domingo, 12 de dezembro de 2021

Reação de fusão gerou mais energia do que a absorvida pelo combustível

Os investigadores de um laboratório pertencente ao governo dos Estados Unidos alcançaram um marco crucial para alcançar o seu objetivo final, a fusão nuclear autossustentável.

Em 8 de agosto de 2021, uma experiencia no Laboratório Nacional Lawrence Livermore (LLNL) deu um passo significativo em direção à ignição, alcançando um rendimento de mais de 1,3 megajoules. Os investigadores disseram que esse avanço os coloca no limiar da ignição por fusão, que é definida como uma poderosa fonte de energia sustentável e ilimitada.



Fusão-nuclear
Photo//LLNL / Damien Jemison


Cientistas chineses fazem avanço na fusão nuclear usando ouro


A experiencia foi habilitada focalizando uma luz laser, do tamanho de três campos de futebol, num alvo do tamanho de uma BB que produz um ponto quente do diâmetro de um cabelo humano, gerando mais de 10 quatrilhões de watts de potência de fusão para 100 trilionésimos de segundo.



Esses resultados extraordinários avançam a ciência”, disse Jill Hruby, subsecretária do DOE para Segurança Nuclear e administradora da Administração de Segurança Nuclear Nacional.

Experiencias em busca de ignição por fusão são importantes para fornecer dados num regime experimental que é extremamente difícil e é uma importante porta de entrada para permitir o acesso a altos rendimentos de fusão no futuro.



Embora uma interpretação científica completa desses resultados ocorra por meio do processo de periódico / conferência revisado por pares, a análise inicial mostra uma melhoria de 8 vezes em relação ás experiencias conduzidos na primavera de 2021 e um aumento de 25 vezes em relação ao rendimento recorde de 2018. Também marcou a primeira vez que a saída excedeu a energia absorvida pelo combustível usado para acioná-la.

Este resultado é uma prova da inovação, engenhosidade, comprometimento e coragem desta equipe e dos muitos cientistas neste campo ao longo das décadas que buscaram firmemente esse objetivo”, disse o Diretor do LLNL Kim Budil. “Para mim, isso demonstra uma das funções mais importantes dos laboratórios nacionais, o nosso compromisso implacável em enfrentar os maiores e mais importantes desafios científicos e encontrar soluções onde outros possam ser dissuadidos pelos obstáculos.

 A experiencia baseou-se em vários avanços obtidos a partir de perceções desenvolvidas ao longo dos últimos anos pela equipe da Instalação Nacional de Ignição do LLNL, incluindo novos diagnóstico, melhorias de fabricação alvo no hohlraum, invólucro da cápsula e tubo de enchimento, precisão melhorada do laser, e alterações de design para aumentar a energia acoplada à implosão e à compressão da implosão.



Obter acesso experimental à queima termonuclear em laboratório é o culminar de décadas de trabalho científico e tecnológico que se estende por quase 50 anos”, disse o Diretor do Laboratório Nacional de Los Alamos, Thomas Mason. “Isso permite experiencias que irão verificar a teoria e simulação no regime de alta densidade de energia com mais rigor do que nunca e possibilitará conquistas fundamentais em ciência aplicada e engenharia.”

Olhando para o futuro, o acesso a este novo modelo experimental irá inspirar novos caminhos para a pesquisa e fornecer a oportunidade de criar mais referências. Os planos para repetir as experiencias estão bem encaminhados, embora demore vários meses para que sejam executados.


Energy Firm apresenta a primeira subestação subaquática da Escócia


Referencia//Goodnewsnetwork

Sem comentários:

Enviar um comentário