segunda-feira, 30 de agosto de 2021

Substituir o sal na comida, pode salvar milhões de vidas

Adicionar apenas a pitada certa de sal aumenta instantaneamente o sabor de quase todos os pratos, mas há uma desvantagem neste ingrediente barato e abundante.

Simplificando, muito sal é muito mau para a saúde. Mais especificamente, muito sódio é mau, e o sódio é um dos dois principais elementos que compõem o sal (também conhecido como o composto químico, cloreto de sódio).


Sal
Photo/superinteressante


Movimento Meatless: alimentação sem carne cada vez mais em alta



Muitas pesquisas anteriores investigaram as ligações entre os níveis excessivos de sódio na dieta e problemas de saúde, como o aumento do risco de doenças cardiovasculares.

Ao mesmo tempo, outros estudos traçaram os impactos na saúde da insuficiência de potássio na dieta das pessoas, o que também tem um efeito negativo sobre a pressão arterial.

Acontece que um produto, disponível em todos os supermercados, pode mitigar os dois problemas ao mesmo tempo. Existem substitutos do sal que têm o mesmo sabor do sal, mas apresentam níveis reduzidos de sódio e quantidades adicionais de potássio.



Apesar existirem substitutos do sal, no entanto, tem havido uma falta de grandes ensaios clínicos medindo seu impacto em derrames, doenças cardíacas e morte, então ainda restam dúvidas sobre a sua verdadeira eficácia.

Agora, um estudo gigantesco conduzido na China parece sugerir que praticamente todos seriam beneficiados com a mudança.

"Quase todo mundo come mais sal do que deveria", diz o epidemiologista clínico Bruce Neal, do George Institute for Global Health, na Austrália.~



"Se o sal fosse trocado por um substituto do sal em todo o mundo, haveria vários milhões de mortes prematuras evitadas a cada ano."

No estudo, Neal e sua equipa examinaram mais de 20.000 moradores de áreas rurais da China, recrutando participantes com histórico de derrame ou baixa pressão arterial. As pessoas vieram de 600 aldeias no total, com uma idade média de cerca de 65 anos no início da pesquisa.

 Na experiencia, metade dos participantes recebeu um suprimento gratuito de substituto do sal para usar no decorrer do estudo (projetado para ter uma duração de cinco anos, mas ligeiramente afetado pela pandemia COVID-19).



O substituto do sal que receberam apresentava menos sódio e potássio adicionado, e eles foram encorajados a usá-lo com mais moderação do que normalmente usavam o sal, a fim de maximizar sua redução geral de sódio.

Enquanto isso, a outra metade dos aldeões agia como um grupo de controlo e continuava a usar sal na comida e na preparação de alimentos, como sempre fizeram.

No final do estudo, houve um contraste marcante nos resultados de saúde desses dois grupos.

No geral, cerca de cinco anos após o início da experiencia, mais de 4.000 dos participantes morreram, com mais de 3.000 sofrendo um derrame e mais de 5.000 tendo algum tipo de evento cardiovascular importante, resultados tristes e infelizes, mas não inesperados devido à sua idade e saúde no início da pesquisa.


“Figo da India” uma alternativa sustentável para combustível e alimentos



Entre os resultados, no entanto, o grupo de substitutos do sal teve significativamente menos probabilidade de sofrer derrames em comparação com os consumidores regulares de sal (29,14 eventos vs. 33,65 eventos por 1.000 pessoas-ano), bem como menores chances de eventos cardiovasculares maiores (49,09 eventos vs. . 56,29 eventos) e morte (39,28 eventos vs. 44,61 eventos).

 Os investigadores afirmam que os resultados confirmam efetivamente a modelagem anterior na China, que sugeria que as substituições de sal conduzidas em nível nacional poderiam salvar a vida de cerca de 460.000 pessoas a cada ano, simplesmente evitando mortes prematuras relacionadas aos efeitos do consumo excessivo de sódio.

Por extensão, e esta parte é hipotética, os investigadores sugerem que a mesma substituição simples salvaria milhões de vidas anualmente, se as pessoas em todo o mundo mudassem do sal comum para uma alternativa mais saudável e ligeiramente modificada.



Uma barreira potencial para ver esses efeitos protetores pode ser devido às diferentes maneiras como os alimentos são produzidos em diferentes países.

"Em vilas rurais na China ,os alimentos processados ​​geralmente não são usados, o cloreto de sódio é adicionado durante a preparação dos alimentos em cada casa", explica em um comentário a pediatra Julie R. Ingelfinger do Massachusetts General Hospital, que não estava envolvida no estudo na pesquisa .

"Em contraste, em grande parte do mundo, a preservação comercial de alimentos adiciona muito cloreto de sódio à comida, e o uso de substitutos do sal não seria totalmente responsável pela maior parte da ingestão de sal."



Uma resposta poderia ser substituir o sal não apenas na cozinha doméstica, mas também na cozinha industrial, onde são produzidos alimentos processados ​​comercialmente manufaturados.

Em termos de custo, não há muita diferença, dizem os investigadores, com o substituto do sal custando cerca de 50 por cento mais, mas dado o preço do sal comum é a quantidade tao pequena, necessária para cozinhar, fazer a substituição é bastante acessível, especialmente dados os benefícios.

Embora os substitutos do sal sejam um pouco mais caros do que o sal comum, eles ainda são muito baratos, apenas alguns dólares por ano para fazer a troca”, diz Neal .

"Esta é simplesmente a pesquisa mais valiosa em que já estive envolvido."


Lançado concurso de US $15 milhões para desenvolvimento de carnes alternativas



Referencia//ScienceAlert

Sem comentários:

Enviar um comentário