sexta-feira, 30 de abril de 2021

Verificando os fatos: os oceanos ficarão sem peixes até 2048?

Seaspiracy , o documentário da Netflix estreado em março de 2021 que expõe o lado negro da indústria pesqueira, causou muita polêmica desde seu lançamento. Uma das afirmações mais dramáticas do filme é que, devido à sobre pesca, todos os peixes do mar terão desaparecido em 2048.

Para verificar este fato, foi perguntado a 8 especialistas em ciências pesqueiras, ciências marinhas e ecologia, se os oceanos estarão vazios de peixes em 2048? Dos oito, sete responderam ser extremamente improvável.



Sobre-pesca
Photo//Fish Forward


Primeira cidade flutuante do mundo vai salvar as Maldivas do aumento do nível do mar


Mas afinal de onde veio a previsão de 2048?

Ali Tabrizi, diretor e narrador do Seaspiracy , diz no documentário que "se as tendências atuais da pesca continuarem, veremos oceanos praticamente vazios até o ano 2048". Essa afirmação foi repetida em muitos artigos de notícias e blogs desde que foi feita em 2006, mas de onde vem?

Um artigo científico publicado na Science por Boris Worm e colegas em 2006, que analisou o declínio das populações e espécies marinhas. Eles descobriram que a perda da biodiversidade marinha tem efeitos importantes no ecossistema.

Numa frase no parágrafo final, eles também disseram que "a tendência atual é de grande preocupação porque projeta o colapso global de todos os peixes atualmente pescados em meados do século 21".



O Dr. Michael Melnychuk, especialista em ciências pesqueiras da Universidade de Washington, destaca alguns dos problemas da previsão de 2006. Ele diz que "as definições de 'colapso' pelos autores são baseadas em dados de captura, mas estes não refletem necessariamente a abundância das populações de peixes".

Ele também destaca que o método usado pelos autores para extrapolar os dados para o futuro não era realista.

O Dr. Robert Steneck, especialista em oceanografia da Maine University, destaca que "três anos após a publicação inicial “Worm et al 2009”  (também publicado na Science ) apontou que muitos stocks de peixes estão se reconstruindo globalmente".

Desde 2006, os autores também tentaram enfatizar as conclusões mais amplas de suas descobertas, em vez dessa previsão.

Também houve numerosas publicações científicas criticando fortemente a previsão de 2048 pelas razões destacadas pelo Dr. Melnychuk, mas infelizmente esta afirmação permaneceu.


A humanidade está condenada, afirmam os cientistas


O Dr. Melnychuk destaca uma razão final pela qual a previsão de 2048 é imprecisa, ela "assume que não poderemos fazer nada e essas tendências continuarão indefinidamente".

O Seapiracy afirmou que os oceanos estarão vazios de peixes em 2048, embora esta previsão tenha sido fortemente refutada por mais de 10 anos. Outras afirmações polêmicas semelhantes foram feitas ao longo do filme, a fim de expor o lado mais sombrio da indústria pesqueira e sugerir que a única maneira de salvar os oceanos é parar de pescar por completo.

Alguns dos especialistas acreditam que essa imagem excessivamente negativa da indústria pesqueira pode fazer mais mal do que bem aos oceanos.

O Dr. Alec Christie, um especialista em biologia marinha da Universidade de Cambridge, diz que "a maneira como este filme usou dados de artigos científicos foi um bom exemplo de práticas de pesquisa questionáveis, seleção seletiva e injustificável e extrapolando dados opacos além dos limites do estudo. "



O Dr. Holden Harris, especialista em Ciências da Pesca da Universidade da Flórida, acrescenta  que o Seaspiracy omitiu algumas das conquistas da pesca sustentável.

A supervisão conveniente de não incluir as muitas, muitas histórias de sucesso de boa gestão guiada pela ciência e pela comunidade (por exemplo, a pesca nos Estados Unidos) fornece uma visão extremista da questão”, disse Harris.

"Eu também conheço pessoalmente alguns dos entrevistados do filme, que passaram sua vida trabalhando na conservação dos oceanos e não merecem a falsa luz lançada sobre eles. Não é assim que o progresso é feito."

No entanto, nem todos os especialistas concordam que as imprecisões do Seaspiracy significam que ele faz mais mal do que bem. O Dr. Simon Allen, um especialista em ciências marinhas da Universidade de Bristol, aponta que "no final, goste ou não goste, o Seaspiracy deixa algumas questões no ar".



A pesca excessiva é um problema?

Todos os especialistas concordaram com uma afirmação feita pela Seaspiracy, a sobre pesca é um problema sério.

O Dr. Harris diz que "hoje, é provável que 1/3 dos stocks de peixes do mundo estejam super explorados ou esgotados. Este é certamente um problema que merece uma preocupação generalizada."

O Dr. Allen acrescenta que "a sobre pesca ainda é o maior problema no alto mar global".

A opinião final do Dr. Christie sobre o Seaspiracy  é que  "todos concordamos que sua mensagem sobre os danos ecológicos da pesca industrial é uma questão urgente, mas precisamos apresentar fatos, não ficção, e nos unir, construir consenso e usar argumentos racionais para convencer as pessoas a mudança."

É improvável que os oceanos estejam vazios de peixes em 2048. Embora os especialistas discordem sobre a eficácia do documentário Seaspiracy para ajudar a proteger os oceanos, todos eles concordaram que a sobre pesca é uma questão importante.


Como a migração da Corrente do Golfo interfere com o aquecimento do oceano


Referencia//ScienceAlert


Sem comentários:

Publicar um comentário