terça-feira, 18 de maio de 2021

Nova tecnologia transforma resíduos plásticos em combustível para aviação

Investigadores da Washington State University (WSU) desenvolveram uma nova tecnologia que converte resíduos de plástico em combustível de aviação em apenas uma hora, num método económico para reciclar resíduos de plástico para alimentar aeronaves. Suas descobertas foram publicadas na revista Chem Catalysis .

No seu estudo, a equipe da WSU descreveu seu método para converter 90% do plástico em combustível de aviação e outros produtos de hidrocarbonetos valiosos em temperaturas moderadas num período de 60 minutos. Os investigadores acreditam que o seu novo processo pode adicionar um incentivo financeiro muito necessário para iniciativas de reciclagem de plástico em todo o mundo.



Combustivel-avião
Photo//Vix

Cientistas constroem motor que pode impulsionar um avião a 17 vezes a velocidade do som.


O problema dos resíduos de plástico é, sob todos os aspetos, uma crise global. 10 milhões de toneladas de resíduos plásticos acabam no mar todos os anos de acordo com o  Fórum Económico Mundial . Grande parte disso acaba no maciço Pacific Garbage Patch, que está crescendo a uma taxa exponencial,  apesar dos melhores esforços de iniciativas como  o Ocean Voyages Institute , o OceanCleanup Project e novos conceitos como a recolha de plástico.

Embora lidar com o problema global de resíduos seja imperativo, há um problema quando se trata de incentivar iniciativas de reciclagem em escala global.



Um dos principais problemas enfrentados pela máquina da indústria de reciclagem de plástico é o fato de que a maioria dos métodos de reciclagem mecânica de plástico derrete o plástico e o reformata para fazer um novo produto. Esse processo diminui o valor económico e a qualidade do plástico recuperado, fazendo com que não haja um grande incentivo financeiro atrasando a reciclagem do plástico em todo o mundo.

Embora a reciclagem química produza produtos de qualidade superior, é um processo muito caro e longo para adoção em larga escala. 



Numa tentativa de resolver esse problema, os investigadores da WSU desenvolveram um processo catalítico proprietário que transforma com eficiência o polietileno, o plástico mais comum, usado em todo o mundo, em combustível para aviação, bem como em lubrificantes de alto valor.

Para seu método, os investigadores usaram rutênio no catalisador de carbono ao lado de um solvente normalmente usado. O processo foi capaz de converter aproximadamente 90 por cento do plástico em combustível de aviação a uma temperatura relativamente baixa de 428 graus Fahrenheit (220 graus Celsius), o que significa que deveria ser mais fácil entrar na comercialização.


Virgin Galactic avança com projeto para um avião supersónico de passageiros


"O custo da reciclagem é fundamental", explicou Hongfei Lin, co-líder do estudo e professor associado da WSU, em um comunicado à imprensa. "Este trabalho é um marco para nós avançarmos com essa nova tecnologia para a comercialização."

Os investigadores também explicaram que o seu processo pode ser ajustado para desenvolver diferentes produtos de acordo com a procura, o que significa que pode ser amplamente utilizado para uma ampla gama de requisitos.

O novo método revolve dois problemas de uma só vez, pois enfrentaria o problema dos resíduos plásticos ao mesmo tempo que forneceria uma nova fonte de combustível, baixando a dependência dos combustíveis fósseis. Uma outra proposta de investigadores norte-americanos recomendava a utilização de dejetos humanos recolhidos a bordo aeronaves para combustível.



Além do mais, a abordagem dos investigadores da WSU também forneceria um incentivo financeiro adicional para a reciclagem global de plástico, como os investigadores apontaram, apenas 9 por cento dos resíduos de plástico são reciclados nos Estados Unidos por ano.

Dependendo do mercado, eles podem ajustar o produto que desejam gerar”, disse Lin. "Eles têm flexibilidade. A aplicação desse processo eficiente pode fornecer uma abordagem promissora para a produção seletiva de produtos de alto valor a partir de resíduos de polietileno."

Os investigadores disseram que seu próximo objetivo é dimensionar seu processo para que possa ser comercializado no futuro. Eles também pretendem fazer experiências com outros plásticos para permitir que seu processo resolva ainda mais os resíduos de plástico do mundo.


Airbus aposta em aeronaves movidas a hidrogénio e zero emissões


Referencia//InterestingEngineering

Sem comentários:

Enviar um comentário