terça-feira, 13 de julho de 2021

Droga anticoagulante pode tratar as variantes emergentes de COVID-19

Moléculas da mesma família do fármaco anticoagulante heparina podem interferir na capacidade dos picos do vírus COVID-19 de se ligarem às células humanas. Isso pode ser usado para tratar pessoas com efeitos graves do vírus e quaisquer variantes emergentes.

Moléculas semelhantes à heparina, um anticoagulante comum, podem impedir que o vírus infete as células

A baixa cobertura da vacina em muitos países significa que mais mutações resistentes à vacina podem aparecer.



Coronavirus.variantes
Photo//Harvard Health



Vacinas COVID-19 inaláveis, passam para fase de testes em humanos


O investigador do QUT PhD, Zachariah Schuurs, disse que a equipa de pesquisa identificou um novo local de ligação na proteína spike SARS-CoV-2.

A ligação da proteína spike CoV-2 ao sulfato de heparano (HS) nas superfícies celulares é geralmente o primeiro passo numa cascata de interações que o vírus precisa para iniciar uma infeção e entrar na célula”.

A maioria das pesquisas concentrou-se em entender como o HS interage no domínio de ligação ao recetor (RBD) e no local de clivagem da furina da proteína spike do vírus SARS-CoV-2, já que estes normalmente se ligam a diferentes tipos de drogas, vacinas e anticorpos.




Foi identificado um novo sítio de ligação no domínio N-terminal (NTD), uma área diferente do pico do vírus que facilita a ligação de HS. Isso ajuda a entender melhor como o vírus infecta as células. O NTD também é uma parte da proteína do pico que frequentemente sofre mutações. Alguns anticorpos do sangue que neutralizam os vírus se ligam à mesma região do DTN, portanto, alvejar o local do NTD com moléculas como heparina (ou miméticos de heparina), uma conhecida droga anticoagulante semelhante ao HS, é uma possível estratégia para impedir que o vírus se ligue às células e as infete.

A Dra. Neha Gandhi, do Centro QUT para Genómica e Saúde Personalizada, disse que as vacinas COVID19, embora tenham obtido sucesso em todo o mundo, ainda estão longe de ser amplamente acessíveis.



“Precisamos de estratégias antivirais alternativas para prevenir a disseminação do COVID-19 e tratar as pessoas infetadas”, disse o Dr. Gandhi.

Os epidemiologistas acreditam que a cobertura persistente de vacinas baixas em muitos países tornará mais provável o aparecimento de mutações resistentes à vacina.

Variantes preocupantes já surgiram na África do Sul, Estados Unidos, Índia e Brasil. A este respeito, estratégias antivirais alternativas são fortemente necessárias para prevenir a propagação de COVID-19 e para tratar pessoas com COVID-19.

A maioria das variantes do SARS-CoV-2 adquiriu uma mutação com carga positiva na proteína spike. Moléculas como a heparina e seus miméticos são carregados negativamente e, portanto, essas moléculas poderiam ser usadas para tratar pessoas com efeitos graves do vírus e quaisquer variantes emergentes.

 

Cientistas descobrem um mecanismo único que captura e mata vírus


A nossa pesquisa indica que as moléculas que imitam a estrutura 3D da heparina com uma química de enxofre diferente podem ser potenciais drogas antivirais de amplo espectro para COVID-19 e outras ameaças virais emergentes por meio da interação direta com o próprio vírus.”

 O estudo multinacional publicado no Computational and Structural Biotechnology Journal, "A evidência de um sítio de ligação de glicosaminoglicano putativo no domínio N-terminal da proteína spike glicosilada SARS-CoV-2 ", usou técnicas computacionais e experimentais para confirmar seus achados.

Os investigadores usaram supercomputadores NCI Gadi e QUT Lyra para modelar como HS e seus inibidores como a heparina interagiriam com a proteína spike.

 

Fonte: Queensland University of Technology


Primeiros casos da COVID-19 podem ter surgido em outubro de 2019 na China



Referencia//Technology

Sem comentários:

Enviar um comentário