segunda-feira, 20 de dezembro de 2021

De Havilland e ZeroAvia desenvolverão aviões de passageiros a hidrogênio

A De Havilland Canada fez parceria com a ZeroAvia para desenvolver um trem de força de célula a combustível de hidrogénio com emissões zero para seu avião Dash 8-400, que pode ser adaptado para aviões existentes ou fornecido como uma opção de fábrica em novos pedidos de aeronaves.

O Dash-8 já foi alvo de conversão de hidrogénio, notadamente pela Universal Hydrogen, que anunciou planos para concluir as conversões de hidrogénio em até quinze aeronaves Dash-8 300 de 40 lugares para a Air Nostrum da Espanha, Ravn Alaska e IcelandAir Group. ZeroAvia, por sua vez, tem trabalhado em um retrofit para o maior Dash 8-400 para criar um avião regional movido a hidrogénio de 76 lugares para a Alaska Airlines.


De-Haviland-Canada-ZeroAvia
Photo//ZeroAvia


United Airlines planeia viagens supersónicas



Esta última parceria, no entanto, vai direto à fonte, sinalizando a intenção de De Havilland de oferecer uma opção de hidrogénio limpo direto do rack. Num memorando de entendimento (MoU) assinado na semana passada, as duas empresas concordaram em desenvolver motores a hidrogénio de 2 megawatts + ZA2000 para ambos os ajustes de linha e retrofit aprovado pelo OEM, com De Havilland recebendo opções de compra de 50 motores elétricos a hidrogénio ZeroAvia, sujeito a "um acordo definitivo".

 


A ZeroAvia desenvolverá um demonstrador de voo e as duas empresas trabalharão juntas para obter a certificação do sistema junto às autoridades de aviação competentes. Os trens de força a hidrogénio tendem a ser volumosos e provavelmente deslocarão alguns assentos da cabine. O Dash-8 400 pode acomodar até 90 assentos em acabamento original, mas não  se sabe, se, neste estágio quantos assentos haverá na versão a hidrogênio, ou mesmo que alcance a parceria pretende.



O avião da Alaska Airlines tem como objetivo 76 lugares e um alcance de 575 milhas (976 km), mas ZeroAvia diz que seu trem de força ZA2000 deve ser capaz de voar de 40 a 80 passageiros com alcance de até 800 milhas (1.300 km) até 2026, e está planejando se estender para aeronaves de, até 90 passageiros, até 2027. Portanto, será interessante ver o que essa parceria OEM colocará lá como primeiro produto.

 A parceria visa identificar uma rota existente adequada para a aeronave de demonstração e colocá-la em serviço dentro de cinco anos. A ZeroAvia prepara-se para começar a voar com a sua aeronave regional de 19 assentos "nas próximas semanas", embora numa configuração híbrida usando um motor convencional e um hidrogênio-elétrico. Em 2022, esta máquina será totalmente movida a hidrogênio, e ZeroAvia espera certificá-la em 2024.



A De Havilland Canada acredita fortemente na tecnologia de hidrogênio-elétrico como uma solução viável para a descarbonização da aviação", disse Dave Riggs, Diretor de Transformação da De Havilland Canada, em um comunicado à imprensa. "Estamos extremamente satisfeitos em colaborar com a ZeroAvia no desenvolvimento de propulsão amiga do clima como uma opção para nossos clientes em todo o mundo.

"A De Havilland Canada fez avanços significativos nas reduções de emissões e mostrou um grande compromisso com uma aviação mais ecológica", disse o fundador e CEO da ZeroAvia, Val Miftahkov, "e o próximo passo é chegar à verdadeira emissão zero usando motores elétricos a hidrogénio. A De Havilland Canada coloca a ZeroAvia num caminho definido para o ajuste de linha em novas fuselagens e sinaliza o apetite do OEM para fazer a mudança para a propulsão certificada de emissão zero o mais rápido possível. "


VoltAero e Kinect unem-se para realizar voos híbridos a partir de 2023



Referencia//ZeroAvia

Sem comentários:

Enviar um comentário