domingo, 13 de junho de 2021

Obrigatoriedade de vacinação não é o mais indicado, constata uma pesquisa

Os governos devem obrigar seus cidadãos a se vacinarem? É uma questão mais pertinente do que nunca nesta pandemia de coronavírus, mas um novo estudo sugere que forçar as pessoas a receberem vacinas pode se tornar contraproducente.

A pesquisa analisou investigações realizadas por 2.653 residentes alemães durante a primeira e a segunda ondas da pandemia, analisando como as atitudes mudaram ao longo do tempo durante 2020. O governo alemão comprometeu-se a manter as vacinas voluntárias para sua população.



Vacinação
Photo//Susconeta


Cientistas de Stanford criam vacina, de nanopartículas, de dose única para COVID-19


Apesar das taxas de infeção serem 15 vezes maiores na Alemanha durante a segunda onda em outubro e novembro, os dados mostraram que a resistência às vacinações obrigatórias aumentou desde a primeira onda em abril e maio.

Os participantes foram questionados sobre a probabilidade de serem vacinados, com base no fato de as vacinações serem cumpridas por lei ou voluntárias. Durante as duas ondas, as pessoas eram mais propensas a querer ser vacinadas mesmo de não precisassem, mas a lacuna era maior na segunda vez.

"Erros dispendiosos podem ser evitados se os políticos refletirem cuidadosamente sobre os custos de aplicação", diz o economista Samuel Bowles, do Santa Fe Institute.



"Isso poderia não apenas aumentar a oposição à vacinação, mas também aumentar o conflito social, alienando ainda mais os cidadãos do governo ou das elites científicas e médicas."

Os investigadores também analisaram alguns dos fatores de previsão para concordar em ser vacinado, e a confiança nas instituições públicas foi um grande problema. As dúvidas sobre a eficácia das vacinas e a oposição às restrições à liberdade pessoal também estiveram intimamente ligadas.

Porém, há algo mais acontecendo também, sugere a equipe por trás do estudo, quando as vacinas são voluntárias, mais pessoas são persuadidas a tomá-las ao ver amigos e familiares sendo vacinados. Quando as vacinas são obrigatórias, esse efeito cascata é reduzido.



Esse efeito cascata é semelhante à disseminação de novas tecnologias, como TVs e máquinas de lavar quando foram introduzidas pela primeira vez, à medida que mais e mais pessoas as obtêm, mais e mais pessoas desejam o mesmo que outras que já estão aproveitando os benefícios.

Os investigadores também postulam que forçar as pessoas a receberem vacina tira sua capacidade de fazer bem (muito importante para convencer pessoas saudáveis ​​a se vacinarem), parece excessivamente controlador e reduz a confiança na vacina, porque se a vacina fosse segura e eficaz, por que a obrigatoriedade seria necessária?

"A forma como as pessoas se sentem sobre a vacinação será afetada pela aplicação da lei de duas maneiras, pode afastar os sentimentos pró-vacina e reduzir o efeito positivo do conformismo se a vacinação for voluntária", disse a psicóloga eeconomista comportamental Katrin Schmelz , da Universidade de Konstanz na Alemanha.

 

Vacina russa Sputnik V com eficácia de 92% na 3ª fase dos testes clínicos


Schmelz e Bowles reconhecem que as vacinas obrigatórias podem ter um papel importante em certos países e em certas situações, se as taxas de vacinação forem particularmente baixas, por exemplo, mas eles dizem que a abordagem deve ser usada com cautela.

Com países e organizações começando a introduzir diretrizes sobre vacinações para participar de eventos ou cursos, ou para viajar para lugares específicos, está se tornando mais importante do que nunca entender as várias razões que podem levar à hesitação da vacina.



As descobertas aqui podem ser úteis em qualquer cenário em que os líderes queiram mudar a opinião do povo, desde a promoção de estilos de vida com baixo teor de carbono até o aumento da tolerância entre as comunidades. Às vezes, uma abordagem mais suave é melhor.

"As nossas descobertas têm ampla aplicabilidade de política além do COVID-19 ", disse Schmelz . “Há muitos casos em que a conformidade voluntária do cidadão com uma política é essencial porque as capacidades de fiscalização do Estado são limitadas e porque os resultados podem depender da maneira como as próprias políticas alteram as crenças e preferências dos cidadãos”.



Como poderá funcionar uma vacina COVID-19 na realidade

 

A pesquisa foi publicada no PNAS.


Referencia//ScienceAlert

Sem comentários:

Enviar um comentário