sábado, 18 de dezembro de 2021

Por que alguns dos casos de COVID-19 têm maior gravidade?

Desde o início da Covid-19, muitos estudos de pesquisa indicam que 80 a 90% das pessoas infetadas apresentam apenas casos leves. Ainda assim, a questão permanece, por que esses 10 a 20% enfrentam sintomas mais graves ou potencialmente fatais?

Os investigadores do laboratório de Richard Flavell, de Yale, decidiram investigar essas evidencias, utilizando camundongos, que projetaram para possuir um sistema imunológico semelhante ao humano.



sars-cov-2
Photo//PebMed


Publicado o primeiro estudo da eficácia da Pfizer na variante Omicron



Esses "camundongos humanizados" revelaram que as causas de COVID grave podem estar na nossa resposta inflamatória antiviral, relataram os investigadores em 17 de dezembro na revista Nature Biotechnology.

O estudo mostrou também que, duas terapias bem conhecidas, anticorpos monoclonais e o esteroide dexametasona, podem ajudar a tratar infeções por COVID-19.

Mas, no caso dos anticorpos, o tratamento só é eficaz se administrado no início do curso da doença. No caso dos esteroides, só é eficaz se administrado durante os estágios mais avançados da doença.



As diferentes respostas do sistema imunológico ao vírus, conforme observado nos animais de laboratório padrão e humanos, tornaram difícil para os cientistas identificar o ponto de inflexão entre os casos leves e graves de COVID-19. Mas os ratos de Flavell projetados para ter um sistema imunológico semelhante ao humano ofereceram uma oportunidade de responder à pergunta.

Os investigadores modificaram geneticamente o sistema imunológico murino para torná-lo mais semelhante ao humano. Os ratos até expressam citocinas humanas, fatores de crescimento segregados pelo fígado e outras células do corpo que são reguladores essenciais da proliferação e maturação das células-tronco. Esses camundongos humanizados “MISTRG” aceitam e nutrem células humanas, especialmente as células-tronco da medula óssea, sem destruí-las e permitir que produzam células sanguíneas maduras.



Se se infetar um camundongo de laboratório padrão com SARS -CoV-2 , ele ficará infetado, mas não ficará gravemente doente”, disse Flavell, Professor de Imunobiologia da Sterling em Yale e autor do artigo. “Mas os nossos ratos humanizados ficam doentes e simplesmente não melhoram. Todo o seu sistema imunológico está em baixo.

A equipe de pesquisa, liderada pelo primeiro autor Esen Sefik, um Howard Hughes Medical Institute (HHMI) Fellow da Damon Runyon Cancer Research Foundation, introduziu o vírus SARS-CoV-2 retirado de pacientes humanos gravemente enfermos nas passagens nasais de seus camundongos humanizados e depois acompanharam o curso da doença.

Eles descobriram que os camundongos infetados exibiam os mesmos sintomas de pacientes humanos gravemente enfermos, como danos nos pulmões, perda de peso e uma resposta imune inflamatória persistente e intensificada que danifica os tecidos.



Eles então trataram os camundongos com anticorpos monoclonais fornecidos por Michel Nussenzweig, um imunologista da Universidade Rockefeller e, como Flavell, um investigador do HHMI, e descobriram que esses anticorpos, que têm como alvo específico o vírus, foram eficazes se administrados antes ou logo após a infeção, mas pouco fizeram para sufocar os sintomas se administrados em estágios posteriores da infeção.

Por outro lado, durante os estágios iniciais da infeção, o imunossupressor dexametasona foi fatal para os camundongos quando suprimiu a resposta imunológica inicial crucial para combater o vírus. No entanto, ajudou a eliminar a infeção durante os estágios posteriores da doença, suprimindo a resposta inflamatória que havia começado a danificar os órgãos.

No início do curso da doença, uma forte resposta imunológica é crucial para a sobrevivência”, disse Sefik. “Mais tarde na doença, pode ser fatal.”

Os cientistas disseram que os modelos de camundongos humanizados também podem revelar fortes indícios das causas e dos tratamentos potenciais dos chamados COVID longos e graves.



Nanopartículas podem criar vacinas mais poderosas


Referencia//Techexploris

Sem comentários:

Enviar um comentário