sexta-feira, 21 de maio de 2021

Será o Sol um planeta frio, que pode ser habitado?

Desde sempre, fomos levados a acreditar que a Terra está numa "posição privilegiada" e portanto capaz de sustentar a vida. No entanto pesquisas científicas controversas sugerem que o Sol poderia realmente ser um planeta habitado. Muitas teorias afirmam que o Sol é realmente frio.

Mas, é possível que o Sol seja realmente um planeta e também seja habitado?

Muitas teorias foram formuladas em torno dessa crença. No entanto que esta afirmação, formulada por cientistas ela muda totalmente o quadro.




Sol-frio
Photo//Gnosis Online


Objeto enorme, próximo do Sol, fotografado pela sonda espacial SDO


Sempre nos disseram que se estivéssemos mais perto do Sol a temperatura da Terra seria muito quente e se estivesse mais longe seria muito frio. Em qualquer dos casos os excessos da temperatura não permitiria a existência de vida na Terra.

Mas e se todas essas afirmações estiverem erradas e a realidade for totalmente diferente?

Quando as agências espaciais "afirmam" saber algo, e no final das contas isso não é verdade. Suas supostas descobertas também são teorias e não há maneira de confirmá-las em primeira mão. Além disso eles esforçam-se para espalhar a mensagem como um "fato".

Um exemplo disso pode ser encontrado na suposta temperatura em frente ao Sol. De acordo com a NASA é de 122 graus. Então como há gelo nas calotas polares de Mercúrio? Devido à sua proximidade com o Sol a temperatura de Mercúrio deve exceder 400 graus.

Obviamente isso não faz sentido...a menos que..




O sol não está quente?

Existem membros da comunidade científica que não são regidos pelos parâmetros estabelecidos, e que realizaram suas próprias pesquisas e chegaram às suas próprias conclusões.

Na verdade, vários concordam que o Sol não é uma estrela e na verdade é uma Usina Eletromagnética de Energia Fria de Ponto Zero que não gera calor.

Essa hipótese sugere que a temperatura da Terra é uma consequência dos raios dessa usina atravessando a atmosfera. Em suma a temperatura é gerada pela própria atmosfera quando é atravessada pela sua radiação.

O engenheiro salvadorenho Isaías Araujo publicou em 1937 a "Teoria Eletromagnética do Sol Frio: Análise de uma Nova Estrutura do Universo".

 



Essa sua hipótese sugere que o Sol não emite luz por ser uma estrela fria. A luz do dia é artificial elétrica. Esta é a única maneira de explicar sua cor branca brilhante sua clareza força de penetração e a ordem de decomposição de seu espectro.

Da mesma forma o poder de penetração dos raios de luz incluindo raios infravermelhos e ultravioleta não pode ser atribuído a um Sol em chamas. Portanto sabemos que a luz solar não é própria para a combustão ela é eletromagnética.

Sabendo disso a localização de um planeta não teria relevância para a criação das condições propícias à vida. Se o Sol é uma planta eletromagnético é lógico pensar que ele envia a mesma quantidade de energia para cada planeta.

A névoa de Plutão é uma das bases em que se apoia a teoria de que é um planeta vivo.


O dia em que o “Sol Parou”, a lenda Asteca também documentada na Bíblia


Clima estranho de Plutão

Outra voz científica sobre o assunto é Alan Stern, um cientista planetário e principal investigador durante a missão Novos Horizontes da NASA que visava explorar Plutão.

Quando o especialista comentou sobre as últimas imagens conseguidas pela sonda espacial ele disse “este mundo está vivo. Tem clima, névoas na atmosfera geologia ativa."

Essas declarações contradizem totalmente o que fomos levados a acreditar por décadas sobre Plutão que era um mundo morto e congelado.

As imagens mais recentes de Plutão ao pôr-do-sol mostram uma névoa espessa em diferentes camadas.

Após uma análise detalhada, os cientistas da missão encontraram semelhanças impressionantes com o ciclo climático diurno da Terra.

Plutão está a 5.900 milhões de quilómetros do sol. Se a dinâmica do Sistema Solar for como nos foi dito este planeta anão nunca poderia ter um clima semelhante ao da Terra.



 

Evidência de vida no Universo

 

Durante os últimos anos vimos um grande número de descobertas que mostram que a vida não é criada apenas na Terra.

O Instituto de Pesquisa Espacial da Academia Russa de Ciências publicou, 30 anos depois, as informações coletadas pelas sondas Venera, soviéticas, que destacam uma série de imagens únicas, de supostos seres vivos em Vênus.

Da mesma forma e apesar de terem sido silenciados de uma forma ou de outra, diversos cientistas denunciaram que as imagens enviadas pelas sondas Viking 1 e 2, durante o programa Mars Pathfinder, foram manipuladas.

As fotos não mostram as verdadeiras cores de Marte. Na verdade imagens posteriores mostram que a superfície é idêntica aos desertos terrestres.

Isso significa que a distância de um planeta em relação ao Sol não tem nada a ver com a criação da vida. Se levarmos em conta que ele não emite luz por ser uma estrela fria e que cada planeta recebe a mesma quantidade de energia qualquer um poderia até ter civilizações.

Na verdade acredita-se que a maioria das imagens do Sol que a NASA e outras agências espaciais têm mostrado ao público nada mais são do que simples recriações de computador.



A Teoria do Sol Frio

Sir William Herschel, foi um astrónomo alemão-britânico que descobriu em 1787 Urano e em suas duas luas, Titânia e Obrerón, mais de 2.500 galáxias e 90.000 estrelas. Além disso ele acreditava que o Sol nunca ficava parado e que se movia no espaço em direção à constelação de Hércules.

Essa eminência da astronomia sugeria que o Sol poderia ser habitado. Ele também mencionou que seus habitantes não sofriam mais com o calor intenso do que os que vivem em países tropicais da Terra. Ele explicou que o Sol é um corpo frio e não uma massa ígnea.

O astrónomo G. de Vaux em 1859 e o engenheiro A. Dard em 1939 propuseram a teoria do sol frio. Essas hipóteses baseavam-se no fato de que, ao deixar a atmosfera terrestre há apenas escuridão e frio intenso.



Se o Sol fosse uma massa ígnea que aquece a Terra a lógica seria que ao deixar o globo a luz e o calor solar seriam abrasadores.

Isso leva a pensar que o Sol é uma estrela fria. Uma enorme fonte magnética que transporta energia para todos os lugares. Essa energia não emite luz nem calor, mas ao encontrar um planeta geraria atrito suficiente para se transformar em eletricidade gerando luz e calor.

Os mistérios do nosso mundo são incalculáveis ​​e o pior é que nem todos são capazes de desvendá-los. A maioria de nós tem que se submeter a informações de terceiros. No entanto existem essas vozes alternativas que nos dão uma visão diferente.


Solar Orbiter fotografa objeto gigante perto do Sol



Referencia//UfoSpain

2 comentários:

  1. Olha... se olharmos por essa perspectiva não seria errada, por os satélites artificiais não sofrem com o calor e nem a estação espacial. Se o sol emitisse calor a estação não precisaria ser aquecida artificialmente. Hipóteses a serem levantadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, muita coisa não faz sentido da maneira como nos ensinaram. Esta é uma delas, Obrigado por comentar.

      Eliminar