quarta-feira, 3 de novembro de 2021

Criador da Teoria de Gaia adverte que a terra pode se erguer e destruir a humanidade

O ambientalista e futurista James Lovelock há muito acredita que a Terra se auto regula como um organismo vivo, sendo parte da sua teoria de Gaia.

Na sua hipótese de Gaia, cujo nome é em homenagem à divindade grega que representa a personificação da Terra, James Lovelock sugere que o meio ambiente do nosso planeta ajusta-se em resposta ás atrocidades, como a que a humanidade está fazendo atualmente.




Destruiçao-da-natureza-teoria-de-gaia
Photo//Pexels


A humanidade está condenada, afirmam os cientistas


Hipótese de Gaia de James Lovelock

E devido á madeira terrível como tratamos o meio ambiente, que a hipótese de Gaia está prestes a regressar com uma vingança, podendo destruir a humanidade, avisa o homem de 102 anos, num novo artigo publicado no The Guardian.

Embora esse tipo de argumento possa soar um pouco como o enredo de um filme de ficção, é uma encapsulação elegante da ideia de que as nossas ações estão mexendo com processos que há muito existiam, colocando-os seriamente fora de sintonia. E isso significa que precisamos agir agora, ou enfrentaremos consequências graves.



Avisos que antes pareciam os cenários de destruição impossíveis agora estão acontecendo. A natureza não é linear e é imprevisível, nunca mais do que em um momento de transição.

James Lovelock argumenta que as temperaturas da superfície do nosso planeta foram moduladas ao longo de biliões de anos “graças a Gaia, florestas, oceanos e outros elementos do sistema regulador da Terra, que mantinham a temperatura da superfície razoavelmente constante e quase ideal para a vida”.

 Mas a humanidade mexeu substancialmente com essa fórmula cuidadosamente equilibrada.


 

Dois atos genocidas, asfixia por gases de efeito estufa e o desmatamento das florestas tropicais, causaram mudanças a uma escala nunca vista em milhões de anos”, escreve ele. “Estamos entrando numa era de calor em que a temperatura e os níveis do mar estarão subindo década a década até que o mundo se torne irreconhecível.”

Também é urgente resolver o problema da superpopulação e deter com urgência a destruição das florestas tropicais. Acima de tudo, precisamos olhar para o mundo de uma forma holística.




Para James Lovelock, não podemos simplesmente construir mais um monte parques solares e eólicos para acabar com nossa dependência da queima de combustíveis fósseis. Na verdade, o ambientalista chegou a uma conclusão surpreendente: “Precisamos construir mais centrais nucleares para superar isso, embora os verdes primeiro tenham que superar seus medos exagerados de radiação”.

A atual pandemia deveria vir como um aviso, disse ele. “O vírus, COVID-19, pode muito bem ter sido um feedback negativo”, escreve James Lovelock. “Gaia vai se esforçar mais da próxima vez com algo ainda mais desagradável.



Dez ameaças á sobrevivência da humanidade


Está se confirmando a previsão do MIT sobre o colapso da civilização



Referencia//The Guardian

Sem comentários:

Enviar um comentário