quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

Kremlin rejeita as alegações de Biden de que a Rússia poderia atacar a Ucrânia os próximos dias

O presidente dos EUA afirmou no início do dia que há "todas as indicações" de que a Rússia está "preparada para atacar a Ucrânia". POTUS não detalhou quais eram essas indicações, exceto por um suposto aumento de tropas russas, ou por que, em sua opinião, a preparação de Moscovo significa que o Kremlin ordenará uma ofensiva.

Segundo o Sputnik News ,o Kremlin criticou as alegações do presidente dos EUA, Joe Biden, sobre os planos russos de invadir a Ucrânia usando uma "operação de bandeira falsa" como outro passo que não ajuda a aliviar as tensões.



Kremlin
Photo//Brasil Escola


O que aconteceria á humanidade depois de uma guerra nuclear


"Infelizmente, as tensões continuam a aumentar com tais declarações", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, comentando as palavras de POTUS.

Biden afirmou a 17 de fevereiro que os EUA não viam indicação de uma retirada de tropas russas, que o Ministério da Defesa do país havia anunciado um dia antes. Ele insistiu que a suposta ameaça de uma invasão russa da Ucrânia permanece "muito alta", apesar de Moscovo repetidamente ter dado garantias de que não tem tais planos.



"Todas as indicações que temos são de que eles estão preparados para entrar na Ucrânia, atacar a Ucrânia. [Os EUA têm] motivos para acreditar [que a Rússia está] envolvida numa operação de bandeira falsa para ter uma desculpa para entrar", disse Biden.

Biden não detalhou quais sinais ou "indicações" o levaram a acreditar que a Rússia está planejando ataques de bandeira falsa e uma invasão da Ucrânia. Nem POTUS nem seu secretário de Estado, Antony Blinken, que se dirigiu ao Conselho de Segurança da ONU e fez alegações semelhantes em 17 de fevereiro, explicaram por que acreditavam que o suposto aumento de tropas russas na sua fronteira ocidental significava que Moscovo planeava usá-las para invadir seu vizinho.



O Kremlin rejeitou repetidamente as alegações de políticos ocidentais de uma “invasão iminente" e até zombou das várias previsões da grande mídia e dos jornais sobre as possíveis datas e horas em que tal ofensiva supostamente começaria. Uma dessas datas (16 de fevereiro), apontada pelo Politico, The Sun e The Mirror, passou recentemente, com as tropas russas permanecendo onde estavam ou regressando às suas bases de implantação permanente após o final dos exercícios programados. A mídia ocidental, no entanto, apressou-se a informar uma nova data, 20 de fevereiro, com o Kremlin respondendo com o mesmo ceticismo e críticas sobre o aumento das tensões.

Pelo que se vê, a mídia ocidental está sedenta por uma guerra e não poupam esforços nesse sentido.


A vida na Terra está em risco, afirmam os cientistas


Tecnologias poderosas, como no Elysium, o que poderá estar nos acontecendo?


Fonte

Sem comentários:

Enviar um comentário