sábado, 7 de agosto de 2021

A Corrente do Golfo, vital para o clima mundial, pode colapsar.

O aquecimento planetário, impulsionado pelo homem, ameaça colapsar um sistema de correntes no Oceano Atlântico que regulam e impactam o clima em todo o mundo, descobriu um novo estudo científico.

A Circulação Meridional de Virada do Atlântico, ou AMOC, é uma seção da Corrente do Golfo que transporta água quente dos trópicos para o norte e água fria do Atlântico Norte para o sul.



Aumento-do-nivel-do-mar
Photo//ASME

Como a migração da Corrente do Golfo interfere com o aquecimento do oceano


Esta redistribuição natural de calor estabiliza o clima regional e as condições meteorológicas; no entanto, os cientistas têm alertado  que o sistema está ficando mais lento. Um relatório de 2019 das Nações Unidas concluiu que, embora seja "muito provável" que a corrente enfraqueça neste século, um colapso total era improvável. 

Mas o novo estudo, publicado na ultima quinta-feira, na revista Nature Climate Change, indica que a situação pode ser muito pior do que se pensava anteriormente. As mudanças atuais podem estar ligadas a “uma perda quase completa de estabilidade da AMOC ao longo do século passado”, afirma a análise.

 



"Os resultados apoiam a avaliação de que o declínio do AMOC não é apenas uma flutuação ou uma resposta linear ao aumento das temperaturas, mas provavelmente significa a aproximação de um limite crítico além do qual o sistema de circulação pode entrar em colapso", afirmou Niklas Boers, investigador do Instituto de Potsdam para A Pesquisa de Impacto Climático na Alemanha e o autor do estudo.

Um sistema, com a corrente atlântica paralisada, poderia desencadear mudanças catastróficas e potencialmente irreversíveis, desde a elevação dos mares na América do Norte até grandes interrupções nas chuvas de monções sazonais na Ásia e na América do Sul.



“A mera possibilidade de que o ponto de inflexão do AMOC esteja próximo deve ser motivação suficiente para tomarmos medidas”, disse Levke Caesar, físico climático da Universidade Maynooth da Irlanda, ao The Washington Post . “As consequências de um colapso provavelmente seriam incalculáveis.

Mas Andreas Schmittner, um cientista climático da Oregon State University, é cético em relação à conclusão do estudo.

O método usado no artigo foi desenvolvido e testado em modelos muito simples de sistemas dinâmicos, mas depois é aplicado a observações de temperaturas e salinidades da superfície do mar”,“Acho que o método deles é novo e precisa ser testado por diferentes investigadores e explorado mais em modelos climáticos complexos para ver se funciona com os dados que eles usaram. Acho que é prematuro concluir que a AMOC está à beira do colapso.





O estudo antecede um importante relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas, ou IPCC,  o principal consórcio de pesquisadores que estuda o aumento da temperatura causado pelo homem. A avaliação, prevista para 9 de agosto e de autoria de mais de 200 cientistas, fornecerá uma compreensão atualizada da crise e seus efeitos atuais e futuros em todo o mundo.

 Não há como identificar o nível de emissões de gases de efeito estufa que causaria um colapso total da AMOC, disse Boers ao TheGuardian . “A única coisa a fazer”, disse ele, “é manter as emissões o mais baixas possível. A probabilidade desse evento de impacto extremamente alto acontecer aumenta com cada grama de CO2 que colocamos na atmosfera.


Porquê o nível do mar está subindo 4 vezes mais rápido que previsto?



Referencia//The Washington Post The Guardian






Sem comentários:

Enviar um comentário