sábado, 2 de outubro de 2021

Mais de um milhão de asteroides dirigem-se para a Terra, alertam os cientistas

Já alguém se questionou o que acontecerá se um grande asteroide atingir nosso planeta? Os astrónomos nos dizem que tais eventos são extremamente raros. Eles ocorrem apenas uma vez a cada 50 milhões de anos ou mais, mas a má notícia é que já ultrapassamos o prazo. E quando esse impacto ocorrer será devastador.

Nas primeiras horas após o impacto a Terra se transformaria num inferno. Todas as cinzas dos incêndios e fragmentos de rocha do impacto permanecerão na atmosfera por muito tempo e teremos o que é chamado de inverno de impacto. Isso bloqueará a luz do sol e todas as cinzas que caírem no oceano acidificarão as camadas superiores matando todos os seres aquáticos e congelando nosso planeta. Mas nem tudo morrerá.



Mais de um milhão de asteroides dirigem-se para a Terra
Photo//Youtube


Descobertos dois enormes objetos vermelhos no cinturão de asteroides



Se pensarmos nas pessoas, a maneira de sobreviver seria no escuro. Quem pudesse se refugiar num bunker com mantimentos suficientes, para passar aquele período de inverno, quando nenhum alimento comestível pode ser cultivado, poderia sobreviver. A chuva ácida estará em toda parte, então a acidificação do solo terá que ser tratada. E isso seria apenas o começo. E se acha que este cenário é quase impossível, veja.



De acordo com um novo estudo de astrônomos chineses, pode haver até um milhão de pequenos asteroides dirigindo-se para o nosso planeta no próximo século. Mas eles dizem-nos que o risco de impacto é baixo e a maioria dos asteroides tem menos de 100 metros de diâmetro. No entanto, se eles atingissem nosso planeta, eles teriam mais energia cinética do que existe numa bomba atómica.

O número atual de asteroides conhecidos é 1.113.527, alguns medindo até centenas de metros de diâmetro enquanto os menores têm menos de 10 metros de largura. A maioria dos asteroides conhecidos, encontram-se no cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter. Na verdade estima-se que existam entre 1,1 e 1,9 milhões de asteroides localizados ali com mais de 1 quilómetro de diâmetro, e milhões de objetos espaciais menores.



O professor Gan Qingbo e colegas do Centro de Observação e Aplicação de Dados de Detritos Espaciais da Administração Espacial Nacional da China afirmaram que os asteroides perigosos de curto prazo (SHAs) são muito difíceis de rastrear no espaço.

"A identificação precisa de alvos de ameaça de impacto e recursos de alerta precoce, que requerem algoritmos mais precisos para determinação de órbita e avaliação de risco de impacto", explica o professor Qingbo ao South China Morning Post .



Os investigadores examinaram um banco de dados global de asteroides e focaram-se nas órbitas dos asteroides menores tendo descoberto que mais de 700 deles poderiam impactar nosso planeta no próximo século. Cinco dos asteroides tinham uma hipótese em mil de impactar nosso planeta, embora suas órbitas, em constante mudança, pudessem afetar essas hipoteses. Eles então realizaram modelos físicos sobre a formação de asteroides e estimaram que poderia haver entre 100.000 e um milhão de asteroides perigosos para o nosso planeta, a curto prazo.

 


Como muitos astrónomos focam sua atenção em objetos espaciais muito maiores, eles podem estar ignorando os asteroides menores, que também podem ser potencialmente perigosos. Por exemplo, um pequeno asteroide medindo apenas 19 metros explodiu sobre Chelyabinsk, Rússia, em 2013, mas ainda assim causou uma explosão extremamente poderosa, cerca de 30 vezes mais forte do que a bomba de Hiroshima. Além disso, as ondas de choque causaram danos a mais de 7.200 edifícios, felizmente ninguém morreu.



Este é um exemplo perfeito de um pequeno asteroide causando danos significativos. No entanto não há razão para nos escondermos como o Professor Chen Ping, que é geólogo da Academia Chinesa de Ciências, explicou que os SHAs são um tópico interessante para pesquisa acadêmica e discussões públicas, mas isso deveria ser tanto quanto possível e que por serem tão pequenos, provavelmente desintegrar-se-iam na nossa atmosfera. Esperemos que ele esteja certo.

Será  que estamos em perigo?

Descobrirão um método para detetar a tempo a aproximação desses asteroides perigosos?


Cientistas consideram usar explosões nucleares para proteger Terra de asteroides



Referencia//Mundoesotericoparanormal


Sem comentários:

Enviar um comentário