domingo, 5 de setembro de 2021

Cientistas russos criam cura universal para o câncer

Cientistas da Tomsk Polytechnic University (TPU), juntamente com outros investigadores da Rússia, conseguiram tornar o tratamento do câncer com actínio-225 radioativo 40% mais eficaz.

De acordo com eles, foi desenvolvida uma nanopackaging especial para actinium, que protege o corpo de produtos de degradação tóxicos de 6 a 10 vezes mais eficaz do que seus análogos. O artigo foi publicado na revista ACS Applied Materials & Interfaces .




Experiencia-cientificas
Photo//Pixabay//ckstockphoto


Substituir o sal na comida, pode salvar milhões de vidas



Actinium-225 é um isótopo radioativo descoberto pela primeira vez como um produto de degradação do urânio-233. Conforme explicado pelos cientistas da TPU, essa substância é considerada um radiofármaco altamente promissor para o tratamento de várias formas de câncer, inclusive as mais graves.



Isso deve-se ao fato de que o actínio emite partículas alfa. A transferência linear de energia desse tipo é menor do que a dos raios beta, por isso "atinge" as células cancerosas com mais precisão, sem afetar as saudáveis. No entanto, o actínio-225 produz isótopos filhos tóxicos, como o frâncio-221 e o bismuto-213, que se acumulam no fígado, rim e baço. Os investigadores explicam que é isso que impede o actínio de ser amplamente utilizado na prática clínica.



A solução para este problema foi encontrada pelos cientistas do TPU, que propuseram um método único de empacotamento de isótopos numa cápsula de proteína polimérica. Segundo eles, ajuda a neutralizar os isótopos tóxicos e aumentar o efeito terapêutico do actínio-225 em 40%.

O actínio é considerado um isótopo universal e, em teoria, pode ser usado para tratar todos os tipos de câncer, desde que o problema da toxicidade seja resolvido. Nosso método envolve o uso de um polímero biodegradável: a cápsula decompõe-se em elementos inofensivos após o frâncio-221 e o bismuto-213 decai em isótopos inofensivos ", explicou Alexander Timin, um dos autores do artigo e pesquisador líder da Escola de Pesquisa de Química e Ciências Biomédicas Aplicadas da TPU.



Terapia-geral-com-o-uso-das-cápsulas-de-Actinium-225

Photo//TOMSK POLYTECHNIC UNIVERSITY (TPU)



Novo avanço que ajuda o sistema imunológico na luta contra o cancer



A meia-vida do actínio-225 é de 10 dias e a cápsula permanece intacta pelo menos por duas semanas. Os testes em animais mostraram acumulação de, no máximo 5% do valor total nos rins, enquanto os sistemas existentes levam a uma taxa de acumulação que varia entre 30-35% a 50%. Além disso, a resistência das novas cápsulas é 70-80% maior do que a das análogas, disseram os investigadores.

Os cientistas da TPU explicam que hoje em dia o método físico é muito utilizado para embalagem de actínio. O isótopo é simplesmente misturado com nanoesferas de polímero poroso, "prendendo" a maior parte dentro. No entanto, a estrutura provou não ser confiável, observaram eles.



Ao criar novas cápsulas, os autores usaram métodos químicos, primeiro ligando o actínio à albumina, uma molécula de proteína, e depois colocando-a numa solução de polímero. A albumina cria uma forte ligação covalente com o polímero, literalmente envolvendo o isótopo com uma esfera protetora. Os cientistas da TPU usaram um polímero disponível comercialmente com base em polipeptídeos e polissacarídeos

Sobe o custo das vacinas da Pfizer e da Moderna




Referencia//SputnikNews

Sem comentários:

Enviar um comentário