segunda-feira, 8 de novembro de 2021

Como será o mundo se ultrapassarmos o limite climático de 1,5 graus

Há um número ouvido mais do que qualquer outro nos pódios na cúpula do clima das Nações Unidas em Glasgow, Escócia: 1,5 grau Celsius.

Essa é a meta de mudança climática global que os líderes mundiais concordaram atingir. Limitando o aquecimento do planeta a 1,5 graus Celsius, ou 2,7 graus Fahrenheit, até 2100, a esperança é evitar graves perturbações climáticas que podem agravar a fome, o conflito e a seca em todo o mundo.



TTempestades-extremas-tornam-se-mais-comuns
Photo//Pixabay


Temos 11 anos para reduzir as emissões de CO2 para evitar os piores cenários climáticos


A meta de 1,5 graus há muito é defendida pelos países em desenvolvimento, onde milhões de pessoas estão entre as mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas. Nas negociações climáticas de 2015 em Paris, eles pressionaram os países industrializados a melhorar a meta de 2 graus Celsius mantida na época, uma vez que as nações mais ricas são responsáveis ​​pela maioria das emissões de gases de efeito estufa desde a Revolução Industrial.

Nas negociações climáticas em andamento, as nações estão promovendo novos compromissos para cortar suas emissões de retenção de calor, mudando para energia limpa e reduzindo a desflorestação. A Índia está prometendo, pela primeira vez, ser neutra em carbono até 2070. Mais de 100 países, incluindo os Estados Unidos, aderiram a um pacto global para reduzir o metano, um potente gás de efeito estufa.



Ainda assim, somadas, as recentes promessas não são suficientes. Mesmo com cortes de emissões mais ambiciosos de alguns países, o aquecimento ainda está no caminho para mais de 2 graus Celsius (ou 3,6 Fahrenheit) até o final do século. A Terra já está 1,1 grau Celsius mais quente do que há 150 anos.

Embora uma diferença de meio grau Celsius no aumento da temperatura possa parecer irrelevante, a diferença para a vida na Terra pode ser enorme. Aqui está o que os cientistas esperam, se as temperaturas globais médias excederem 1,5 grau Celsius de aquecimento em 2100.



Os Recifes de coral enfrentam morte quase total

Na costa da Austrália, a Grande Barreira de Coral é conhecida por ser grande o suficiente para ser vista do espaço. É do tamanho da Alemanha, um hotspot de biodiversidade que já foi considerado grande demais para acabar. Mas, nas últimas décadas, biólogos marinhos como Ove Hoegh-Guldberg, da Universidade de Queensland, observaram seu rápido declínio.

"A minha carreira consiste em ir de um período em que era maravilhoso e abundante para agora, olhando para o declinio", diz Hoegh-Guldberg. "Estamos olhando para algo realmente horrível."

Os oceanos estão aquecendo junto com a atmosfera, uma vez que absorvem muito do excesso de calor das mudanças climáticas. As repetidas ondas de calor marinho nos últimos cinco anos transformaram grande parte da Grande Barreira de Corais numa cor branca fantasmagórica. Quando a temperatura sobe, os corais expelem as algas microscópicas do seu interior, perdendo sua fonte de alimento no processo. Às vezes, os corais podem recuperar, mas cada vez mais, eles estão morrendo.



"Cerca de 50% dos corais de águas rasas foram mortos literalmente em alguns meses, em alguns casos em algumas semanas", diz Hoegh-Guldberg. "Se estendermos isso para o futuro, chegaremos a um ponto em que o dano supera a capacidade dos corais de recuperarem-se."

As ondas de calor marítimas duplicaram desde 1980 e devem se tornar mais intensas com o aumento das temperaturas. A 1,5 graus Celsius, é provável que 70 a 90% dos recifes de coral morram em todo o mundo. A 2 graus Celsius de aquecimento, 99% estão perdidos.

Se atrasarmos mais um ou dois anos, realmente estaremos trilhando um caminho onde não haverá retorno”, diz Hoegh-Guldberg. "Precisamos agir e precisamos agir com decisão, sem questionar e resolver esse problema."

 



Tempestades extremas tornam-se mais comuns

A água teve um grande impacto em 2021, em todo o mundo. Em setembro, os vestígios do furacão Ida atingiram o Nordeste, matando mais de 50 pessoas em Nova Jersey, Nova York e outros estados. Muitos afogaram-se nos seus carros e apartamentos subterrâneos, inundados por água corrente. Em agosto, duas dezenas de pessoas morreram quando fortes chuvas causaram enchentes no Tennessee.

Os cientistas alertam que uma atmosfera mais quente é uma atmosfera mais húmida. O ar mais quente pode reter mais água, ajudando a produzir chuvas mais intensas e tempestades mais fortes. Com as temperaturas do oceano mais altas no Golfo do México, os furacões estão se intensificando num ritmo mais rápido.



 

À medida que o clima aquece, espera-se que as tempestades antes consideradas extremamente raras se tornem mais frequentes. E as hipóteses aumentam muito.

"Quando pensamos sobre as probabilidades, não é simplesmente que o dobro do aquecimento dê o dobro das probabilidades", diz Gabriel Vecchi, professor de geociências da Universidade de Princeton. "Se seguirmos um caminho de aquecimento de 3 graus, mais e mais coisas que nunca foram ouvidas ou que nunca foram ouvidas se tornarão relativamente comuns."

Ondas de calor extremo seguem o mesmo padrão, onde uma pequena mudança na temperatura média leva a um grande aumento no número de eventos extremos. Quer seja calor ou inundações, infraestruturas como edifícios, estradas e bueiros foram concebidos para lidar com o clima do passado. Eles podem não sobreviver ao clima do futuro.



 

Gelo derretido leva a cidades inundadas

Para as cidades costeiras de todo o mundo, o futuro de milhões de pessoas depende em grande parte dos vastos volumes de gelo na Groenlândia e na Antártica.

 Já, nos últimos 16 anos, a Antártica e a Groenlândia perderam gelo suficiente para encher o Lago Michigan, de acordo com a NASA. Esse derretimento do gelo está elevando o nível dos oceanos, junto com o derretimento das geleiras e a expansão da própria água do oceano, que acontece à medida que fica mais quente. O aumento também está acelerando.

O nível do mar pode subir entre 30 cm até 1 metro até 2100, de acordo com o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, do grupo de pesquisa climática da ONU. O cenário pode ser muito pior se os mantos de gelo da Antártica se desintegrarem a um ritmo mais rápido do que os cientistas esperam. Limitar os aumentos de temperatura a 1,5 graus Celsius poderia reduzir pela metade o aumento do nível do mar até o final do século, em comparação com o que é esperado.




Gelo-derretido-leva-a-cidades-inundadas
Photo//Pixabay


O que esperar da Conferencia do Clima 2021, COP26 de Glasgow.


Mais de 4 milhões de pessoas nos Estados Unidos estão em risco ao longo da costa, onde níveis mais altos do mar causariam maiores tempestades e marés altas. À medida que o oceano sobe, muitas nações insulares em todo o mundo correm o risco de se tornar inabitáveis.

Ainda assim, mesmo com 1,5 grau Celsius de aquecimento, os cientistas alertam que as tempestades, ondas de calor e secas serão mais extremas. E eles alertam que 1,5 graus Celsius de aquecimento, não é um ponto de inflexão. Para cada décimo de grau o planeta fica mais quente, os impactos pioram. Mas, por outro lado, cada décimo de grau evitado pode ser crucial para limitar a extensão dos danos futuros.

Existem caminhos viáveis ​​para o futuro”, diz Vecchi. "Não é um futuro inevitável. Há motivos para esperança, e o desespero, eu acho, é contraproducente."


Os níveis de gases de efeito estufa atingiram níveis recordes em 2020


Referencia//Npr

Sem comentários:

Enviar um comentário