sábado, 6 de março de 2021

A imunidade ao SARS-Cov-2 desaparecerá rapidamente ou durará toda a vida?

As vacinas COVID-19 estão funcionando. Dados de Israel e da Escócia mostram que eles estão protegendo as pessoas e também podem estar diminuindo a disseminação do vírus SARS-CoV-2. Se tudo se mantiver, as pessoas ficarão protegidas de doenças graves, a quantidade de vírus diminuirá progressivamente e podemos realmente planear uma saída.

Também estão crescendo as evidências de que, uma vez infetado, há uma boa possibilidade de ficar protegido de outras infeções ou, pelo menos, de uma doença grave. Isso faz sentido, pois é por isso que o sistema imunológico evoluiu em primeiro lugar.


Vacina-covid-19
Photo//Pixabay//torstensimon

Cientistas alertam para risco de nova pandemia


Ao longo de milhões de anos, o sistema imunológico foi esculpido pelas leis da seleção natural. Depois de infetado ou vacinado, as células B e T de memória persistem. Quando alguém é infetado novamente, eles acordam e eliminam a infeção a tal ponto que o sujeito nem vai se sentir mal. Daí podemos ver como isso fez sentido evolucionário. Sentir-se doente significa que um ser tem menos probabilidade de procriar, então haveria uma vantagem de sobrevivência para a imunidade.

No entanto, uma questão importante em imunologia, quando se trata de doenças infeciosas e vacinas, é, quanto tempo pode durar a proteção? Existem várias variáveis ​​aqui, desde o tipo de patogénico que infecta até a gravidade da doença inicial, a saúde geral e sua idade. Tudo isso torna difícil prever o que pode acontecer com o COVID-19.



Sarampo ou gripe?

Pode ser útil comparar o que sabemos atualmente sobre COVID-19 com duas doenças sobre as quais sabemos muito e para as quais temos vacinas eficazes. o sarampo e a gripe. No futuro, com qual será o COVID-19?

O sarampo é um vírus muito mais estável do que o SARS-CoV-2, não sofre muita mutação. Geralmente também provoca uma forte resposta imunológica e, portanto, a imunidade tende a durar muito tempo, seja por infeção ou por vacinas. Um estudo mostrou que os anticorpos contra o sarampo duram a vida toda. Por ser um vírus tão estável, quando ele reinfectar, a vacina que pode ter sido tomada há anos, ou a resposta à infeção natural, irá protegê-lo.

A gripe, porém, é diferente. O vírus da gripe pode mudar com facilidade. Isso significa que devemos continuar vacinando contra ela, pois vacinas contra uma variante anterior podem não proteger contra uma nova variante. A estabilidade de um vírus é, portanto, um fator determinante para a persistência da proteção.

 



A COVID-19 provavelmente fica em algum lugar entre o sarampo e a gripe. Não é tão estável quanto o sarampo e não é tão mutável como a gripe. Podemos esperar que a imunidade contra COVID-19 dure, mas provavelmente não tanto como o sarampo. E provavelmente teremos que vacinar contra as variantes que surgem, como fazemos para a gripe.

Uma coisa que temos a nosso favor é a natureza repetitiva da superfície do SARS-CoV-2. A proteína spike cobre a superfície do coronavírus de uma maneira bastante uniforme. Os anticorpos contra a varíola, que também tem uma superfície altamente repetitiva, duram uma vida inteira. Nessa situação, os macrófagos (um tipo de glóbulo branco que envolve e consome patogénicos) podem ser mais capazes de exterminar o vírus revestido de anticorpos.

 Se a proteína spike sofrer mutação e os anticorpos não se ligarem tão bem, vale a pena dar uma injeção de reforço contra a nova proteína spike, que é o que está planejado.

E se os anticorpos não funcionarem tão bem contra as variantes, as células T podem. Isso pode significar que não precisaremos de reforços e que podemos ter proteção de longo prazo contra múltiplas variantes. E mesmo que a resposta imunológica seja menor contra as variantes, provavelmente ainda estaremos protegidos de doenças graves.



Finlândia desenvolve vacina nasal destinada a eliminar completamente o coronavirus


Um especto importante da infeção natural é a força da resposta imune inicial. O resfriado comum geralmente provoca apenas uma resposta leve nas vias aéreas superiores. Isso ocorre porque um vírus que se limita ao seu nariz não é uma grande ameaça. Isso significa que a resposta imunológica realmente não funciona. É insuficiente para o surgimento de células B e T de memória.

Se a gripe causa uma grande luta, que o sistema imunológico nunca esquece, o resfriado comum é um mero conflito que logo é esquecido. Uma dose leve de COVID-19 pode ser semelhante. Se um paciente teve uma doença mais pronunciada, isso pode ser útil e torná-lo mais resistente a reinfeções. Mas se você teve apenas uma doença leve, ou se não tem sintomas, corre o risco de reinfeção.

É aqui que as vacinas entram em ação. Elas geralmente fornecem uma resposta imunológica muito mais forte do que a infeção natural. Isso ocorre porque as respostas imunes naturais não “conhecem os patogénicos”, muitos dos quais possuem formas elaboradas de desativar a resposta imune. Novamente, isso se deve à evolução.



Covid-19
Photo//Pixabay//pearson0612


Jovens com graves problemas de saúde mental, devido á pandemia


Os vírus que carregam proteínas que podem limitar a imunidade terão maior probabilidade de sobreviver. Isso pode ser especialmente importante com o SARS-CoV-2, que apresenta várias maneiras de limitar a imunidade. Como as vacinas compreendem uma parte do vírus, como a proteína spike, ou um vírus inteiro inativado, elas não limitam a imunidade e, portanto, ocorre uma resposta imune robusta. A vacina Moderna, por exemplo, demonstrou provocar uma resposta de anticorpos durável, em que a infeção natural é mais variável.

Agora estamos confiantes de que a infeção com SARS-CoV-2 tem grande probabilidade de fornecer alguma proteção contra a reinfeção. Mas, visto que estamos vendo variantes, é aconselhável se preparar para doses de reforço com novas vacinas para aqueles que são vulneráveis. Teremos uma ideia melhor se eles são necessários nos próximos meses.

Se forem, o COVID será mais parecido com a gripe, que precisa de reforços. Mas se não forem, será mais parecido com o sarampo, em que a única ameaça é para aqueles que recusam a vacinação.


Novo scanner pode detetar o SARS-Cov-2 em pessoas e superfícies


Referencia//The Conversation




Sem comentários:

Enviar um comentário