segunda-feira, 1 de novembro de 2021

O que esperar da Conferencia do Clima 2021, COP26 de Glasgow.

A conferência sobre Mudança Climática das Nações Unidas (COP26) começou no dia 31 de outubro, em Glasgow, e o resultado pode determinar se o mundo se aproxima de uma economia de carbono zero até 2050.

A conferência do clima 2021 reune delegados de todo o mundo para discutir seus planos para reduzir as emissões e limitar as mudanças climáticas .




Cop26-de-Glasgow
Photo//SkyNews


Os níveis de gases de efeito estufa atingiram níveis recordes em 2020



A questão chave é se as nações irão expandir seu compromisso com o Acordo de Paris, um plano internacional estabelecido em 2015 que visa manter o aquecimento global abaixo de 2 graus Celsius (3,6 graus Fahrenheit) acima dos níveis pré-industriais, e de preferência abaixo de 1,5 C (2,7 F ) em 2100.

Embora 197 partes da conferência de 2015 tenham concordado com o Acordo de Paris, os compromissos das nações para reduzir as emissões não são suficientes para estabilizar o clima abaixo de 1,5 C.



Os cientistas climáticos dizem que para atingir essa meta, precisaríamos acabar rapidamente com os combustíveis fósseis como fonte de energia, alcançando uma redução de 45% em relação aos níveis de 2010 até 2030 e atingindo o zero em 2050.

Os políticos dentro dos países membros nem sempre foram tão comprometidos quanto os signatários originais do acordo. Em 2019, os Estados Unidos rescindiram o Acordo de Paris com o presidente Donald Trump. O presidente Joe Biden comprometeu-se novamente com o acordo ao assumir o cargo em 2021.


A perda de gelo está deformando a crosta terrestre



As metas da COP26 de Glasgow, segundo os organizadores, irão fazer com que os países concordem com planos de reduções ambiciosas nas emissões de gases de efeito estufa até 2030, trabalhar em conjunto para apoiar a adaptação às mudanças climáticas que já ocorreram, mobilizar os países desenvolvidos para fornecer US $ 100 biliões em financiamento climático por ano para investimento no zero líquido global, o que significa que a quantidade de emissões que produzimos não é maior do que a quantidade removida pela atmosfera.

A reunião da COP acontece todos os anos e deste ano é a 26ª. Mas as espectativas estão na conferência deste ano, em que, como parte do Acordo de Paris, os países concordaram em fornecer uma atualização a cada cinco anos sobre suas maiores ambições de redução de emissões.



Isso deveria ter ocorrido em 2020, mas a reunião da COP daquele ano foi adiada pela pandemia do coronavírus. Assim, essas atualizações ocorrerem na COP26 em Glasgow este ano.

Todos os países também são solicitados a fornecer uma "Comunicação de Adaptação", que delineará os desafios que cada país enfrenta para se adaptar a um clima em mudança e o que planejam fazer para superar esses obstáculos.

As nações, especialmente nações desenvolvidas, também serão convidadas a participar. O Acordo de Paris comprometeu os países desenvolvidos a arrecadar US $ 100 biliões a cada ano para ajudar os países em desenvolvimento a financiar suas metas climáticas.

De acordo com a Organização Intergovernamental para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), as nações desenvolvidas forneceram um total conjunto de US $ 78,9 biliões em financiamento em 2018.



Os delegados da COP26 de Glasgow também tentarão finalizar o Livro de Regras de Paris, grande parte do qual foi formalmente adotado em 2018 na conferência COP24 da ONU na Polônia. Mas ainda existem algumas diretrizes pendentes em jogo. Uma das questões pendentes mais cruciais é que os países ainda precisam concordar sobre como garantir que as reduções de emissões não sejam contadas duas vezes.

Parte da estrutura que sustenta o Acordo de Paris são os mercados de carbono. Os países ou empresas que têm dificuldade em reduzir emissões, como as companhias aéreas, podem comprar créditos de emissões de empresas que são mais capazes de reduzir as emissões. Isso deve criar um equilíbrio que mantenha as emissões gerais baixas.



Mas é muito fácil ocorrer um duplo mergulho. Imagine-se que uma empresa com sede nos Estados Unidos como a Amazon convertesse as suas vans de entrega para apenas elétricas. Tanto a Amazon quanto os EUA podem tentar reivindicar créditos de carbono pela redução resultante nas emissões. Sem regras claras que impeçam isso, os mercados de carbono podem acabar permitindo mais emissões, e não menos, de acordo com especialistas em políticas climáticas.

Há sinais de que a Conferência do Clima 2021 enfrenta fortes obstáculos no cumprimento dessas metas. Documentos vazados adquiridos pela BBC revelam que alguns países desenvolvidos estão fazendo lobby contra as metas financeiras e esperando minimizar a necessidade de se afastar dos combustíveis fósseis.



Startup afirma ter tecnologia que pode enfraquecer furacões




Referencia//Livescience

Sem comentários:

Enviar um comentário