quinta-feira, 13 de maio de 2021

Em menos de 60 anos, o homem mudou um terço da superfície da Terra

Um terço da superfície global da terra, ou 43 milhões de quilómetros quadrados, foi sujeito a alterações desde 1960 a 2019, impulsionado pela expansão da agricultura e pecuária, mostra um novo estudo. Isso significa que, em média, uma área de terra com cerca de duas vezes o tamanho da Alemanha (720.000 quilómetros quadrados) foi alterada por ano desde 1960.

A mudança no uso da terra” refere-se às maneiras pelas quais os humanos alteram a paisagem natural. Isso pode ser destruição permanente, como expansão urbana, ou apenas temporária. Algumas mudanças, como restauração ou regeneração florestal, podem tentar reparar os danos anteriores. No geral, é um fenómeno generalizado, demonstraram estudos anteriores.



Desmatamento
Photo//BritannicaEscola


A Terra poderá passar por uma mini idade do gelo


A utilização da terra é geralmente medida com recurso a imagens de satélite de alta resolução e por levantamentos estatísticos em grande escala. Mas cada método tem suas próprias deficiências ao avaliar as mudanças no uso da terra. Os satélites podem capturar o uso da terra em grande detalhe, mas seus registos remontam apenas algumas décadas, enquanto os métodos estatísticos retrocedem mais no tempo.

Até agora, pouco foi feito para combinar as duas abordagens. Karina Winkler, geógrafa física da Wageningen University & Research na Holanda, e seus colegas reuniram mais de 20 produtos do uso da terra de satélite e pesquisas de longo prazo. O conjunto dos dados resultante encontrou mudanças no uso da terra com uma resolução de 1 km.



Mas nem todas as mudanças no uso da terra são permanentes. Portanto, em vez de olhar para as mudanças “líquidas” que apenas capturam a transformação geral de uma área, o conjunto de dados captura lugares onde o uso da terra mudou várias vezes, como a rotação entre terras agrícolas e pastagens. Quando isso é adicionado, a extensão da mudança no uso da terra é realmente enorme.

O mapa abaixo, feito pelos investigadores, mostra onde os eventos de mudança única (sombreado amarelo) e de mudança múltipla (vermelho) estão ocorrendo ao redor do mundo. Ocorrências de eventos de mudança múltipla são dominantes na Europa, Índia e Estados Unidos, enquanto eventos de mudança única são generalizados na América do Sul, China e sudeste da Ásia.



Mapa-de-uso-da-terra
Imagem//Os autores do estudo

As Victoria Falls, secaram no espaço de um ano


Para seu estudo, Winkler e sua equipe estabeleceram seis categorias de uso da terra, seguindo as definições usadas pela Organização para Agricultura e Alimentação (FAO). Áreas urbanas, terras cultiváveis, pastagens, pastagens não manejadas, florestas e terras com vegetação esparsa. Padrões notáveis ​​surgem, quando observamos quais tipos de mudança e onde estão ocorrendo.

Por exemplo, cerca de metade dos eventos de mudança única (ou quase 20% das mudanças totais) acontecem por causa da expansão agrícola, como o desmatamento. E 86% dos eventos de mudanças múltiplas estão relacionados à agricultura, ocorrendo predominantemente no norte global e em economias selecionadas de rápido crescimento.




Em média global, a mudança no uso da terra aumentou de forma constante durante quase meio século. Mas, em 2005, houve uma “mudança bastante abrupta”. Nessa tendência e as mudanças no uso da terra começaram a desacelerar em todo o mundo, descobriram os autores. Isso é mais evidente na África, América do Sul e regiões subtropicais e trópicas e está relacionado ao desenvolvimento do mercado.

Quase um quarto do total de emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem entre 2007 e 2016 foram devido à agricultura, silvicultura e outros usos da terra, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas ( IPCC ). Isso fica atrás apenas da produção de eletricidade e calor como o segundo maior contribuinte mundial para as emissões globais.

Mas, se conservada adequadamente, a terra pode realmente ajudar a reduzir as emissões, agindo como um absorvente de gases de efeito estufa, por exemplo, com o carbono absorvido pelas florestas. O equilíbrio de fontes e sumidouros por meio da mudança no uso da terra, afirma o IPCC, é uma “fonte-chave de incerteza” ao se considerar o futuro do ciclo do carbono da terra.

 

O estudo foi publicado na revista Nature Communications.


Primeira cidade flutuante do mundo vai salvar as Maldivas do aumento do nível do mar


Referencia//ZME Science


Sem comentários:

Enviar um comentário