terça-feira, 9 de novembro de 2021

Quem polui mais? Navios, carros ou aviões.

Numa altura em que o aquecimento global é notícia, e que a grande causa da poluição é apontada para a indústria automóvel, convém relembrar um estudo publicado em 2018 pela Carbon War Room (organização sem fins lucrativos) que é deveras preocupante.

Segundo esse estudo, de 90% do comércio mundial é feito com recurso ao transporte marítimo e claro está as cadeias de logísticas associadas.




Navio-o-grande-agente-da-poluicao
Photo//Tempo.pt


Como será o mundo se ultrapassarmos o limite climático de 1,5 graus


Os navios gigantes, alimentados a fuelóleo (o desperdício do processo de refinação do petróleo) que transportam milhões de toneladas de carga, são responsáveis por movimentar a economia do mundo. Desde o automóvel, o telemóvel e produtos alimentares, tudo é transportado nestes grandes navios. Unindo os vários continentes, o transporte marítimo é a fundamental nas trocas comerciais de todo o mundo.

Mas, de acordo com a Carbon War Room, os 15 maiores navios do mundo, sozinhos, emitem mais NOx e enxofre para a atmosfera do que os 1.300 milhões de automóveis a circular em todo o mundo. Em todo o mundo existem muitos milhares de navios a navegar emitindo milhões de toneladas de NOx para a atmosfera todos os dias.



O combustível utilizado por estes navios é o fuelóleo, que nada mais é que um derivado do petróleo, muito pouco refinado, e com alto teor de enxofre e produzindo uma grande quantidade de óxido de enxofre e compostos de óxido de azoto quando é queimado. Os automóveis queimam uma gasolina altamente refinada que quase não produzem enxofre, e  óxidos de nitrogênio.

Um grande navio de cruzeiros emite tanto CO2 como 83.678 carros, tanto óxido de azoto como 421.153 automóveis, tantas partículas como um milhão de veículos e tanto dióxido de enxofre como 376 milhões de carros.

 


Embora os navios emitam apenas 3% dos gases de efeito estufa, a quantidade de óxidos de azoto (o famoso NOx) emitidos para a atmosfera é preocupante e ultrapassa as emissões dos 1.300 milhões de veículos que circulam atualmente em todo o mundo.

No entanto, a pressão ambiental sobre a indústria automóvel aumenta ano após ano, como se fossem estes os únicos grandes causadores do desastre ambiental, e que tem feito a carga fiscal e o custo dos automóveis aumentar.



Já na indústria naval e nas empresas de transporte marítimo a pressão também tem aumentado, mas em muito menor escala.

Há no entanto um aspeto importante que importa salientar. Grande parte das emissões dos navios ocorre em alto mar, pelo que de imediato causa menos danos à saúde pública que os automóveis nas cidades.



Qual o futuro

Organização das Nações Unidas (ONU) concordou em impor restrições à poluição destes grandes navios até 2020, e a União Europeia também tomou medidas nesse sentido, mas estas medidas (IMO 2020) não tiveram os efeitos esperados, e os grandes navios, apesar das grandes inovações tecnológicas introduzidas nos navios principalmente nos navios novos, continuam a ser grandes poluidores. Essas medidas, a ser implantadas, deverão aumentar ainda mais a pressão sobre o setor, e que certamente terá reflexos no preço dos produtos para o consumidor final. Afinal de contas, 90% do comércio mundial é feito por intermédio do transporte marítimo.



Avioes-os-grandes-poluidores
Photo//Tatu na hora


Temos 11 anos para reduzir as emissões de CO2 para evitar os piores cenários climáticos


Apesar dos navios representarem cerca de 3% dos gases do aquecimento, a aviação corresponde a muito mais, cerca de 5%

Esses dois setores combinados são equivalentes ao sexto maior emissor se comparado com nações do mundo. Ambos os setores estão entre as fontes de crescimento mais rápido das emissões em escala global



O que esperar da Conferencia do Clima 2021, COP26 de Glasgow.

Referencia//Transport and Environmen

Sem comentários:

Enviar um comentário