terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Novo medicamento combate o COVID-19 de maneira eficaz

A dexametasona continua sendo a única droga que demonstrou eficácia no tratamento de formas graves de COVID-19, de acordo com Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Um novo medicamento capaz de tratar eficazmente COVID-19 e outras doenças virais pode ser produzido em massa na Rússia num futuro imediato, revelou o bioquímico russo Leonid Rink, um dos desenvolvedores do agente nervoso Novichok.


Laboratorio
Photo//Medquest



Novo estudo explica a 'imunidade pré-existente' ao Sars-CoV-2 nalgumas populações


Rink, que trabalhou no Instituto de Pesquisa Estatal Russo de Química Orgânica e Tecnologia e atualmente está à frente da associação comercial e industrial inter-regional "InterVita", identificou o medicamento como o agente antiviral e imunomodulador "Immofon".

Ele atua contra doenças virais, e restaura células perfeitamente após o trabalho do sistema imunológico, ou seja, elimina a ação das citocinas [um processo em que o sistema imunológico começa a destruir o corpo humano durante um distúrbio inflamatório], que, segundo muitos especialistas, é uma das causas da letalidade do coronavírus ”, disse o cientista.



Segundo ele, o medicamento é baseado no medicamento "Diucifon", que foi sintetizado na União Soviética em 1967 para o tratamento da hanseníase e que estava na lista dos medicamentos essenciais até os anos 2000.

O "Immofon" contém uma porção do poderoso agente antiviral "Dapsona" e duas moléculas de metiluracila, projetadas para ativar o metabolismo nos tecidos e estimular o processo de regeneração, afirmou Rink, acrescentando que, além do COVID-19, a nova droga é eficaz contra o lúpus eritematoso, esclerodermia, artrite reumatóide, psoríase, alergias, leucemia e doenças pulmonares.



Ele salientou que a droga já foi testada em cerca de 700 voluntários idosos, dizendo que "não houve um único estágio grave e nem uma única morte após a infeção".

O bioquímico disse que sua empresa está empenhada no fabrico de lotes-piloto do novo medicamento para testar sua eficácia contra várias patologias. Ele acrescentou que as negociações estão em andamento com o Ministério da Saúde russo e outros reguladores sobre a produção de seringas pré cheias e conta-gotas, e que uma dose de "Immunofon" custará cerca de mil rublos (US $ 13,20).



Mesmo com vacina, o coronavírus veio para ficar


Referencia//SputnikNews

 

 


Sem comentários:

Publicar um comentário