalhado pelo chão da floresta. Pode-se até encontrar pares de sapatos, tanto de crianças quanto de adultos, alinhados em troncos cobertos de musgo. Deitada nas raízes retorcidas de uma árvore está uma boneca de criança, seu olhar constante, como se tentasse ver o céu além. Em qualquer outra floresta, esses itens eram estranhos; no entanto, nesta floresta, é vulgar.



Outros itens deixados para trás variam de pertences pessoais espalhados, fotografias, pastas, roupas rasgadas, notas simples de suicídio e acampamentos abandonados. No entanto, ao andar através da floresta suicida, os caminhantes muitas vezes se deparam com a visão horrível de um cadáver pendurado numa árvore ou um esqueleto com as pernas saindo da folhagem densa no chão da floresta. Em alguns casos, animais foram vistos se alimentando de cadáveres ainda não descobertos.

Muitos acreditam que as almas perdidas são infundidas nas próprias árvores, afastando a vida selvagem e impedindo que muitos que entram escapem. Acredita-se também que eles estão condenados a habitar para sempre a floresta, presos dentro das árvores, sempre convocando outros para se juntarem a eles.

Anualmente são realizadas “caças ao corpo” onde a polícia e voluntários vasculham a floresta em busca de vítimas; no entanto, o verdadeiro número de suicídios permanece desconhecido. Isso se deve ao afastamento das áreas dentro da floresta, às inúmeras cavernas, fendas e cavernas e, claro, à capacidade da floresta de decompor rápida e completamente os restos mortais. A única coisa que se sabe é que a cada ano o número daqueles que vêm a Aokigahara para morrer parece estar aumentando cada vez mais.






Os trabalhadores florestais têm que carregar os corpos da floresta para a delegacia da polícia local, onde os corpos são colocados em uma sala especial usada especificamente para abrigar cadáveres de suicidas. Os trabalhadores então jogam pedra, papel e tesoura para ver quem tem que dormir no quarto com o cadáver. A lenda afirma que é muito azar para o yurei (fantasma) das vítimas de suicídio ser deixado sozinho. Dizem que seus espíritos gritam durante a noite e seus corpos se movem por conta própria.

O bom é que nem todas as pessoas são bem-sucedidas nas suas tentativas de suicídio; no entanto, nem todos saem ilesos. Hideo Watanabe, dono de uma loja na entrada da floresta, revelou ao Japan Times, que viu várias pessoas saírem da floresta depois de não se matarem.

Ela tentou se enforcar e falhou. Ela tinha parte da corda em volta do pescoço e seus olhos estavam quase saltando das órbitas. Eu a levei para dentro, fiz-lhe um chá. e chamei uma ambulância.”


O estranho fenómeno dos seis dedos



Fonte




Sem comentários:

Enviar um comentário