segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

Diretor da OMS afirma que o vírus pode ser controlado

A redução de novos casos da COVID-19 no mundo é um indício de que é possível controlar o vírus e suas mutações, disse nesta segunda-feira o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

A Organização Mundial da Saúde regista até o momento 102.399.513 casos do coronavírus e 2.217.005 mortes. No dia 10 de janeiro, foram contabilizados 833.105 novos casos, enquanto no dia 31 houve registo de 501.996 novos contágios.


Coronavirus


Novo medicamento combate o COVID-19 de maneira eficaz


"Pela terceira semana consecutiva, o número de novos casos da COVID-19 relatados globalmente caiu", disse o diretor da OMS numa conferência de imprensa no fim da semana passada.

Tedros frisou que "ainda existem muitos países com números crescente de casos, mas, a nível global, essa é uma notícia encorajadora".

Segundo o diretor da OMS, isso significa que o "vírus pode ser controlado, mesmo com as novas variantes em circulação".

"E isso mostra que, se continuarmos mantendo as mesmas medidas comprovadas de saúde pública, podemos prevenir infeções e salvar vidas", acrescentou.



Após o número de casos ter caído em 2020, no inicio do ano subiram

Por outro lado, Tedros salientou que, no ano passado, o número de casos globais chegou a cair na maioria dos países, mas os governos abriram a economia cedo demais e os indivíduos baixaram a guarda para o vírus, o que, segundo ele, fez a COVID-19 voltar com força.



O diretor da OMS disse ainda que, "à medida que as vacinas são lançadas, é vital que todos nós continuemos a tomar as precauções para nos mantermos e os outros seguros".

O país como o maior número de casos da COVID-19 são os Estados Unidos, seguido pela Índia e Brasil, que apresenta um aumento de contágios e mortes. Em relação aos óbitos, os EUA também lideram o ranking, seguidos por Brasil, México e Índia, de acordo com levantamento da Universidade Johns Hopkins.



Novo estudo explica a 'imunidade pré-existente' ao Sars-CoV-2 nalgumas populações


Reerencia//SputnikNews




Sem comentários:

Publicar um comentário