quarta-feira, 20 de outubro de 2021

A terra teve uma oscilação polar verdadeira no Cretáceo Superior

O nosso planeta rodou, há 84 milhões de anos, depois corrigiu e voltou ao normal.

É o que relata um novo artigo publicado na Nature, na tentativa de resolver de uma vez por todas o debate sobre o que é chamado de "verdadeira polarização", que é o processo pelo qual um planeta ou as várias camadas de uma lua se deslocam, resultando na localização dos polos magnéticos do referido planeta ou lua que o orbita.


Terra-vista-do-espaco
Photo//Pixabay


A perda de gelo está deformando a crosta terrestre


Pode parecer complicado mas vejamos:



A Terra é constituída por algumas camadas. Temos o seu centro, um núcleo de metal sólido bem no centro, e a sua volta, um núcleo de metal líquido que, juntos, são responsáveis ​​pelo campo magnético do planeta. Por fora existe o manto, com cerca de 1.800 milhas de espessura, feito de rocha, mas mais macio que o núcleo de metal. É bastante estável, mas ao longo de milhares de anos, pode mover-se como um líquido viscoso (como cola, mel ou caramelo). Por cima desse manto, tem a crosta terrestre, que é onde vivemos agora. Se o planeta fosse um bolo fatiado, o manto nem seria a cobertura, mas uma camada de açúcar em pó que representa menos de 1% do volume total. E já sabemos que essas camadas podem se mover.


 

O que a equipa internacional de cientistas por trás da nova pesquisa está propondo é que, há 84 milhões de anos, no período do Cretáceo Superior, todo o manto e a crosta giravam á volta desse núcleo líquido. Se pudéssemos observar a Terra do espaço, durante vários milhões de anos, pareceria que ela tomava e depois voltava ao normal.



E como, exatamente, eles descobriram isso? A resposta está na geologia. As posições dos polos magnéticos da Terra podem ser refletidas através do magnetismo de certas rochas do planeta (ou “dados paleomagnéticos”). E examinando fósseis, e não apenas fósseis, mas fósseis de bactérias, que incluem o mineral magnetita, o mais magnético de todos os elementos da Terra. Rastrear essas rochas não foi fácil, mas eles encontraram algumas na cordilheira dos Apeninos, no centro da Itália, entre Roma e Florença, que é onde Joe Kirschvink do Caltech e do Instituto de Tecnologia de Tóquio e o Instituto de Geologia e Geofísica em Ross de Pequim Mitchell. Curiosidade: as rochas na área, que não eram tão antigas como as usadas neste estudo, ajudaram os cientistas a provar teorias sobre asteroides que extinguiram os dinossauros.



E, com certeza, as rochas mostram uma inclinação de 12 graus do planeta há 84 milhões de anos. Em seguida, ele aparentemente endireitou-se novamente, para um total de 25 graus de inclinação ao longo de 5 milhões de anos.

E quais as implicações práticas de saber que a Terra oscilou. Bem, eles acham que a verdadeira deslocação polar pode ser responsável pela Idade do Gelo, mas, além disso, é mais um passo na compreensão dos mistérios de nossa existência.



Cientistas revelam plano para arrefecer o planeta recorrendo á geoengenharia




Referencia//Nature

Sem comentários:

Enviar um comentário