quinta-feira, 4 de novembro de 2021

Temos 11 anos para reduzir as emissões de CO2 para evitar os piores cenários climáticos

A taxa atual de poluição de gases de efeito estufa é tão alta que a Terra tem cerca de 11 anos para controlar as emissões de CO2 se os países quiserem evitar os piores danos das mudanças climáticas no futuro, conclui um novo estudo.

Apesar de terem descido em 2020 por causa da pandemia, as emissões de gases de efeito estufa estão a caminho de voltar aos níveis pré-pandémicos, de acordo com o relatório anual do Global Carbon Budget


Emissão-de-gases-de-efeito-estufa
Photo//Pexels


Os níveis de gases de efeito estufa atingiram níveis recordes em 2020



As descobertas, atualmente em revisão antes da publicação, ressaltam que a urgência de cortar as emissões de CO2 é ainda maior do que se pensava anteriormente, se o mundo quiser evitar um aumento nas temperaturas globais médias superiores a 1,5 graus Celsius (2,7 graus Fahrenheit) acima dos níveis pré-industriais. Essa foi a meta estabelecida pelo acordo climático de Paris de 2015 e perseguida pelos países atualmente reunidos para uma grande cúpula do clima das Nações Unidas em Glasgow, na Escócia.



O Global Carbon Budget é compilado com contribuições de dezenas de investigadores de todo o mundo. Ele monitora a quantidade de dióxido de carbono (CO2) que os humanos emitem e quanto espaço resta para que tais emissões permaneçam dentro do limite de 1,5 ° C.



Quando o primeiro relatório foi publicado, em 2015, os cientistas projetaram que a Terra tinha um horizonte de 20 anos antes que as emissões resultassem em um aquecimento acima do limite estabelecido até o final do século. Mas a produção de gases de efeito estufa aumentou mais rápido do que o esperado, com metade dessas emissões lançadas apenas nos últimos seis anos.

Nos níveis atuais de emissões, há 50% de probabilidade de um aumento nas temperaturas de 1,5 C até o final deste século. Sem reduções, cenários mais terríveis são igualmente prováveis, ​com um aumento inevitável de 1,7 graus C em 2042 e um salto de 2 graus C inevitável em 2054.

As temperaturas médias globais nos últimos 150 anos aumentaram cerca de 1,1 graus C (ou cerca de 2 graus F), intensificando as alterações climáticas, com incêndios florestais, inundações e furacões em todo o mundo.



"As emissões globais de CO2 fóssil (excluindo a carbonatação do cimento) em 2021 estão voltando aos níveis de 2019 depois de diminuir [5,4%] em 2020", afirma o relatório.

Os autores observam que atingir emissões de gases de efeito estufa zero até 2050, que é o objetivo daqueles que impulsionam a ação climática na cúpula deGlasgow, "envolve a redução das emissões antropogénicas totais de CO2 [causadas pelo homem]" numa quantidade "comparável à diminuição durante 2020. "

As emissões de CO2 da China, que nos últimos anos ultrapassaram os Estados Unidos como o maior emissor mundial de gases de efeito estufa, ultrapassaram os níveis pré-pandêmicos, crescendo 5,5%, de acordo com dados do último relatório. As emissões da Índia aumentaram 4,4%.



 

No entanto, há alguns sinais encorajadores no relatório, notadamente que as emissões diminuíram na última década em 23 países cujas economias estavam crescendo antes da pandemia do coronavírus, incluindo os EUA e o Reino Unido. A lista, que responde por cerca de um quarto das emissões globais de CO2, também contém vários países ricos da Europa e também do Japão.



A perda de gelo está deformando a crosta terrestre



Startup afirma ter tecnologia que pode enfraquecer furacões



Referencia//NPR


Sem comentários:

Enviar um comentário