domingo, 30 de janeiro de 2022

Crise climática leva populações de corais do Mediterrâneo ao colapso

Um novo estudo liderado por equipas da Faculdade de Biologia, do Instituto de Pesquisa em Biodiversidade (IRBio) da Universidade de Barcelona e do Instituto de Ciências Marinhas (ICM-CSIC) de Barcelona revelou que as ondas de calor marinhas associadas à crise climática estão trazendo as populações de coral no Mediterrâneo, cuja biomassa em alguns casos foi reduzida em 80 a 90%.

De acordo com o estudo, publicado na revista Proceedings of the Royal Society B, as populações de corais do Mediterrâneo, essenciais para o funcionamento dos recifes de coral, um dos habitats mais emblemáticos deste mar, poderão não conseguir recuperar da impacto recorrente desses episódios extremos, com temperaturas da água atingindo graus elevados ao longo de dias e até semanas.


recifes-de-coral-em-colapso
Photo//Diario de Noticias


Cientistas temem danos ao ecossistema provocados por 'Mega Iceberg'



Este é o primeiro estudo a avaliar a capacidade de recuperação a longo prazo das populações de duas espécies emblemáticas de coral mediterrânico, a gorgónia vermelha ( Paramuricea clavata ) e o coral vermelho ( Corallium rubrum ), que proporcionam habitats complexos e essenciais para uma grande diversidade da fauna associada. Portanto, é essencial entender sua resiliência em relação às ondas de calor mais frequentes e intensas.

 


Eventos de mortalidade em massa

 

A crise climática está afetando severamente os ecossistemas marinhos em todo o mundo, e o Mediterrâneo não é exceção. Em particular, as ondas de calor marinhas associadas à crise climática estão causando eventos de mortalidade em massa em todos os ecossistemas costeiros desta bacia, e entre as espécies mais afetadas estão os corais do Mediterrâneo.

 O conhecimento sobre a resiliência de longo prazo do coral ainda é escasso, apesar dos estudos que analisaram o impacto imediato das ondas de calor marinhas sobre esses organismos. Estas são espécies de vida longa (mais de cem anos em alguns casos) e com dinâmica populacional lenta (ou seja, organismos com baixas taxas de crescimento e recrutamento), e por isso os investigadores precisam de muito tempo (décadas) para avaliar sua capacidade de recuperação.

 



Como parte do estudo, a equipe analisou os resultados obtidos num monitoramento de longo prazo em diferentes populações de corais afetadas por uma grande mortalidade em massa causada por uma onda de calor em 2003 na área marinha protegida de Scandola (Corsega, França). Em particular, eles analisaram dados sobre o estado dessas populações (densidade, estrutura de tamanho e biomassa) coletados durante os quinze anos seguintes à onda de calor, pelos investigadores do grupo de pesquisa MedRecover, formado por especialistas da UB e ICM-CSIC, entre outros centros.

 Longe da recuperação, os resultados mostram que todas as populações analisadas tenderam a entrar em colapso desde que foram afetadas pela onda de calor de 2003. Quinze anos após este evento, estas populações são consideradas praticamente extintas do ponto de vista funcional.

 

Um enorme vulcão está criando uma nova ilha no Oceano Pacífico


Observamos uma perda média de biomassa em relação à biomassa inicial de 80% nas populações de gorgónia vermelha e até 93% em relação à população estudada de coral vermelho”, observa Daniel Gómez, pesquisador do ICM-CSIC.

 Esses dados são preocupantes para a conservação dessas espécies emblemáticas e indicam que os efeitos da crise climática estão se acelerando com consequências óbvias para as paisagens submarinas, onde a perda de corais equivale à perda de árvores nas florestas”, observa Joaquim Garrabou, também membro do ICM-CSIC.

 



Exposição recorrente a ondas de calor

 

Cristina Linares, professora do Departamento de Biologia Evolutiva, Ecologia e Ciências Ambientais da Faculdade de Biologia e membro do IRBio, diz que "acreditamos que uma das principais razões pelas quais observamos essas trajetórias de colapso é a potencial exposição recorrente a ondas de calor, com a lenta dinâmica populacional dessas espécies." Em particular, durante o período de estudo (2003-2018), registraram ondas de calor importantes em pelo menos quatro anos: 2009, 2016, 2017, 2018.

 Durante essas ondas de calor”, continua Linares, “as condições de temperatura na área estudada atingiram níveis extremos incompatíveis com a vida desses corais, o que provavelmente causou novos eventos de mortalidade às populações dizimadas e impossibilitou a recuperação”.

 Como esperamos que o número e a intensidade das ondas de calor marinhas aumentem nas próximas décadas devido à crise climática, a viabilidade de muitas populações de corais pode ser seriamente ameaçada.

 



"No entanto, provavelmente haverá algumas áreas do Mediterrâneo em que, devido a vários fatores, a recorrência de tais impactos climáticos pode ser menor. Isso torna especialmente relevante manter,  quanto a outros impactos potenciais, esses refúgios climáticos onde a trajetórias de populações de corais podem ser mais positivas do que as observadas neste estudo", observa a equipe de pesquisa.

 No entanto, há uma necessidade urgente de que medidas mais fortes sejam implementadas contra a crise climática antes que a perda de biodiversidade se torne insubstituível”, concluem os especialistas.

 Este estudo foi realizado graças ao apoio do Parque Natural Regional da Córsega, do projeto do Plano Nacional HEATMED (RTI2018-095346-B-485 I00), dos projetos europeus H2020, MERCES, H2020 Futurmares, Interreg MED MPA-Engage e Interreg MED MPA-Adapt.


Um enorme vulcão está criando uma nova ilha no Oceano Pacífico




Referencia//ScienceDaily

Sem comentários:

Enviar um comentário