domingo, 7 de novembro de 2021

Pfizer anuncia pílula COVID-19 que reduz o risco de hospitalização ou morte em 89%

A Pfizer disse na sexta-feira que um ensaio clínico de sua pílula para tratar COVID-19 mostrou que ela é altamente eficaz, saudando-a como um grande passo para o fim da pandemia.

Uma simples pílula para tratar o coronavírus em casa tem sido procurada desde o início da crise de saúde global. Até agora, todos os tratamentos foram intravenosos ou vacinas.




Pilula-anti-covid-19
Photo//Pexels



Fungos mortais, a mais nova ameaça microbiana em todo o mundo


A da Pfizer é a segunda pílula anti COVID depois da Merck, que na verdade é um medicamento contra a gripe rebatizado para combater o coronavírus. O da Pfizer foi criado especificamente para combater o COVID.

O medicamento da Pfizer, chamado Paxlovid, alcançou uma redução de 89 por cento no risco de hospitalização ou morte entre pacientes adultos com COVID que apresentam alto risco de progredir para doença grave, disse a empresa norte-americana.

Os resultados do ensaio clínico de estágio intermediário a avançado foram tão fortes que a Pfizer vai parar de recrutar novas pessoas para o ensaio, afirmou.



A Pfizer enviará os dados à Food and Drug Administration assim que possível, como parte de sua "submissão contínua" para Autorização de Uso de Emergência.

"As notícias de hoje são uma verdadeira virada de jogo nos esforços globais para deter a devastação desta pandemia", disse o CEO da Pfizer, Albert Bourla.

"Esses dados sugerem que nosso candidato a antiviral oral, se aprovado ou autorizado pelas autoridades regulatórias, tem o potencial de salvar a vida dos pacientes, reduzir a gravidade das infeções por COVID-19 e eliminar até nove em cada 10 hospitalizações" , acrescentou .



A principal análise dos dados analisou números de 1.219 adultos nas Américas do Norte e do Sul, Europa, África e Ásia.

Nos dias imediatamente posteriores ao aparecimento dos sintomas, alguns deles receberam o medicamento experimental e outros receberam um placebo, durante cinco dias, a cada 12 horas.

"A análise provisória programada mostrou uma redução de 89 por cento no risco de hospitalização ou morte relacionada ao COVID-19 por qualquer causa em comparação com o placebo em pacientes tratados dentro de três dias do início dos sintomas", disse a Pfizer.



Dez pessoas que tomaram o placebo morreram, enquanto entre as que receberam o medicamento Pfizer, nenhuma morreu.

A Pfizer havia planejado um pool de testes de 3.000 pessoas, mas parou quando chegou a 70 por cento disso porque os resultados da medicação eram muito promissores.



Novo tratamento evita que pessoas com SARS-CoV-2 fiquem doentes


A busca por uma pílula

Várias empresas estão trabalhando nos chamados antivirais orais, que imitam o que o medicamento Tamiflu faz para a gripe e evitam que a doença progrida para uma doença grave.

Na quinta-feira, a Grã-Bretanha se tornou o primeiro país a aprovar uma pílula anti COVID , pois deu luz verde ao uso do medicamento antiviral da Merck, chamado Molnupiravir, para tratar pacientes que sofrem de coronavírus leve a moderado.

O produto da Pfizer é conhecido como um "inibidor de protease" e foi demonstrado em testes de laboratório que bloqueia o mecanismo de replicação do vírus.



Se funcionar na vida real, provavelmente só será eficaz nos estágios iniciais da infeção.

No momento em que COVID progride para doença grave, o vírus praticamente parou de se replicar e os pacientes sofrem de uma resposta imunológica hiperativa.

Até agora, as terapêuticas COVID, como os anticorpos monoclonais e o Remdesivir da Gilead - autorizado para utilização na UE sob o nome de Veklury, têm sido administradas por via intravenosa.



 

O Molnupiravir da Merck foi inicialmente desenvolvido como um inibidor da influenza e do vírus sincicial respiratório, duas outras infeções respiratórias agudas importantes, por uma equipa da Emory University em Atlanta, Geórgia.

A Grã-Bretanha, que tem sido um dos países mais atingidos pela pandemia, anunciou em 20 de outubro que encomendou 480.000 doses de Molnupiravir.

A Pfizer está realizando dois outros ensaios clínicos com sua pílula, entre pessoas que não correm o risco de progredir para COVID grave e entre pessoas próximas a alguém com COVID para ver se isso os protege contra a doença.

Além da Pfizer e da Merck, a gigante farmacêutica suíça Roche também está trabalhando em uma pílula COVID.


OMS revela qual a vacina mais avançada contra COVID-19


Referencia//ScienceAlert

Sem comentários:

Enviar um comentário