terça-feira, 6 de julho de 2021

O Sol acaba de lançar a erupção mais poderosa desde 2017

Em 3 de julho de 2021, às 14:29 UTC (10:29 EDT), nossa estrela teve sua primeira explosão de classe X do Ciclo Solar 25. Foi o evento mais poderoso que vimos desde setembro de 2017.

As erupções de classe X estão entre as erupções solares mais poderosas de nossa estrela, tendo a mais poderosa, a X28, sido registada em novembro de 2003.


Erupção-solar
Photo//NASA/GSFC/SDO


Será o Sol um planeta frio, que pode ser habitado?



Este novo surto não foi tão intenso, com classificação de X1.5, mas, mesmo assim, produziu uma pulsação de raios-X que atingiu a atmosfera superior e conseguiu causar um corte de rádio de ondas curtas sobre o Oceano Atlântico.

A explosão de classe X mais recente, anterior a este novo ciclo, ocorreu em setembro de 2017, quando o Sol teve uma erupção de X8.2.

É um sinal, juntamente com um aumento nas ejeções coronais de plasma que se elevam da superfície do Sol, que o ciclo está definitivamente se tornando mais ativo.



Embora o Sol pareça bastante consistente de nossa perspetiva cotidiana aqui na Terra, uma visão de longo prazo revela uma atividade dinâmica. Parte disso é o ciclo solar.

Isso baseia-se no campo magnético do Sol, que muda de 11 em 11 anos, invertendo os polos magnéticos norte e sul. Não se sabe o que impulsiona esses ciclos (pesquisas recentes sugerem que tem a ver com um alinhamento planetário de 11,07 anos ), mas os polos mudam quando o campo magnético está mais fraco, também conhecido como mínimo solar.


O dia em que o “Sol Parou”, a lenda Asteca também documentada na Bíblia



Como o campo magnético do Sol controla sua atividade, as manchas solares (regiões temporárias de campos magnéticos fortes), erupções solares e ejeções de massa coronal (produzidas por linhas de campo magnético), este estágio do ciclo manifesta-se como um período de atividade mínima.

Logo que os polos tenham mudado, o campo magnético fortalece e a atividade solar atinge um máximo solar. O mínimo solar mais recente ocorreu em dezembro de 2019, portanto, nos próximos meses e anos, devemos esperar ver o Sol ficando mais turbulento, atingindo o máximo por volta de julho de 2025.



Nem todos os máximos solares são iguais, e como tal, não está totalmente claro se teremos um ciclo fraco ou poderoso. A contagem média de manchas solares para um máximo é 179. O Ciclo Solar 24 atingiu um pico de apenas 114. A NASA e a NOAA previram que o Ciclo Solar 25 será semelhante, com um pico de 115 manchas solares, mas outros cientistas previram exatamente o oposto, um dos máximos solares mais fortes já registados.

Curiosamente, levou quase o dobro do tempo para o primeiro surto de classe X aparecer no Ciclo Solar 24. Se isso for significativo, não saberemos mais até depois do máximo solar para o Ciclo Solar 25.


Anomalia que enfraquece o campo magnético da Terra parece estar se dividindo


E o que isso significa para a Terra?

Bem, se uma erupção solar ou ejeção de massa coronal explodir na direção da Terra, podemos ver alguns efeitos. Não há perigo da radiação para nós, humanos, que estamos na superfície. a nossa atmosfera protege-nos.

Mas acontecendo erupções mais poderosas, como o de 3 de julho, podemos ver algumas interrupções nas camadas atmosféricas por onde os sinais de comunicação viajam. Isso significa que as comunicações de rádio e os sistemas de navegação podem ser afetados. Para os eventos mais extremos, as redes elétricas podem ser desligadas, embora isso aconteça raramente.



O material do Sol também pode desencadear auroras aqui na Terra, à medida que as partículas interagem com os gases na atmosfera do nosso planeta para produzir o fenómeno brilhante.

A mancha solar que produziu a erupção, chamada 2838, desenvolveu-se durante a noite do nada e também foi responsável por uma erupção M2. Desde então, deslocou-se para longe do campo de visão, do outro lado do Sol, onde pode ainda estar ativo. Teremos que esperar alguns dias para ver se volta.



Como Bill Gates planeia bloquear a luz do sol


Referencia//ScienceAlert


Sem comentários:

Enviar um comentário