terça-feira, 30 de novembro de 2021

O Sol pode ser a fonte misteriosa da água da Terra, dizem os cientistas

A Terra é o planeta mais azul do nosso Sistema Solar, mas ninguém sabe realmente de onde veio toda a nossa água. A poeira de um asteroide próximo agora revelou uma fonte potencial: o sol.

Parece que parte da água em nosso planeta pode ter sido criada por um rio de partículas carregadas, soprado da atmosfera superior do Sol, há biliões de anos atrás.

Quando o vento solar interage com as minúsculas partículas de poeira encontradas em certos asteroides, ele pode criar uma pequena quantidade de água, e isso poderia explicar parte do líquido que encontramos aqui em nosso planeta.



O-Sol-pode-ser-a-fonte-da-água-da-Terra
Photo//Oficina da Net


Será o Sol um planeta frio, que pode ser habitado?


A maioria dos modelos modernos sugere que a maior parte da água da Terra veio originalmente de uma fonte extraterrestre, possivelmente de asteroides do tipo C na região de Júpiter- Saturno e além.

Acredita-se que esses asteroides distantes sejam os corpos-mãe de meteoritos condritos carbonáceos que regularmente caem na Terra, e esse tipo específico de meteorito é conhecido por conter uma quantidade significativa de minerais contendo água.

Mas os condritos carbonosos provavelmente não são a única maneira pela qual a água inicialmente chegou à Terra. Outros tipos de meteoritos ricos em água também poderiam ter feito o mesmo, especialmente porque os condritos carbonosos não podem ser responsáveis ​​por toda a quantidade de água da Terra.



Existem outros tipos de asteroides condritos que também poderiam conter partículas de água, embora em menor grau. O asteroide próximo à Terra, Itokawa, por exemplo, é um asteroide condrito comum, e uma análise de amostras retiradas desta rocha rica em silicato em 2010 encontrou sinais de água, e a fonte poderia muito bem ser o sol.

A irradiação do vento solar foi proposta no passado como uma forma possível de formar água em materiais ricos em silicatos que flutuam no espaço.

No laboratório, foi demonstrado que íons de hidrogénio voláteis reagem com minerais de silicato, resultando em água como subproduto, e estudos de microscopia eletrónica e espectroscopia eletrónica encontraram evidências diretas de água em partículas de poeira extraterrestre no passado.



Teoricamente, se a água ficar presa nessas partículas de poeira, o elemento ficará protegido do intemperismo espacial e poderá ser enviado por meio de meteoritos para outros corpos no espaço.

"Este fenômeno poderia explicar por que os rególitos de mundos sem ar como a Lua, que antes se pensava ser anidro, contêm alguma percentagem de água", explicam os autores do novo estudo.

Para explorar mais essa hipótese e de uma forma ligeiramente diferente, os investigadores viraram-se para o asteroide do tipo S, Itokawa, para ver se esse objeto contém um 'reservatório volátil' de isotipos semelhantes ao do vento solar.

 


Enquanto a maioria dos isotipos de água na Terra correspondem aos condritos carbonáceos, uma pequena percentagem não o faz, e o Sol ou a nebulosa solar foram propostos como possíveis fontes.

Com base em uma análise meticulosa átomo por átomo, conhecida como tomografia de sonda atómica, os cientistas agora mediram a abundância de água encontrada na poeira do asteroide Itokawa, que foi devolvido à Terra pela Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA) em 2011.

Medindo ao redor dessas partículas, incluindo as partes escondidas do Sol, a equipe encontrou hidróxido e água enriquecidos nas bordas de todos os lados. Isso sugere que os íons de hidrogénio do Sol foram "implantados" na rocha, armazenando água onde ela não pode ser tocada.



A profundidade em que esses elementos vitais foram encontrados era exatamente o que os cientistas esperariam dos íons de hidrogénio que penetram nos materiais de silicato.

"A pesquisa sugere que o vento solar criou água na superfície de pequenos grãos de poeira e esta água isotopicamente mais leve provavelmente forneceu o restante da água da Terra", disse o cientista planetário Phil Bland da Curtin University, na Austrália.

A julgar pela quantidade de água que encontraram nessas minúsculas partículas de poeira, a equipe estima que os asteroides do tipo S podem conter 20 litros de água por cada metro cúbico de rocha.

 


As descobertas sugerem que grãos isolados de poeira no espaço podem representar uma importante fonte de água em nosso Sistema Solar, uma fonte que poderíamos potencialmente colher no futuro se coletarmos uma quantidade suficiente deles.

"Como os astronautas conseguiriam água suficiente, sem a carregar, da Terra, é uma das barreiras da futura exploração espacial", diz o geocientista Luke Daly, que trabalhou na análise enquanto estava na Curtin University.

"Esta pesquisa mostra que o mesmo processo de intemperismo espacial que criou água em Itokawa provavelmente ocorreu em outros planetas sem ar, o que significa que os astronautas podem ser capazes de processar novos abastecimentos de água diretamente da poeira na superfície de um planeta, como a Lua."

O Sol dá-nos vida de várias maneiras.

 O estudo foi publicado na Nature Astronomy .



O dia em que o “Sol Parou”, a lenda Asteca também documentada na Bíblia




Referencia//ScienceAlert



Sem comentários:

Enviar um comentário