quarta-feira, 21 de abril de 2021

Tecnologia “LiDAR” permite a descoberta de uma nova pirâmide maia

A pesquisa atual é patrocinada pela PACUNAM LiDAR Initiative, que usou tecnologia revolucionária em 2018 para remover digitalmente a copa das árvores de imagens aéreas para revelar as vastas ruínas de uma complexa civilização pré-colombiana mais interconectada do que os estudiosos maias haviam suposto anteriormente.

O que parecia ser apenas mais uma colina se elevando na paisagem da antiga cidade-estado maia de Tikal, no que hoje é o norte da Guatemala, revelou-se um monumento antigo, de acordo com Edwin Román Ramírez, arqueólogo da Fundação para a Cultura Maia e Patrimônio Natural (PACUNAM).



Ruinas-de-Tikal
Photo//Quandoir.pt


Cinco principais motivos que podem ter levado ao fim da civilização Maia


Ramírez anunciou a descoberta numa conferência de imprensa organizada pelo PACUNAM e pelo Instituto de Antropologia e História da Guatemala em 8 de abril de 2021.

Surpreendentemente, a descoberta foi feita dentro de um dos sítios arqueológicos mais extensivamente escavados na Terra, quando os arqueólogos ampliaram uma imagem aérea do monte em 2018 usando um equipamento de varredura a laser chamado "Light Detection And Ranging", LiDAR.

Em 2018, a tecnologia revolucionária permitiu que os estudiosos embarcassem num "grande avanço" depois que as ruínas de mais de 60.000 casas e palácios terem sido descobertas, após séculos escondidas nas selvas do norte da Guatemala.






O laser revelou a forma de uma estrutura feita pelo homem, uma pirâmide, escondida sob varias camadas de sedimentos acumulados durante séculos. Além disso, descobriu-se que fazia parte de um layout antigo que também incluía um grande pátio fechado com edifícios menores á volta.

Não foi apenas esta descoberta que surpreendeu os especialistas, mas também o fato de serem bem diferentes de quaisquer outros encontrados em Tikal. O complexo descoberto lembrava a cidadela de Teotihuacan, localizada a mais de 600 milhas de distância, onde hoje é a Cidade do México.

A semelhança dos detalhes era impressionante”, disse o arqueólogo da Universidade Brown, Stephen Houston, que fez parte da equipe que notou pela primeira vez as características marcantes, segundo a Science Magazine.



Usando as imagens LiDAR, Edwin Román-Ramírez, diretor do Projeto Arqueológico de South Tikal, lançou uma série de escavações no verão de 2020.

Os artefatos descobertos pela equipa variam, desde armas ao estilo de Teotihuacan, algumas feitas de obsidiana verde do México central, a queimadores de incenso e esculturas do deus da chuva de Teotihuacan. Um local com oferendas no estilo Teotihuacan na pirâmide ofereceu mais pistas reveladoras da finalidade do local.

As cerâmicas descobertas dentro da pirâmide datam de cerca de 300 DC, quase 100 anos antes de se estimar que Teotihuacan invadiu Tikal, em 378 DC



De acordo com as inscrições maias, o rei de Teotihuacan enviou um general para derrubar o rei de Tikal e colocou seu filho como novo governante.

Não podemos dizer com certeza que as pessoas que construíram isso eram de Teotihuacan. Mas eles certamente eram pessoas que estavam muito familiarizadas com sua cultura e tradições ”, afirmou Román Ramírez.


Da Diplomacia à Violência

A questão que os arqueólogos enfrentaram imediatamente após a descoberta foi o mistério intrigante de por que um enclave de Teotihuacan estava localizado no coração de uma capital maia.

“Sabíamos que os Teotihuacanos tinham pelo menos alguma presença e influência em Tikal e nas áreas maias próximas antes do ano 378. Mas não estava esclarecido se os maias estavam apenas emulando aspetos do reino mais poderoso da região. Agora há evidências de que a relação era muito mais do que isso ”, disse Román-Ramírez.

Imagem.tecnologia-LIDAR
Photo//CANUTO & AULD-THOMAS / PACUNAM


Os Maias usavam um sistema de filtragem de água que ainda hoje é usado


Enquanto isso, uma equipa liderada por Nawa Sugiyama, um arqueólogo da Universidade da Califórnia, em Riverside, descobriu um composto de elite maia com murais destruídos e enterrados em Teotihuacan. A natureza luxuosa das descobertas sugere que os residentes podem ter sido nobres ou diplomatas. Perto dali, foi encontrado um poço cheio de esqueletos humanos despedaçados.

De acordo com os arqueólogos, a descoberta do que é conhecido como "imagens-espelho" sugere a possibilidade de que embaixadas com diplomatas tivessem existido nas duas cidades antes da invasão, com algum incidente que desencadeou uma mudança da diplomacia para a violência.

Embora a datação por radiocarbono da estrutura de Tikal tenha sido adiada devido à pandemia de coronavírus, bem como uma análise isotópica pendente de ossos encontrados numa câmara mortuária. Os estudos adicionais podem oferecer evidências mais conclusivas sobre onde o falecido viveu em diferentes momentos durante sua vida.



“… O que descobrimos sugere que, por mais de um século, pessoas que estavam pelo menos muito familiarizadas com a cultura e as tradições de Teotihuacan, viviam lá na sua própria colônia, um setor distinto em identidade e praticando a religião de Teotihuacan”, disse Román- Ramírez.

As novas descobertas foram saudadas por especialistas como possivelmente detendo a chave para resolver o enigma do que deu errado na relação entre Teotihuacan e Tikal que fez com que o primeiro assumisse o controlo do seu antigo aliado.

Claramente, estamos focando em algumas reviravoltas realmente importantes na história de Maya-Teotihuacan, e um dos grandes mistérios da América Central está mais perto de ser resolvido”, disse Francisco Estrada-Belli, arqueólogo da Tulane University .


Descoberta a provável razão que levou á extinção dos Maias


Referencia//SputnikNews



Sem comentários:

Enviar um comentário