quinta-feira, 1 de julho de 2021

Cientistas descobrem um mecanismo único que captura e mata vírus

Os imunologistas da Universidade McMaster descobriram um mecanismo até então desconhecido que atua como uma teia de aranha, prendendo e matando vírus como o da gripe ou o SARS-CoV-2, o vírus responsável pelo COVID-19.

Os investigadores descobriram que os neutrófilos, os glóbulos brancos mais abundantes no corpo humano, explodem quando se ligam a esses patogénicos revestidos de anticorpos e libertam DNA fora da célula, criando um emaranhado pegajoso que age como uma armadilha.


Virus
Photo//Biologia Net


Criadores da Sputnik V criaram método 'cocktail de vacinas'.


As descobertas, publicadas online no Proceedings of the National Academy of Science,(PNAS) são significativas porque pouco se sabe sobre como os anticorpos neutralizam os vírus no trato respiratório.

A descoberta tem implicações para o design e distribuição de vacinas, incluindo tecnologias de aerossol e spray nasal que podem ajudar o corpo a evitar infeções antes que elas tenham a oportunidade de se instalar.



"As vacinas podem produzir esses anticorpos que estão presentes nos nossos pulmões, que são o primeiro tipo de anticorpo a ver vírus como a gripe ou COVID-19, que os infetam e assim como o trato respiratório", disse o principal autor do estudo, Matthew Miller, professor associado no Instituto Michael G. DeGroote de McMaster para Pesquisa de Doenças Infecciosas e no Global Nexus do Canadá para pandemias e ameaças biológicas. "Mecanismos que podem parar a infeção no local por onde ela entra no nosso corpo podem prevenir a propagação e complicações graves."



Em comparação, as vacinas injetáveis ​​são projetadas para reforçar os anticorpos no sangue, mas esses anticorpos não são tão prevalentes nos locais onde a infeção começa.

"Devemos pensar cuidadosamente sobre as vacinas COVID-19 de próxima geração que podem ser administradas no trato respiratório para estimular anticorpos. Não temos muitos candidatos agora que se concentram em aumentar a resposta da mucosa", disse Hannah Stacey, graduada aluna do Miller Lab e autora principal do artigo, que recentemente ganhou uma grande bolsa nacional da Canadian Society for Virology por seu trabalho no COVID-19.

Se quisermos abundancia desses anticorpos no sangue, as injeções fazem mais sentido, mas se desejarmos anticorpos que são abundantes no trato respiratório, então um spray ou aerossol faz mais sentido”, diz ela.



Os investigadores alertam que, embora o mecanismo de teia de aranha do corpo tenha o potencial de ser extremamente benéfico, ele também pode causar danos, incluindo inflamação e outras doenças quando a formação da teia é incontrolável.

Eles apontam para as primeiras ondas da pandemia, antes da vacinação, quando esses TNEs, ou armadilhas extracelulares de neutrófilos, foram encontrados nos pulmões de alguns pacientes e dificultaram a respiração.

"Uma resposta imunológica que visa protegê-lo pode acabar prejudicando você se não for controlada adequadamente", diz Miller. "É importante entender o equilíbrio do sistema imunológico. Se alguem tiver muitos desses anticorpos antes de ser infetado, eles provavelmente irão protegê-lo, mas se a própria infeção estimular muitos desses anticorpos, pode ser prejudicial."


Obrigatoriedade de vacinação não é o mais indicado, constata uma pesquisa



Referencia//Eurekalert

Sem comentários:

Enviar um comentário