domingo, 11 de julho de 2021

Como a China planeia salvar a terra de impactos de asteroides

Cientistas chineses planeiam lançar mais de 20 foguetes no espaço para desviar o impacto de um asteroide que tem uma pequena possibilidade de um dia acabar com a vida na Terra .

O alvo é um asteroide chamado Bennu, uma rocha espacial de 85,5 milhões de toneladas  que está a 7,5 milhões de quilómetros da órbita da Terra. Embora as probabilidades do Bennu atingir A Terra serem reduzidas, apenas 1 em 2.700, o asteroide é tem o diâmetro equivalente á altura do Empire State Building, o que significa que qualquer colisão com a Terra seria cataclísmica.



asteroide-bennu-será-desviado
Photo//Space


Cientistas do Mit criam sistema para as ameaças de asteroides


A energia cinética estimada do impacto do Bennu com a Terra é de 1.200 megatons, o que é cerca de 80.000 vezes maior do que a energia da bomba lançada em Hiroshima. Para efeito de comparação, a rocha espacial que destruiu os dinossauros tinha cerca de 100 milhões de megatons de energia, informou a Live Science anteriormente.

Cientistas do Centro Nacional de Ciência Espacial da China calcularam que seriam necessários 23 foguetes Long March 5, cada um pesando 992 toneladas, empurrando a rocha simultaneamente para desviar o asteroide em quase 9.000 km,1,4 vezes o raio da Terra. Os seus cálculos serão detalhadamente publicados na próxima edição de 1º de novembro da revista Icarus .



"Os impactos de asteroides representam uma grande ameaça para toda a vida na Terra", escreveu Mingtao Li, engenheiro de ciências espaciais do Centro Nacional de Ciências Espaciais em Pequim e principal autor do novo estudo. "Desviar um asteroide de uma trajetória de impacto é fundamental para mitigar essa ameaça."

O plano dos cientistas chineses evitaria a necessidade de parar o asteroide por meios mais diretos, porém mais arriscados, como o método de uma bomba atómica popularizado por Bruce Willis no filme "Armagedom". Na realidade, bombardear a rocha espacial que se aproxima, iria quebrá-la em vários pedaços menores que ainda assim poderiam colidir com a Terra, levando a consequências devastadoras.



O plano chinês segue uma proposta anterior semelhante, embora um pouco mais cara, feita pelos Estados Unidos. O plano da NASA, chamado Hypervelocity Asteroid Mitigation Mission for Emergency Response (HAMMER), enviaria uma frota de naves espaciais de 9 metros de altura com aríetes para tirar o asteroide da rota. As simulações da NASA sugerem que 34 a 53 golpes da nave HAMMER, lançada 10 anos antes de Bennu colidir com a Terra, seriam necessários para deslocar o asteroide.

 A NASA e a ESA (Agência Espacial Europeia) serão as primeiras a testar um novo método desvio de asteroides em duas missões conjuntas com lançamento em 24 de novembro deste ano. A missão DART (Double Asteroid Redirection) enviará uma nave espacial, para chegar um ano depois, ao distante sistema de asteroides Didymos, a 11 milhões de quilómetros. Uma vez lá, a nave da NASA vai bater na lua de Didymos, uma rocha em órbita ao redor do asteroide. A missão da ESA, Hera, monitorará então como o DARTo desviou do curso.



Bennu é um asteroide do tipo B, o que significa que contém grandes quantidades de carbono e, potencialmente, muitas das moléculas primordiais presentes quando a vida surgiu na Terra. A NASA já enviou uma nave, chamada Osiris-Rex, em busca de amostras do asteroide. O Osiris-Rex chegou a Bennu em outubro de 2020, flutuando acima dele por tempo suficiente para coletar pedaços soltos de sua superfície com seu braço de 3 m. Espera-se que Osiris-Rex regresse à Terra com seus despojos em 2023.

Os foguetes Long March 5, são os cavalos de batalha do programa espacial da China, completando a maioria das entregas à estação espacial chinesa e lançando sondas chinesas a Marte e à Lua. Os foguetes causaram preocupação no passado devido à sua reentrada descontrolada na Terra. Em maio, a seção de 22 toneladas de um foguete Long March 5 caiu na Terra, no mar perto da Península Arábica. Em maio de 2020, fragmentos de um foguete anterior Long March 5 teriam atingido duas aldeias na Costa do Marfim.


NASA vai tentar redirecionar um asteroide



Referencia//LiveScience

Sem comentários:

Enviar um comentário