sexta-feira, 2 de abril de 2021

Há outra pandemia mais perigosa, que mata 8,7 milhões de pessoas por ano

Enquanto todo o mundo estava preocupado com a Covid-19, a poluição do ar matou cerca de três vezes mais pessoas do que a pandemia. Temos que combater a crise climática com a mesma urgência com que enfrentamos o coronavírus

Segundo as estatísticas cerca de 2,8 milhões de pessoas morreram de Covid-19 nos últimos 15 meses. Mais ou menos no mesmo período, mais de três vezes mais pessoas morreram de poluição do ar. Isso deve perturbar-nos por duas razões. Primeiro é o número absoluto de mortes por poluição do ar, 8,7 milhões por ano, de acordo com um estudo recente, e segundo é que essas mortes são invisíveis, são aceites, e são inquestionáveis. O coronavírus era uma ameaça nova e assustadora, que tornava seus perigos algo que grande parte do mundo se reunia para tentar limitar. Era inaceitável, embora em tons e graus, muitos lugares passaram a aceitá-lo.


Poluição-do-ar
Photo//Pixabay//tf3000


A poluição do ar é uma 'pandemia silenciosa' mais perigosa do que os vírus:



Passamos a ignorar as outras formas de morte e destruição, o que quer dizer que as normalizamos como uma espécie de ruído de fundo moral. Este é, acima de tudo, o obstáculo para lidar com problemas crónicos, desde a violência até a mudança climática. E se tratássemos essas 8,7 milhões de mortes anuais por poluição do ar como uma emergência e uma crise, e reconhecêssemos que o impacto respiratório das partículas é apenas uma pequena parte do impacto devastador da queima de combustíveis fósseis?

Para a pandemia, conseguimos imobilizar todo o mundo, reduzindo radicalmente o tráfego aéreo e mudando a maneira como muitos de nós vivemos, além de liberar grandes somas de dinheiro para ajudar as pessoas financeiramente devastadas pela crise. Podemos e devemos fazer isso pelas mudanças climáticas, mas o primeiro obstáculo é a falta de senso de urgência.

 


A mudança climática é invisível na consciência política cotidiana, porque ocorre a uma escala muito vasta no tempo e no espaço para ser vista a olho nu e porque diz respeito a fenômenos impercetíveis como a composição atmosférica. Os seus efeitos são frequentemente esquecidos ou negados. Havia incêndios florestais na Califórnia antes da mudança climática, mas eles são maiores, mais fortes, mais rápidos, com a temporada de incêndios sendo mais longa agora, e reconhecer isso também requer atenção aos dados.

Entre os fenómenos marcantes das primeiras semanas da pandemia estavam a qualidade do ar e o canto dos pássaros. No silêncio, quando a atividade humana foi interrompida, muitas pessoas relataram ter ouvido o canto dos pássaros, e em todo o mundo os níveis de poluição do ar caíram dramaticamente. Em alguns lugares da Índia, os Himalaias voltaram a ser visíveis, como não era há décadas, o que significa que a queda das taxas de poluição foram as visíveis. De acordo com a CNBC , no início da pandemia, “New Delhi registrou uma queda de 60% de PM2.5 em relação aos níveis de 2019, Seul registrou uma queda de 54%, enquanto a queda em Wuhan da China foi de 44%”. Voltar ao normal significa afogar os pássaros e confundir as montanhas e aceitar 8,7 milhões de mortes por poluição do ar por ano.


Novas evidências mostram como o COVID-19 reduziu a poluição atmosférica global


Essas mortes foram consideradas normais e precisam ser consideradas anormais e preocupantes, ate mesmo uma pandemia. Uma maneira de fazer isso é chamar a atenção para o efeito cumulativo e os resultados quantificáveis. Outra é mapear como as coisas poderiam ser diferentes, no caso da mudança climática, isso significa lembrar às pessoas que não há status quo, mas um mundo sendo dramaticamente transformado, e que apenas uma ação ousada limitará os extremos dessa mudança. O cenário de energia também está passando por mudanças dramáticas, a indústria de carvão entrou em colapso em muitas partes do mundo, a indústria de petróleo e gás está em declínio. As energias renováveis ​​estão proliferando porque estão se tornando cada vez mais eficazes, eficientes e cada vez mais baratas que a energia gerada por combustíveis fósseis. Muita atenção foi dada a quaisquer ações que pudessem ter feito a Covid-19 passar de animais para humanos.



A esperança para um mundo pós-pandêmico é que as velhas desculpas para não fazer nada a respeito do clima, que é impossível mudar o status quo e muito caro para fazer isso, acabem. Em resposta à pandemia, os Estados Unidos, gastaram triliões de dólares e mudaram a forma de vida

O governo Biden já deu alguns passos encorajadores, mas é necessário mais, tanto nos EUA como em todo o mundo. Com uma redução nas emissões de carbono e um movimento em direção a energia mais limpa, poderíamos ter um mundo com mais canto dos pássaros e vistas de montanhas e sobretudo menos mortes causadas pela “pandemia” chamada poluição. Mas primeiro temos que reconhecer que este é um problema e que é urgente resolve-lo.


Poluição do ar mata mais que o Covid-19


Referencia//The Guardian


Sem comentários:

Enviar um comentário