sábado, 6 de fevereiro de 2021

Cerca de 100 crianças hospitalizadas por semana no Reino Unido, com doença rara pós-Covid

No Reino Unido cerca 100 crianças são hospitalizadas por semana com síndrome multissistêmica pediátrica inflamatória (PIMS), uma doença rara e perigosa que pode surgir semanas após COVID-19, segundo o The Guardian .

As autoridades de saúde do Reino Unido descobriram que cerca de uma em 5.000 crianças experimentou o (PIMS) cerca de um mês após ter COVID-19, mesmo que não tenham apresentado sintomas durante a infeção.



Covid-19
Photo//Bomdia


Diretor da OMS afirma que o vírus pode ser controlado


Os sintomas de PIMS são erupções cutâneas, febre, pressão arterial extremamente baixa e problemas abdominais. Nos piores casos, esses sintomas podem levar à sepse, uma condição com risco de vida em que processos de combate a infeções se ativam no corpo.

De acordo com o The Guardian , a frequência desses casos aumentou durante a segunda onda de casos COVID, com cerca de 100 jovens sendo internados por semana, em comparação com apenas 30 por semana durante a primeira onda de COVID-19 em abril.

Para aumentar o problema, dizem os médicos, a maioria das crianças hospitalizadas era negra, asiática ou outros grupos minoritários. Os pediatras agora estão tentando entender por quê.



Estamos fazendo pesquisas para entender por que essa população é afetada”, disse a porta-voz do PIMS do Royal College of Pediatrics e Child Health, Liz Whittaker.

A genética pode ser a causa”, acrescentou ela. “Mas estamos preocupados que seja um reflexo da pobreza, que afeta desproporcionalmente aqueles que não podem evitar a exposição devido à sua ocupação, famílias multigeracionais e moradias sobre lotadas.”



 


Felizmente, o PIMS atualmente parece estar afetando apenas uma pequena parte das crianças que tiveram COVID-19.

Continua sendo raro, e não achamos que os pais devam se preocupar, pois é muito mais provável não afetar seus filhos do que afetá-los”, disse Whittaker


Novo medicamento combate o COVID-19 de maneira eficaz


Referencia//The Guardian




Sem comentários:

Publicar um comentário