quinta-feira, 17 de junho de 2021

Terra aquece de forma alarmante, devido ao desequilíbrio de energia

O clima da Terra depende do delicado equilíbrio entre a quantidade da energia radiativa do Sol absorvida na atmosfera e na superfície, e a quantidade radiação infravermelha térmica que o nosso planeta emite para o espaço.

O desequilíbrio energético da Terra quase dobrou durante o período de 14 anos, entre 2005 e 2019, de acordo com um novo estudo, com as implicações citadas pelos investigadores como profundamente preocupantes.


Aquecimento-global
Photo//Pixabay///madartzgraphics-



Fim do "La Niña", o fenómeno atmosférico que altera o clima em todo o mundo



O equilíbrio entre a quantidade de energia radiativa solar que é absorvida e a quantidade de radiação infravermelha térmica que a Terra emite para o espaço é o que determina o clima do nosso planeta.

O desequilíbrio de energia duplicou segundo o estudo, cujos resultados foram publicados em 15 de junho na Geophysical Research Letters, significa que o nosso planeta está aquecendo. Cientistas da NASA e NOAA uniram forças para comparar dados de duas medições independentes.

A NASA forneceu dados dos sensores dos satélites Clouds and the Earth's Radiant Energy System (CERES) para medir a quantidade de energia que entra e sai do sistema terrestre.



Uma série de flutuadores oceânicos, Argo, contribuiu para o estudo. O programa usa flutuadores de perfil para observar a temperatura, salinidade, correntes e propriedades biópticas nos oceanos, e está operacional desde o início dos anos 2000.

 O Argo ofereceu uma estimativa precisa das mudanças no conteúdo de calor dos oceanos do mundo. Este último é vital para o estudo, pois aproximadamente 90 por cento do excesso de energia do desequilíbrio de energia acaba no oceano.

"As duas formas muito independentes de olhar para as mudanças no desequilíbrio de energia da Terra estão em concordância, e ambas mostram essa tendência muito grande, o que nos dá muita confiança de que o que estamos vendo é um fenómeno real e não apenas um ato instrumental ", disse Norman Loeb, autor principal do estudo e investigador principal do CERES no Langley Research Center da NASA em Hampton, Virginia.



O especialista acrescentou que as tendências “foram bastante alarmantes em certo sentido”.

O desequilíbrio de energia da Terra, de acordo com especialistas, está sendo impulsionado por uma soma total de fatores. Trata-se do aumento das emissões de gases de efeito estufa, como dióxido de carbono e metano, como resultado da atividade humana. Este último retém o calor na atmosfera, capturando a radiação que sai. O aquecimento resultante posteriormente desencadeia outras mudanças, como o derretimento da neve e do gelo.

Enquanto eles procuravam apontar as principais razões para o desequilíbrio dobrado, um aumento nos gases de efeito estufa devido à atividade humana foi sugerido pelos cientistas como parcialmente culpado.



"É provável que seja uma mistura de forças antropogénicas e variabilidade interna. E durante este período ambos estão causando aquecimento, o que leva a uma mudança bastante grande no desequilíbrio de energia da Terra. A magnitude do aumento é sem precedentes", disse Loeb.

O estudo alertou que se a taxa de aumento de calor continuara ssim, maiores mudanças no clima devem ser esperadas.

Gregory Johnson, oceanógrafo físico do National Oceanic and Atmospheric Administration's Pacific Marine Environmental Laboratory em Seattle, Washington e co-autor do estudo, acrescentou:

"Observar a magnitude e as variações desse desequilíbrio de energia são vitais para entender as mudanças climáticas da Terra."


Em menos de 60 anos, o homem mudou um terço da superfície da Terra



Referencia//Sputnik News

Sem comentários:

Enviar um comentário