quarta-feira, 3 de março de 2021

Propulsor de fusão antecipa "Primeira cidade em Marte"

A empresa de deteção de radiação US Nuclear Corp está tentando convencer a NASA a assinar um contrato para desenvolver um sistema de propulsão para naves espaciais usando a fusão que poderia levar futuros viajantes espaciais até Marte.

 Em colaboração com a Magneto-Inertial Fusion Technologies, Inc. (MIFTI), um spinout da UC Irvine com foco no desenvolvimento de um gerador baseado em fusão termonuclear, a empresa espera ajudar a NASA a enviar a primeira missão tripulada a Marte no início de 2030.

Mais cedo do que se pensa, o Homem pode estar construindo a primeira cidade em Marte”, diz a declaração da empresa.



marte
Photo//Tecnoblog


Planetas "próximos" podem ser mais habitáveis que o nosso


No início deste ano, a NASA enviou um apelo às empresas, desafiando-as a criar sistemas de propulsão nucleares elétricos (em que a energia térmica gera eletricidade para impulsionar os propulsores) e nucleares térmicos (em que o calor das reações nucleares atua como o propelente) para sua próxima geração de propulsores para naves espaciais.

 Contar com a propulsão de energia nuclear permitiria que futuramente, as naves usassem muito menos combustível e completassem uma viagem de ida e volta ao Planeta Vermelho em apenas dois anos ou pouco mais, de acordo com a NASA.



A US Nuclear afirma que o gerador de energia de fusão que está sendo desenvolvido pela MIFTI pode fornecer dez milhões de vezes a energia por libra de carga útil quando comparado aos combustíveis químicos convencionais para foguetes. O gerador também poderia reduzir uma viagem de ida a Marte para apenas três meses e poderia gerar energia para impulsão "em qualquer lugar que haja água ou gelo e, ao contrário da fissão, não depende do fornecimento de urânio enriquecido", de acordo com a empresa.

A energia de fusão também significa que os futuros viajantes espaciais não teriam que se proteger da radiação emitida por uma reação de fissão.

A US Nuclear e a MIFTI estão a apenas alguns anos de construir o primeiro gerador de energia de fusão do mundo, que mais tarde poderia ser usado para impulsionar viagens espaciais”, diz o comunicado.


Rússia desenvolve foguete para proteger a Terra da queda objetos espaciais


As promessas devem ser encaradas com cautela. As tecnologias de foguetes de fusão ainda estão em seus estágios iniciais e ainda precisam ser demonstradas, e, na verdade, os cientistas ainda precisam construir uma instalação de energia de fusão prática na Terra.

A empresa também não está sozinha na tentativa de desenvolver um sistema de propulsão por fusão nuclear no espaço. Uma equipe de pesquisadores da Glenn Research Center da NASA publicou um par de artigos revisados por especialistas no ano passado delineando um novo método para desencadear a fusão nuclear no espaço.

Os cientistas estão interessados ​​na fusão, porque ela pode gerar enormes quantidades de energia sem criar subprodutos radioativos de longa duração”, disse Theresa Benyo, do Glenn Research Center da NASA, num comunicado na época.



No entanto, as reações de fusão convencionais são difíceis de alcançar e manter porque dependem de temperaturas tão extremas para superar a forte repulsão eletrostática entre núcleos carregados positivamente que o processo tem sido impraticável”, acrescentou ela.

Nos seus dois artigos, a equipa descreveu um novo método que permitiria reações de fusão usando deutério, um isótopo de hidrogênio não radioativo em temperatura ambiente, em vez de comprimir ou aquecer os isótopos acima das temperaturas encontradas no centro do sol.

Mas tal unidade de fusão ainda é um sonho distante, apesar da nova metodologia da equipe, as reações não forneceriam impulso suficiente.



O poder de fusão é uma solução elegante para um problema tão antigo quanto a própria viagem espacial, o combustível de foguete convencional literalmente só nos levará até um certo ponto.

Ao concentrar nossos esforços na propulsão nuclear, seja gerada a partir de materiais radioativos ou reações de fusão complexas, temos a oportunidade de levar a viagem espacial à sua próxima conclusão lógica



Sem comentários:

Publicar um comentário