sábado, 3 de abril de 2021

Finalmente resolvido o mistério das cruzes gravadas no lugar sagrado da morte de Jesus

Anteriormente, pensava-se que as gravuras enigmáticas da Igreja do Santo Sepulcro tinham sido feitas por peregrinos que visitavam o local sagrado, mas eram espantosamente uniformes, como se pertencessem a um ou apenas alguns mestres do artesanato.

Os Arqueólogos da Autoridade de Antiguidades de Israel dizem que resolveram este enigma histórico da Igreja do Santo Sepulcro, que foi erguida no local onde se acredita que Jesus foi sepultado.



Santo-sepulcro
Photo//Regnum Christi


Oito descobertas inexplicadas da antiguidade


As suas paredes são conhecidas por apresentarem cordas de cruzes gravadas, o que despertou a curiosidade de muitos cientistas, não tendo sido capazes de decifrar quem as fez há muito tempo.

Uma das teorias diz que os peregrinos poderiam tê-los gravado na pedra, transmitindo a mensagem, “Eu vim - eu vi” como uma declaração de alguma ação realizada.

“Este fenômeno único sempre nos deixou perplexos”, disse Amit Re'em, chefe do distrito de Jerusalém do IAA, à Reuters. “É graffiti dos peregrinos, ou melhor, outra coisa?”

Durante a reforma do local sagrado do cristianismo, os arqueólogos conseguiram finalmente examinar as esculturas de perto, usando imagens 3D e tecnologias digitais para comparar as gravuras e datá-las.

Eles descobriram que os milhares de símbolos religiosos haviam sido feitos por apenas algumas pessoas, chegando assim a uma nova hipótese, devendo a obra de arte ser algo menos aleatório e mais estruturado.



Vimos que todas as cruzes, têm a mesma profundidade e até a marcação do pedreiro. Talvez dois ou três artesãos tenham feito essas cruzes, e não é graffiti, é algo mais organizado”, disse Re'em, sugerindo que era prática comum os peregrinos atribuírem aos pedreiros a tarefa de fazer as esculturas, o que explica que a maneira e o estilo são mais ou menos unificados.

Digamos que um peregrino quer deixar a mensagem, então paga algo ao artista e ele esculpe uma cruz especial no lugar mais sagrado do Cristianismo na Terra, para o benefício da alma do peregrino e dos seus parentes,” comentou Re'em.



O dia em que o “Sol Parou”, a lenda Asteca também documentada na Bíblia


Referencia//SputnikNews




Sem comentários:

Enviar um comentário