quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

A antiga teoria alienígena da mutação genética será verdadeira?

Uma das principais teorias apresentadas sobre os antigos astronautas é que o DNA humano foi manipulado por seres antigos. Zecharia Sitchin sugeriu que seres do planeta místico Nibiru fizeram alterações no genoma humano. Existem inúmeras esculturas antigas que se assemelham ao motivo da dupla hélice do DNA o que levou os teóricos a especular que nosso DNA foi modificado num passado distante.

Outra ideia interessante é o conceito do “ terceiro olho ” que as culturas antigas conheciam. Acredita-se que o olho invisível especulativo geralmente representado como localizado na glândula pituitária do cérebro fornece uma perceção além da visão normal. Os símbolos da glândula em forma de pinha aparecem conectados com seres estranhos que parecem estar realizando alguma alteração na " Árvore da Vida ". Para alguns a árvore parece um símbolo do DNA e das vértebras humanas.


Muitacao-genetica
Photo//Howandwhys


 

Como os Anunnaki substituíram os “Igigi” por humanos



Na Antiga Mesopotâmia a árvore da vida assíria era representada por uma série de nós e linhas cruzadas. Não há respostas definitivas para este símbolo. Mas de acordo com a literatura antiga por exemplo na Epopéia de Gilgamesh, há uma busca pela imortalidade. Além disso o rei Etana procurava uma 'planta de nascimento' para lhe dar um filho. Este tem uma sólida proveniência da antiguidade sendo encontrado em selos cilíndricos de Akkad.

Todos esses pontos sugerem a presença de conhecimentos avançados usados ​​por seres antigos para alterar a estrutura do DNA? Parece absurdo no entanto os cientistas hoje parecem estar chegando a conclusões semelhantes. Não se pode negar que se sabe muito pouco sobre a grande maioria do DNA.



De acordo com um estudo publicado em 2018, Double Helix apelidado de i-motif, uma nova forma de DNA foi descoberta. Este artigo representa um estágio muito inicial de descobrir o que o DNA do motivo i realmente faz nas células humanas. Uma ideia mostra que o DNA do motivo i regula algumas funções celulares conforme indicado pelo fato de que parecia piscar durante as observações.

Achamos que o ir e vir dos i-motifs é uma pista do que eles fazem. Parece provável que eles estão lá para ajudar a ligar ou desligar genes e para afetar se um gene é lido ativamente ou não ”, disse o investigador Mahdi Zeraati.

 



No mesmo ano os cientistas publicaram suas descobertas sobre o DNA da 'matéria escura', que é longas e sinuosas fitas de DNA sem funções óbvias, mas é idêntico em todos os vertebrados desde humanos, camundongos e galinhas. Antes os cientistas costumavam pensar que menos de 2 por cento do nosso DNA realmente codifica para humanos e o restante 98,5 por cento das sequências de DNA é o chamado “DNA lixo”, que é inútil.

 Embora a ciência ainda esteja evoluindo e tentando entender o propósito do nosso DNA alguns estudos parecem mostrar que as influências intracelulares, ambientais e energéticas podem alterar o DNA. Em biologia, epigenética é o estudo de mudanças de fenótipo hereditárias que não envolvem alterações na sequência de DNA.



 

Alguns investigadores sugerem que podemos mudar nosso DNA por meio de intenções, pensamentos e emoções. Manter pensamentos positivos e superar o estresse de maneira eficaz pode ajudar a obter bem-estar emocional. Também pode manter nosso próprio DNA. Por outro lado um estudo realizado em 2015 encontrou evidências de que a depressão não apenas muda nosso cérebro, mas também pode alterar nosso DNA e a forma como nossas células geram energia.

 A Science Alert escreveu: “Uma equipe do Wellcome Trust Center for Human Genetics investigou os genomas de mais de 11.500 mulheres na esperança de encontrar genes que possam contribuir para o risco de depressão. Mas em vez disso eles encontraram uma assinatura de alterações metabólicas nas suas células que parece ter sido desencadeada pela doença.

 

Estarão as estruturas encontradas na Africa relacionadas aos Anunnaki?


Depois de rever seus resultados, os investigadores também descobriram que as mulheres com depressão relacionada ao estresse tinham telómeros mais curtos do que as mulheres saudáveis. Os telómeros são os limites no final de nossos cromossomos que encurtam naturalmente à medida que envelhecemos e a equipe começou a questionar se esse processo tinha sido acelerado pelo stress.

 

De acordo com a Forbes, “O biólogo quântico russo Dr. Vladimir Poponin e seu colega Peter Gariaev por meio de uma série de experiencias, tentaram provar que o DNA humano tem um efeito direto no mundo físico, por meio de um campo de energia que conecta os dois. Eles primeiro registaram a presença de fótons num tubo vazio e notaram que os fótons estavam espalhados aleatoriamente pelo tubo. Em seguida, eles colocaram uma amostra de DNA humano no tubo e descobriram que os fótons se organizavam de maneira distinta num padrão. Finalmente, quando removeram o DNA do tubo eles esperavam que os fótons voltassem a se espalhar aleatoriamente, mas para sua surpresa descobriram que eles permaneceram num padrão. Esse comportamento dos fótons na presença de DNA ficou conhecido como Efeito Fantasma do DNA”.

 Essas ideias parecem estranhas para muitas pessoas, mas a realidade muitas vezes é mais estranha do que a ficção. Da mesma forma cientistas e céticos tradicionais há muito acreditam que as perguntas dos teóricos dos antigos astronautas são absurdas.



De acordo com a Scientific American , “a teoria dos antigos alienígenas é baseada numa falácia lógica chamada argumentum ad ignorantiam, ou 'argumento da ignorância'. O raciocínio ilógico é o seguinte. Se não há explicação terrestre satisfatória para digamos as linhas de Nazca do Peru, as estátuas da Ilha de Páscoa ou as pirâmides egípcias então a teoria de que foram construídas por alienígenas do espaço sideral deve ser verdadeira. ”

No momento a tecnologia médica é capaz de criar situações estranhas em genética. Giorgio A. Tsoukalos disse: “Se a ciência moderna hoje fosse capaz de criar um ser híbrido, um ser misto então isso iria em essência corroborar a antiga teoria alienígena porque estamos apenas dizendo que o que hoje está sendo descoberto é uma redescoberta do que já aconteceu há milhares de anos significando experiencia genética.”



 

As tabuinhas de argila sumérias são inscritas com uma escrita cuneiforme que data de 4000 aC. Baseando-se nas interpretações das tabuinhas os teóricos dos antigos astronautas acreditam que uma raça avançada de seres inteligentes chegou à Terra há 450.000 anos durante a Era dos Neandertais e por meio da engenharia genética eles criaram os seres humanos modernos.


Ex astronauta afirmou que os humanos foram realmente uma criação alienigena



Referencia//Howandwyhs

Sem comentários:

Enviar um comentário