quarta-feira, 28 de abril de 2021

Primeira cidade flutuante do mundo vai salvar as Maldivas do aumento do nível do mar

Em vez de refugiados do clima, os Maldivanos podem se tornar inovadores do clima usando a engenharia para permanecer acima da superfície.

Diante da realidade da mudança climática, as Maldivas vão construir a primeira cidade-ilha verdadeiramente flutuante do mundo, apropriadamente chamada de Maldivas Floating City (MFC), de acordo com um comunicado à imprensa.



Maldivas-floating-city

Photo//Maldivas-floating-city


Como a migração da Corrente do Golfo interfere com o aquecimento do oceano


O governo das Maldivas, uma república insular no norte do oceano Índico que tem "o terreno mais baixo de qualquer país do mundo", revelou os planos para a MFC no mês passado. Esta é uma notícia crucial para as Maldivas, pois permitirá ao país mitigar os efeitos das mudanças climáticas e da subida do nível do mar.



Quando a situação é analisada, verifica-se que está ficando complicada para este país. Alguns estudos preveem que essas ilhas baixas podem se tornar inabitáveis ​​em 2050 e é certo que as Maldivas serão algumas das primeiras a desaparecer devido ao aumento do nível do mar.



Maldivas-floating-city
Photo//Maldivas-floating-city

Um terço da plataforma de gelo da Antártica corre o risco de colapso


A Cidade Flutuante das Maldivas, projetada pela holandesa Dutch Docklands, será construída numa lagoa com uma série de labirintos hexagonais que visam ter a aparência de coral, oferecendo milhares de residências à beira-mar, a partir de US $ 250.000 por cerca de 92,9 metros quadrados.




O sistema de linhas flutuantes será fixado a um anel de ilhas que formam a base e a uma parede de quebra-mar estabilizadora. Com alguma engenharia, as barreiras da ilha ao redor da lagoa funcionarão como reforços por baixo da MFC enquanto a cidade flutua por cima. “Esta configuração engenhosa diminui o impacto das ondas da lagoa ao mesmo tempo que estabiliza as estruturas e complexos da superfície”, explica o comunicado.





O complexo flutuante incluirá residências, lojas, hospitais, escolas, instalações recreativas e espaços públicos. O início da construção está previsto para 2022.

"O MFC não exige nenhuma recuperação de terras, portanto, tem um impacto mínimo sobre os recifes de coral", diz Mohamed Nasheed , que foi presidente das Maldivas entre 2008 e 2012, por Travel Weekly . "Além disso serão “plantados”, novos recifes gigantes, para atuar como disjuntores de água. A nossa adaptação às mudanças climáticas não deve destruir a natureza, mas trabalhar com ela, como propõe o MFC. Nas Maldivas, não podemos parar as ondas, mas podemos subir com elas. "


Porquê o nível do mar está subindo 4 vezes mais rápido que previsto?


Referencia//InterestingEngineering


Sem comentários:

Enviar um comentário