domingo, 23 de maio de 2021

Quanto tempo resta para a humanidade

O desafio social mais vital é estender a longevidade da humanidade. Numa palestra recente para ex-alunos de Harvard, perguntaram ao palestrante Avi Loeb durante mais quanto tempo ele esperava que nossa civilização tecnológica sobreviva. A sua resposta foi baseada no fato de que geralmente nos encontramos na parte intermediária de nossas vidas, como argumentado originalmente por Richard Gott. 

A possibilidade de ser bebé no primeiro dia após o nascimento é dezenas de milhares de vezes menor do que de ser adulto. É igualmente improvável que viva apenas um século após o início de nossa era tecnológica, se essa fase for durar milhões de anos no futuro. No caso mais provável de estarmos atualmente testemunhando a idade adulta de nossa vida tecnológica, provavelmente sobreviveremos alguns séculos, mas não muito mais. 

Há uma esperança. Envolve a possibilidade de possuirmos livre arbítrio e podermos responder às condições deteriorantes promovendo um futuro mais além do que alguns séculos. Políticas públicas sensatas poderiam mitigar o risco de catástrofes tecnológicas associadas às mudanças climáticas, pandemias autoinfligidas ou guerras.



Apocalipse-Terra
Photo//Pixabay//urikyo33


A humanidade está condenada, afirmam os cientistas


Não é certo se nossos governantes irão realmente responder aos desafios que temos pela frente e nos salvar do veredicto estatístico acima. Os humanos não são bons em lidar com riscos que nunca encontraram antes, como é exemplificado pelas políticas de mudança climática.

Isso nos traz de volta à visão fatalista. O modelo padrão da física presume que todos somos feitos de partículas elementares sem constituintes adicionais. Como tais sistemas compostos, não possuímos liberdade a um nível fundamental, porque todas as partículas e suas interações seguem as leis da física. Dada essa perspetiva, o que interpretamos como "livre arbítrio" apenas encapsula as incertezas associadas ao complexo conjunto de circunstâncias que afetam as ações humanas. Essas incertezas são substanciais na escala de um indivíduo, mas são médias quando se trata de uma grande amostra. Os humanos e suas complexas interações fogem de um senso de previsibilidade no nível pessoal, mas talvez o destino de nossa civilização, como um todo, seja moldado pelo nosso passado num sentido estatístico inevitável.



A previsão de quanto tempo nos resta no nosso futuro tecnológico poderia então resultar de informações estatísticas sobre o destino de civilizações como a nossa, que nos antecederam e viveram sob restrições físicas semelhantes. A maioria das estrelas formaram-se biliões de anos antes do sol e pode ter fomentado civilizações tecnológicas nos seus planetas habitáveis ​​que já não existem. Se tivéssemos dados históricos sobre o tempo de vida de um grande número deles, poderíamos ter calculado a probabilidade de nossa civilização sobreviver por diferentes períodos de tempo.

 A abordagem seria semelhante a calibrar a probabilidade de um átomo radioativo decair com base no comportamento documentado de vários outros átomos do mesmo tipo. Em princípio, poderíamos coletar dados relacionados envolvendo-se em arqueologia espacial e procurarmos vestígios de civilizações tecnológicas mortas. Isso presumiria que o destino de nossa civilização é ditado pelas restrições físicas.


O ser humano teria sido criado geneticamente por extraterrestres?



Mas, uma vez confrontado com a distribuição de probabilidade de sobrevivência, o espírito humano pode escolher desafiar todas as probabilidades. Por exemplo, nossa probabilidade de sobrevivência pode melhorar se algumas pessoas decidirem sair da Terra. Aventurar-se no espaço oferece a vantagem de preservar nossa civilização de um desastre num único planeta. Embora a Terra seja um lar confortável no momento, seremos forçados a nos mudar porque o sol irá ferver toda a água líquida da superfície de nosso planeta dentro de um bilião de anos.

Claro, até mesmo uma viagem de curta distância da Terra a Marte tem muitos riscos para a saúde, raios cósmicos, partículas solares energéticas, radiação ultravioleta, falta de uma atmosfera respirável e baixa gravidade. Superar estes desafios e se estabelecer em Marte também melhorará nossa capacidade de reconhecer planetas terra-formados perto de outras estrelas com base em nossa própria experiência.

Antes de nos rendermos a essa premissa, devemos reconhecer que atender estritamente a objetivos mundanos não nos fornecerá o conjunto mais amplo de habilidades necessárias para nos adaptarmos às novas circunstâncias no longo prazo.



É verdade que devemos focar nossa atenção imediata nos problemas locais, mas também precisamos de inspiração que eleve nossa perspetiva a uma escala maior e abra novos horizontes. Estreitar nosso campo de visão nos leva a conflitos porque amplifica nossas diferenças e recursos limitados. Em vez disso, uma perspetiva mais ampla promove a cooperação em resposta aos desafios globais. E não há melhor ajuste para tal perspetiva do que a ciência. O “ jogo de soma infinita ” que pode estender a longevidade da humanidade. Como observou Oscar Wilde. “Estamos todos no mau caminho, mas alguns de nós estão olhando para as estrelas”. E esperemos que muitos mais o façam. A inspiração obtida com essa visão pode nos levar muito além da previsão estatística que impulsiona a alternativa fatalista.


Dez ameaças á sobrevivência da humanidade


Referencia//LiveScience

Sem comentários:

Enviar um comentário