terça-feira, 7 de setembro de 2021

Plutão tem céu azul e há evidências de um oceano líquido semelhante ao da Terra

Para a surpresa de muitos cientistas, Plutão tem céu azul assim como o nosso, e pode ser mais habitável do que muitos imaginavam.

Os cientistas que descobriram os novos fatos sobre Plutão, detalharam suas descobertas em 22 de julho, no jornal Nature Geoscience.



Plutao
Photo//Pixabay//parallelvision


A China planeia construir uma mega nave espacial


Plutão pode ter um oceano subterrâneo

Os resultados que os cientistas obtiveram mostraram que Plutão tem céu azul e também pode ter um oceano subterrâneo.

Isso faz com que o planeta seja mais habitável, de acordo com os pesquisadores. Lembrando que já haviam evidências sobre o planeta atualmente possuir um oceano líquido, abaixo de uma espessa “concha congelada”.



Nesse estudo, os investigadores sugeriram que este oceano subterrâneo se desenvolveu muito tempo após Plutão se formar, possivelmente após o gelo derreter devido ao calor de elementos radioativos que existem dentro do núcleo de Plutão.

Segundo os cientistas, Plutão teve uma formação rápida e violenta, que foi capaz de aquecer o interior o suficiente para formar um oceano subterrâneo.




Os cientistas compararam as observações geológicas capturadas pela nave New Horizons da NASA, que voou pelo planeta em 2015.

As comparações foram feitas com vários modelos da origem e evolução de Plutão, e foram consideradas grandes descobertas sobre o planeta.

De acordo com os investigadores, se o começo de Plutão fosse “frio”, a sua “concha congelada” teria experimentado compressão justamente no início da história do mundo.



Entretanto, com as imagens capturadas, as partes mais antigas da superfície do planeta mostram que não há sinal nenhum de compressão.

Para os cientistas, o planeta conta com características extensivas observadas que sugerem que o início de Plutão foi “quente”, como as rachaduras em sua “concha” e um sistema enigmático de cristas e depressões.

No entanto, foram capturados cerca de metade do hemisfério norte de Plutão, havendo a hipótese de ter perdido algum terreno antigo que registou essa compressão em grande escala.



Impactos de Plutão ter céu azul e um possível oceano subterrâneo

A temperatura de Plutão é um dos principais problemas em termos de habitabilidade, pois conta com uma temperatura de superfície de -228 graus Celsius.

Os impactos são grandes, uma vez que sugerem que tanto Plutão quanto outros planetas anões localizados no Cinturão de Kuiper podem ter possuído oceanos subterrâneos desde que se formaram.

Todas essas informações influenciam diretamente a habitabilidade potencial desses mundos.


Um nono planeta está à espreita no nosso sistema solar



Referencia//Engenhariahoje



Sem comentários:

Enviar um comentário