domingo, 2 de maio de 2021

As Victoria Falls, secaram no espaço de um ano

O planeta Terra tem mudado devido ao aquecimento. Aqui, examinamos os efeitos do aquecimento global nas Victoria Falls, uma das maravilhas naturais do mundo, e como a África Subsaariana está aprendendo a lidar com a crise climática.

Em pleno fluxo, Victoria Falls facilmente se qualifica como uma das maravilhas naturais do mundo. Medindo 1,7 km no seu ponto mais largo e com uma altura de mais de 100 m, os moradores se referem à maior queda de água da África como "a fumaça que troveja".


Victoria-falls
Photo//Reuters


Verificando os fatos: os oceanos ficarão sem peixes até 2048?


Esta característica surpreendente é formada quando o rio Zambeze mergulha num abismo chamado de First Gorge. O abismo foi escavado pela ação da água ao longo de uma zona natural de fratura na rocha vulcânica que compõe a paisagem desta região do sul da África.

Em 2019, no entanto, Victoria Falls praticamente secou.

Numa seca descrita como a pior dos últimos 100 anos, o fluxo do Zambeze foi reduzido a algumas “gotas” e as cataratas secaram.

Como uma das maiores atrações turísticas da região, as Victoria Falls são uma valiosa fonte de rendimento para o Zimbábue e a Zâmbia. À medida que a notícia da seca se espalhava, os comerciantes locais notaram uma queda visível no número de turistas.



Além de atingir as economias dos países, atingiu também o fornecimento de energia elétrica, que depende da geração hidrelétrica.

De forma mais ampla em toda a região, as agências relataram um aumento na necessidade de ajuda alimentar, uma vez que as culturas não sobreviveram á seca.

Um único evento climático extremo não pode, isoladamente, ser visto como uma consequência das mudanças climáticas.

Mas a região está registando uma sequência de secas extremas que refletem o que os cientistas do clima previram que ocorrerá como resultado de um aumento dos gases de efeito estufa, na atmosfera de todo o mundo, como resultado da atividade humana.

O presidente da Zâmbia, Edgar Lungu, chamou isso de "um lembrete gritante do que a mudança climática está fazendo ao nosso meio ambiente".


Primeira cidade flutuante do mundo vai salvar as Maldivas do aumento do nível do mar


Os observadores dos padrões climáticos na Bacia do Zambeze acreditam que a mudança climática está resultando num atraso na estação das monções, concentrando as chuvas em eventos maiores e mais intensos.

Isso dificulta o armazenamento da água na região e torna o impacto do prolongamento da estação seca mais prejudicial às pessoas e ao meio ambiente.

O relatório da ONU sobre o Estado do Clima na África em 2019 pintou um quadro preocupante para um continente que poderá ver sua população dobrar no próximo século.

Falando no lançamento do relatório em outubro de 2020, o secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial, Petteri Taalas, observou: ".A mudança climática está tendo um impacto crescente no continente africano, atingindo os mais vulneráveis ​​e contribuindo para a insegurança alimentar, deslocação da população e dificuldades nos recursos hídricos”.



"Nos últimos meses, vimos inundações devastadoras, uma invasão de gafanhotos do deserto e agora enfrentamos o espectro da seca por causa de um evento “La Niña."

O relatório acrescenta que 2019 foi um dos três anos mais quentes já registados no continente, e a tendência para aquecimento deve continuar.

O fato preocupante que os políticos, legisladores e a sociedade civil enfrentam é que o continente será o mais afetado pelas mudanças climáticas, mas a capacidade do continente de se adaptar às realidades de um mundo em aquecimento é baixa.

As áreas de preocupação incluem abastecimento de água, saúde, segurança alimentar, secas e inundações, biodiversidade. É uma lista de preocupações que não para de crescer.

A África está na linha de frente da batalha contra as perigosas mudanças climáticas.


A humanidade está condenada, afirmam os cientistas



Referencia//BBC News

Sem comentários:

Publicar um comentário